A sedução da etnografia da ciência

  • Renan Springer de Freitas
Palavras-chave: Etnografia da ciência, Progresso científico, Contexto da descoberta, Contexto da justificação, Schemata

Resumo

Este artigo compara os resultados do exercício, peculiar aos sociólogos e antropólogos da ciência pós-kuhnianos, de documentar a prática científica cotidiana - ou o que se convencionou chamar de science-in-the-making - com os resultados advindos de um exercício análogo, relativo à arte, realizado algumas décadas antes pelo historiador da arte Ernst Gombrich. Argumenta-se que, enquanto Gombrich foi conduzido a resultados verdadeiramente auspiciosos - sendo-lhe permitido, por meio de seu empenho em estudar o que se poderia chamar de art-in-the-making, mostrar como diferentes estilos de representação pictórica se formam e evoluem -, sociólogos e antropólogos pós-kuhnianos foram conduzidos a apenas uma insossa crônica da ciência. Discute-se a razão do sucesso do primeiro e do fracasso dos últimos.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2005-06-01
Como Citar
Freitas, R. (2005). A sedução da etnografia da ciência . Tempo Social, 17(1), 229-253. https://doi.org/10.1590/S0103-20702005000100010
Seção
Sociologia da Ciência