As ideias e atividades de Armando de Godoy

Um darwinista social inspirado pelo movimento cidade-jardim e/ou o inimigo dos arranha-céus (1923-1943)?

Palavras-chave: Urbanismo, Rio de Janeiro, Armando de Godoy, Ideias urbanísticas, Cidades

Resumo

Embora o plano urbanístico de Le Corbusier para o Rio de Janeiro nunca tenha sido seriamente considerado e o plano de Agache tenha sido colocado de lado para ser implementado parcialmente em outro momento, urbanismo no Rio de Janeiro não pode ser discutido sem um entendimento das atividades e ideias de Armando Augusto de Godoy, um dos mais prolíficos escritores sobre o assunto no Brasil. Este artigo explora empírica e analiticamente as ideias e atividades de Godoy até sua morte em 1944, enquadrando suas ideias e práticas no contexto de algumas ideias do filósofo francês Michel Foucault, tais como seus conceitos de bio-poder e disciplina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joel Outtes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

DPhil (PhD) pela University of Oxford e professor associado do Departamento de Urbanismo da UFRGS

Referências

Abreu, Maurício de Almeida. (1988), Evolução urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Iplanrio/Jorge Zahar.

Agache, Donat-Alfred Hubert. (1930), Cidade do Rio de Janeiro, extensão, remodelação, embellezamento. Trad. de Francesca de Souza. Paris, Foyer Brésilien.

Agache, Donat-Alfred. (1932), La remodelation d’une capitale: aménagement, extension, embellissement. Paris, Société Coopérative d’Architectes, 2 vols.

Anônimo. (1945), “Armando Augusto de Godoy”. Revista Municipal de Engenharia, 1 (12): 4-5.

Anônimo. (1979), “Entomologia”. In: Houaiss, Antonio (org.). Enciclopédia mirador internacional. São Paulo/Rio de Janeiro, Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações Ltda., vol. 8, p. 3882.

Beloch, Israel & Abreu, Alzira Alves de (orgs.). (1984), Dicionário histórico-biográfico Brasileiro (1930-1983). Rio de Janeiro, Forense-Universitária, vol. 1.

Benchimol, Jaime Luis. (1982), Pereira Passos: um Haussmann tropical, as transformações urbanas do Rio de Janeiro no início do século xx. Rio de Janeiro, dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Boyer, M. C. (1983), Dreaming the rational city: the myth of American city planning. Londres, The mit Press.

Collins English Dictionary. (1991, 1979), 3. ed.

Conniff, Michael L. (1981), Urban politics in Brazil: the rise of populism, 1925-1945. Pittsburgh, University of Pittsburgh Press.

Foucault, Michel. (1966), Les mots et les choses. Paris, Gallimard.

Foucault, Michel. (1969), L’archeologie du savoir. Paris, Gallimard.

Foucault, Michel. (1975), Surveiller et punir. Paris, Gallimard.

Foucault, Michel. (1980), “La poussière et le nuage”. In: Perrot, Michelle (org.). L’impossible prison: recherches sur le système pénitentiaire au xixe siècle. Paris, Editions du Seuil, pp. 29-39.

Foucault, Michel. (1990), Microfísica do poder. Rio de Janeiro, Graal.

Godoy, Armando Augusto de. (1923), “Algumas idéias sobre a remodelação das cidades”. In: Sociedade Brasileira de Hygiene. Annaes do Primeiro Congresso Brasileiro de Hygiene. Rio de Janeiro, pp. 39-47.

Godoy, Armando Augusto de. (1927), “Cidade jardim”. Notícias Rotárias, 53(3): 3-5.

Godoy, Armando Augusto de. (1930), “O arranha-céo: as causas do seu aparecimento; o seu, surto nos últimos tempos, em Nova York; a sua apreciação sob o ponto de vista do urbanismo e da architectura”. Revista Brasileira de Engenharia, 4 (20): 133-142.

Godoy, Armando Augusto de. (1931), “Zoneamento das cidades”. Rotary Brasileiro, 38 (5): 24-25.

Godoy, Armando Augusto de. (1932a), “Duas cidades industriaes modelares”. Revista da Directoria de Engenharia, 2 (1): 9-14.

Godoy, Armando Augusto de. (1932b), “O problema do tráfego através do plano de remodelação”. Revista Brasileira de Engenharia, 3 (23): 69-78.

Godoy, Armando Augusto de. (1933), “Relatório apresentado ao Dr. Pedro Ludovico, Interventor no Estado de Goyaz, sobre a mudança da actual capital para Campinas”. Revista da Directoria de Engenharia, 5 (2): 20-27.

