A precarização das condições de trabalho dos jornalistas de São Paulo segmentada por faixas etárias

Uma identidade profissional em risco?

Palavras-chave: Jornalismo, Precarização, Condições de trabalho, Identidade profissional

Resumo

Este artigo parte do contexto de reestruturações produtivas no mundo do trabalho dos jornalistas, caracterizado por sistemáticas demissões e alta rotatividade de profissionais nas redações. Por meio da aplicação de dois questionários e 15 entrevistas semiestruturadas com comunicadores que atuavam no Estado de São Paulo entre dezembro de 2015 e janeiro de 2017, busca-se inicialmente avaliar os impactos dessas reestruturações nas condições de trabalho dos jornalistas. Em seguida, os dados são segmentados por faixas etárias, revelando uma precarização ascendente dos mais experientes no setor. Argumenta-se que essa tendência pode estar debilitando a construção de uma identidade profissional entre as novas gerações de repórteres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thales Vilela Lelo, Universidade do Estado de Minas Gerais

Doutor em ciências sociais pela Universidade Estadual de Campinas e professor da Universidade do Estado de Minas Gerais.

Referências

Adghirni, Zélia. (2001), “Jornalismo online e identidade profissional do jornalista”. Comunicação e Espaço Público, 1 (1): 49-67.
Adghirni, Zélia. (2012), “Mudanças estruturais no jornalismo: travessia de uma zona de turbulência”. In: Pereira, Fábio; Moura, Dione & Adghirni, Zélia (orgs.). Jornalismo e sociedade: teorias e metodologias. Florianópolis, Insular, pp. 61-79.
Bernard, H. Russel. (2006), Research methods in anthropology: qualitative and quantitative approaches. Oxford, Altamira Press.
Bourdieu, Pierre (1996), Sobre a televisão. Rio de Janeiro, Jorge Zahar.
Duarte, Rosália. (2004), “Entrevistas em pesquisas qualitativas”. Educar, 24: 213-225.
Fígaro, Roseli. (2013) “Atividade de comunicação e trabalho dos jornalistas”. E-Compós, 16 (1): 1-20.
Gans, Hans (1979), Deciding What’s News: a study of cbs Evening News, nbc Nightly News, Newsweek, and Time. Evanston, Northwestern University Press.
Heloani, José. (2005), Mudanças no mundo do trabalho e impactos na qualidade de vida do jornalista. São Paulo, fgv.
Huws, Ursula (2014), Labor in the digital economy. Nova York, Monthly Review Press.
Mick, Jaques & Lima, Samuel. (2013), Perfil do jornalista brasileiro: características demográficas, políticas e do trabalho jornalístico em 2012. Florianópolis, Insular.
Minayo, Maria & Sanches, Odécio. (1993), “Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementaridade?”. Cadernos de Saúde Pública, 9 (3): 239-262.
Moretzsohn, Sylvia. (2002), Jornalismo em tempo real: o fetiche da velocidade. Rio de Janeiro, Revan.
Neveu, Erik. (2000), “Le genre du journalisme : des ambivalences de la féminisation d’une profession”. Politix, 13 (51): 179-212.
Pereira, Fábio. (2013), “A study on Brazilian web journalists’ professional careers”. Communication & Society, 26 (4): 127-151.
Ruellan, Denis. (2001), “Socialisation des journalistes entrant dans la profession”. Quaderni, 45: 137-152.
Ruellan, Denis. (2004), “Grupo profissional e mercado de trabalho do jornalismo”. Comunicação e Sociedade, 5: 9-24.
Traquina, Nelson. (2005), Teorias do Jornalismo. Florianópolis, Insular, vol. 2.
Tuchman, Gaye. (1973), “Making news by doing work: routinizing the unexpected”. American Journal of Sociology, 79 (1): 110-131.
Publicado
2019-08-07
Como Citar
Lelo, T. (2019). A precarização das condições de trabalho dos jornalistas de São Paulo segmentada por faixas etárias. Tempo Social, 31(2), 243-261. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2019.146626
Seção
Artigos