Emprego doméstico e mudança social

Reprodução e heterogeneidade na base da estrutura ocupacional brasileira

Palavras-chave: Emprego doméstico, Desigualdades raciais, Raça e gênero

Resumo

O objetivo do presente artigo é analisar mudanças no perfil das empregadas domésticas entre 2002 e 2012 considerando não apenas as alterações pontuais na legislação que antecedeu à pec das domésticas, mas também as transformações sociais ocorridas na base da pirâmide social brasileira. Apesar da reprodução das clivagens de raça e classe que definem o perfil geral dessas trabalhadoras, o artigo demonstra que esses marcadores operam também na diferenciação interna dessa ocupação. Além disso, os dados analisados demonstram que as mudanças na base da estrutura ocupacional e no perfil educacional da força de trabalho foram decisivas para o modo como o perfil do emprego doméstico se alterou ao longo do período.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Lima, Universidade de São Paulo (USP)

Professora do Departamento de Sociologia da USP e pesquisadora sênior do Cebrap.

Ian Prates, Universidade de São Paulo (USP)

Doutor em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia da USP e pesquisador do Cebrap.

Referências

Angelin, Paulo & Truzzi, Oswaldo. (2015), “Patroas e adolescentes trabalhadoras domésticas: Relações de trabalho, gênero e classes sociais”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 30 (89): 63-76.
Barros, R. P. B.; Mendonça, R.; Deliberalli, P. & Bahia, M. (2000), “O trabalho doméstico infantojuvenil no Brasil”. Nota Técnica Ipea. Brasília, pp. 1-10.
Bernardino-Costa, Joaze. (2015), “Decolonialidade e interseccionalidade emancipadora: a organização política das trabalhadoras domésticas no Brasil”. Sociedade e Estado. Brasília, 30 (1): 147-163.
Bruschini, Cristina; Lombardi, Maria Rosa. (2000). “A bipolaridade do trabalho feminino no Brasil contemporâneo”. Cadernos de Pesquisa, 110: 67-104.
Carneiro, Sueli & Santos, Thereza. (1995), Mulher negra. São Paulo, Nobel.
Burnham, Linda & Theodore, Nik. (2012), Home economics: the invisible and unregulated world of domestic work. Nova York, National Domestic Worker Alliance, Center for Urban Economic Development, University of Illinois at Chicago.
Damasceno, Caetana M. (1997), “Trabalhadoras cariocas: algumas notas sobre a polissemia da boa aparência”. Estudos Afro-Asiáticos, 31: 125-150.
Hasenbalg, Carlos & Silva, Nelson do Vale. (1998), Estrutura social, mobilidade e raça. São Paulo/Rio de Janeiro, Vértice/Iuperj.
Ipea. (2013), “Um retrato de duas décadas do mercado de trabalho brasileiro utilizando a PNAD”. Comunicados Ipea, 160: 1-31. Disponível em http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/comunicado/131007_comunicadoipea160.pdf.
Lima, Márcia & Silva, Denise. (1992), “Raça, gênero e mercado de trabalho”. Estudos Afro-Asiáticos, 23: 97-113.
Oit. (2010), Trabalho doméstico no Brasil: rumo ao reconhecimento institucional. Brasília, Organização Internacional do Trabalho/Escritório Brasil.
Pinheiro, Luana; Gonzales, Roberto & Fontoura, Natália. (2012), Expansão dos direitos das trabalhadoras domésticas no Brasil. Nota Técnica. Brasília, Ipea.
Pinheiro, Luana; Fontoura, Natália & Pedroza, Cláudia. (2011), “Situação atual das trabalhadoras domésticas no país”. In: Bernardino-Costa, Joaze; Figueiredo, Angela & Cruz, Tânia (orgs.). A realidade do trabalho doméstico na atualidade. Brasília, Centro Feminista de Estudos e Assessoria.
Rezende, Cláudia & Lima, Márcia. (2004), “Linking gender, class and race in Brazil”. Social Identities, 10 (6): 757-773.
Rosemberg, Fulvia. (1994), “A educação de mulheres jovens e adultas”. In: Saffiot, Heleieth & Vargas, Monica. Mulher brasileira é assim. Rio de Janeiro/Brasília, Rosa dos Tempos/Nipas/Unicef.
Saffioti, Heleieth. (1979), Emprego doméstico e capitalismo. Petrópolis, Vozes.
Souza, Kenia; Domingues, Edson. (2014), “Mudanças no mercado de serviços domésticos: uma análise da evolução dos salários no período 2006-2012”. Economia Aplicada, 18 (2): 319-346.
Theodoro, Maria Isabel Accoroni & Scorzafave, Luís Guilherme. (2012), “Impacto da redução dos encargos trabalhistas sobre a formalização das empregadas domésticas”. Revista Brasileira de Economia, 65 (1): 93-109.
Tilly, Charles. (1998), Durable inequality. Califórnia, University of California Press.
Vidal, Dominique. (2009), “Empleo domestico, normas jurídicas y sociedad democrática en Brasil”. In: Araujo, Kathya (ed.). Se acata pero no se cumple? Estudios sobre las normas en America Latina. Santiago do Chile, lom Ediciones.
Publicado
2019-08-07
Como Citar
Lima, M., & Prates, I. (2019). Emprego doméstico e mudança social. Tempo Social, 31(2), 149-171. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2019.149291
Seção
Artigos