Godoy, Armando Augusto de. (1934a), “A futura capital de Goiaz”. Correio da Manhã, 2/5. In: Instituto Brasileiro de Geogrgafia e Estatística. Goiânia. Rio de Janeiro, ibge, 1942 (1934), pp. 35-40.

Godoy, Armando Augusto de. (1934b), “O problema da habitação”. Revista da Directoria de Engenharia, 10 (2): 1-4.

Godoy, Armando Augusto de. (1935a), “As conseqüências sociais e econômicas dos princípios do urbanismo”. Revista do Club de Engenharia, 14 (2): 711-719.

Godoy, Armando Augusto de. (1935b), “O urbanismo nos Estados Unidos”. Revista da Directoria de Engenharia, 14 (3): 205-213.

Godoy, Armando Augusto de. (1935c), “A concorrencia do pneumatico ao trilho”. Revista da Directoria de Engenharia, 15 (2): 308-311.

Godoy, Armando Augusto de. (1936), “Algumas transformações e conquistas urbanas do Rio através de diferentes governos”. Arquitetura e Urbanismo, 2 (1): 45-48.

Godoy, Armando Augusto de. (1943), A urbs e seus problemas. Rio de Janeiro, Jornal do Commercio, Rodrigues & Cia.

Harvey, David. (1990), “Between space and time: reflections on the geographical imagination”. Annals of the Association of American Geographers, 80: 418-434.

Instituto Brasileiro de Geogrgafia e Estatística. (1942), Goiânia. Rio de Janeiro, ibge.

Kessel, Carlos. (1997), A vitrine e o espelho: o Rio de Janeiro de Carlos Sampaio. Rio de Janeiro, dissertação de mestrado, Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Machado, Roberto; Loureiro, A.; Luz, R. & Muricy, Kátia. (1978), Da(n)ação da norma: medicina social e constituição da psiquiatria no Brasil. Rio de Janeiro, Graal.

Maia, Francisco Prestes. (1930), Estudo de um Plano de Avenidas para a Cidade de São Paulo. São Paulo, Companhia Melhoramentos.

Mello, Luiz de Anhaia. (1935), “A ‘Sociedade Amigos da Cidade’ e sua funcção no quadro urbano”. Boletim do Instituto de Engenharia, 115 (21): 263-269.

Melo, Luiz de Anhaia. (1945), “Habitação e urbanismo”. Engenharia, 4 (37): 2-3.

Outtes, Joel. (1993), La ville: lieu de la dégénérescence? Urbanisme et représentations sociales au Brésil et en Argentine (1920-1945). Paris, dissertação de mestrado, École des Hautes Études en Sciences Sociales.

Outtes, Joel. (1996), “Discipliner la société à travers la cité: genèse de l’urbanisme au Brésil et en Argentine (1905-1945)”. In: Coquery-Vidrovitch, C. & Goerg, O. (orgs.). La ville européenne outre mers: un modèlle conquerant? xve-xxe siècles. Paris, L’Harmattan.

Outtes, Joel. (1997), “Regolare la società attraverso la città: la genesi dell’urbanistica in Brasile e Argentina (1905-1945)”. Storia Urbana, 21 (78): 5-28.

Outtes, Joel. (2000), Disciplining society through the city? the birth of urbanismo (city planning) in Brazil (1916-1941). Oxford, dphil, School of Geography and the Environment/Oriel College, University of Oxford.

Pereira, Margarete da Silva. (1988), L’ephémere et la perenité: Rio de Janeiro, la ville au xixe siècle. Paris, tese de doutorado, École des Hautes Études em Sciences Sociales, 3 vols.

Ribeiro, Coronel Leite. (1927), “As condições actuaes desta capital e a actuação em seu progresso da Associação dos Amigos da Cidade”. Notícias Rotárias, 3 (63-64): 5-7.

Silva, Maurício Joppert da. (1953), “O Nordeste: impressões de uma viagem em 1932”. Revista do Clube de Engenharia, 199 (26): 96-109.

Silva, Nascimento. (1941), Discurso de Nascimento Silva. Discurso proferido no I Congresso Brasileiro de Urbanismo, Departamento de Urbanismo do Centro Carioca, 20-27 de janeiro de 1941. Rio de Janeiro.

Publicado
2019-12-18
Como Citar
Outtes, J. (2019). As ideias e atividades de Armando de Godoy. Tempo Social, 31(3), 263-283. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2019.149266
Seção
Artigos