Ciências sociais no Cone Sul e a gênese de uma elite intelectual (1940-1965)

Autores

  • Alejandro Blanco Universidade de Buenos Aires; Faculdade de Filosofia e Letras

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0103-20702007000100006

Palavras-chave:

Ciências sociais, Institucionalização, Elite intelectual, Trajetórias intelectuais, Organismos internacionais

Resumo

Este trabalho reconstrói o processo de constituição e ascensão de uma nova classe de produtores intelectuais, a dos cientistas sociais, detentores de uma competência intelectual e técnica exclusiva, e depositários de uma formação acadêmica inovadora. De um lado, são examinadas as distintas iniciativas e os principais dispositivos culturais e institucionais de difusão e implantação da sociologia moderna em alguns países da América Latina, assim como as trajetórias intelectuais de seus principais protagonistas; e, de outro, o contexto intelectual e político mais geral em que ocorreu esse processo, em especial o papel desempenhado por uma série de organismos regionais e internacionais na formação de uma rede intelectual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2007-06-01

Como Citar

Blanco, A. (2007). Ciências sociais no Cone Sul e a gênese de uma elite intelectual (1940-1965) . Tempo Social, 19(1), 89-114. https://doi.org/10.1590/S0103-20702007000100006

Edição

Seção

Dossiê - História Social dos Intelectuais Latino-Americanos