Indiferenciação por diferença

Implicações da governamentalidade neoliberal para a teoria sociológica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2020.155166

Palavras-chave:

Autonomização, Indiferenciação, Governamentalidade neoliberal, Empresário de si, Capital humano

Resumo

Buscamos realizar uma leitura do conceito de governamentalidade neoliberal e suas ressonâncias em conceitos como sociedade de controle e novo espírito do capitalismo, como uma modulação específica de crítica ao enunciado da autonomização das esferas sociais. Diferente de uma crítica a esse enunciado que aponta para um processo de indiferenciação por identidade, levado a cabo pelo domínio da racionalidade instrumental, percebemos, a partir do Nascimento da Biopolítica, um diagnóstico do contemporâneo como perpassado por uma dinâmica de indiferenciação por diferença, operado por práticas e discursos que induzem a uma diferenciação crescente dos sujeitos, porém enquadrados sob o modelo do empresário de si e do capital humano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Trindade da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Professor adjunto do Humanitas – Instituto de Estudos Integrados da UFRN e doutor em sociologia pela Universidade de Brasília.

Referências

Adorno, T & Horkheimer, M. (1985), Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro, Jorge Zahar.

Boltanski, L. & Chiapello, E. (2009), O novo espírito do capitalismo. São Paulo, Martins Fontes.

Bourdieu, Pierre. (2007), A economia das trocas simbólicas. São Paulo, Perspectiva.

Bourdieu, Pierre. (2008), A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo/Porto Alegre, Edusp/Zouk.

Bourdieu, Pierre. (2009), Senso prático. Petrópolis, Vozes.

Bourdieu, Pierre. (2010), O poder simbólico. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil.

Bornheim, Gerd A. (1998), Os filósofos pré-socráticos. São Paulo, Editora Cultrix.

Cohn, Gabriel. (2003), Crítica e resignação: Max Weber e a teoria social. São Paulo, Martins Fontes.

Dardot, Pierre & Laval, Christian. (2016), A nova razão do mundo. São Paulo, Boitempo.

Deleuze, Gilles. (1992), “Post-scriptum sobre as sociedades de controle”. In: Deleuze, Gilles. Conversações, 1972-1990. São Paulo, Editora 34.

Dilthey, Wilhelm. (2010), A construção do mundo histórico nas ciências humanas. São Paulo, Editora Unesp.

Durkheim, Émile. (2010), Da divisão do trabalho social. São Paulo, Martins Fontes.

Foucault, Michel. (1979), “O nascimento da medicina social”: In: Machado, Roberto (org.). Microfísica do poder. Rio de Janeiro, Edições Graal.

Foucault, Michel. (1987), Vigiar e punir. Petrópolis, Vozes.

Foucault, Michel. (1988), História da sexualidade. Vol.1: A vontade de saber. Rio de Janeiro, Edições Graal.

Foucault, Michel. (1994), “Critical theory/Intellectual history”. In: Kelly, Michael (ed.). Critique and power: recasting the Foucault/Habermas debate. Massachusetts, The mit Press.

Foucault, Michel. (1999), Em defesa da sociedade. São Paulo, Martins Fontes.

Foucault, Michel. (2008a), Segurança, território, população. São Paulo, Martins Fontes.

Foucault, Michel. (2008b), Nascimento da biopolítica. São Paulo, Martins Fontes.

Foucault, Michel. (2010), Ditos e Escritos. Vol. 4: Estratégia, poder-saber. Organização e seleção de textos: Manoel Barros da Motta. Rio de Janeiro, Forense Universitária.

Habermas, Jürgen. (2000), O discurso filosófico da modernidade. São Paulo, Martins Fontes.

Habermas, Jürgen. (2012a), Teoria do agir comunicativo. Vol. 1: Racionalidade da ação e racionalização social. São Paulo, wmf Martins Fontes.

Habermas, Jürgen. (2012b), Teoria do agir comunicativo. Vol. 2: Sobre a crítica da razão funcionalista. São Paulo, WMF Martins Fontes.

Hardt, Michael & Negri, Antonio. (2001), Império. Rio de Janeiro, Record.

Honneth, Axel. (1994), “Foucault’s theory of society: a systems-theoretic dissolution of the Dialectic of enlightenment”. In: Kelly, Michael (ed.). Critique and Power: recasting the Foucault/Habermas debate. Massachusetts, The mit Press.

Luhmann, Niklas. (1998), Complejidad y modernidad: de la unidad a la diferencia. Madrid, Trolla.

Luhmann, Niklas. (2006), La sociedad de la sociedad. México, Herder.

Luhmann, Niklas. (2010), Introdução à teoria dos sistemas. Petrópolis, Vozes.

Lukács, Georg. (2003), História e consciência de classe. São Paulo, Martins Fontes.

Marx, Karl & Engels, Friedrich. (1998), O Manifesto do Partido Comunista. São Paulo, Boitempo.

McCarhty, Thomas. (1994), “The critique of impure reason: Foucault and the Frankfurt School”. In: Kelly, Michael (ed.). Critique and power: recasting the Foucault/Habermas debate. Massachusetts, The mit Press.

Parsons, Talcott. (1969), Sociedades: perspectivas evolutivas e comparativas. São Paulo, Enio Matheus Guazzelli & Cia.

Parsons, Talcott. (1974), O sistema das sociedades modernas. São Paulo, Pioneira.

Sell, Carlos Eduardo. (2013), Max Weber e a racionalização da vida. Petrópolis, Vozes.

Silva, Lucas Trindade da. (2018), Biopolítica e o enunciado da autonomização das esferas sociais. Brasília, tese de doutorado em sociologia, Universidade de Brasília.

Silva, Lucas Trindade da. (2019a), “Indiferenciação por identidade: de história e consciência de classe à dialética do esclarecimento”. Revista Brasileira de Sociologia, 15 (7): 255-283.

Silva, Lucas Trindade da. (2019b), “Inflexão na abordagem genealógica da modernidade em Michel Foucault: do arcaísmo disciplinar à sociedade de segurança”. Revista Brasileira de Ciência Política, 30: 275-314.

Simmel, Georg. (2006), Questões fundamentais de sociologia. Rio de Janeiro, Jorge Zahar.

Spencer, Herbet. (1891), Essays: scientific, political & speculative. Londres, Williams and Norgate.

Tavolaro, Sergio. (2007), “Variações no interior de um discurso hegemônico? Sobre a tensão ‘ação – estrutura’ na sociologia contemporânea”. Teoria & Pesquisa, 1 (xvi): 97-125.

Turner, Jonathan H. (1984), “Durkheim’s and Spencer’s principles of social organization: a theoretical note”. Sociological Perspectives, 1 (27): 21-32.

Vandenberghe, Frederic. (2005), As sociologias de Georg Simmel. Bauru/Belém, Edusc/edufpa.

Weber, Max. (2004), A ética protestante e o “espírito” do capitalismo. São Paulo, Companhia das Letras.

Weber, Max. (2016), Ética econômica das religiões mundiais: ensaios comparados de sociologia da religião. Petrópolis, Vozes.

Downloads

Publicado

2020-04-15

Como Citar

Silva, L. T. da. (2020). Indiferenciação por diferença: Implicações da governamentalidade neoliberal para a teoria sociológica. Tempo Social, 32(1), 247-264. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2020.155166

Edição

Seção

Artigos