O arquipélago

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2019.161327

Palavras-chave:

Arquipélago, Prisão, Porosidade, Estado, São Paulo

Resumo

Este trabalho, tendo como base pesquisas etnográficas realizadas ao longo dos últimos quinze anos, explora as circulações e os confinamentos aos quais são submetidas determinadas populações da cidade, destacando conexões e ressonâncias entre espaços institucionais e determinadas zonas urbanas de São Paulo. Ao mobilizar fragmentos de linhas de vida, que atravessam instituições de acolhimento para crianças, prisões, unidades de internação para adolescentes, Centros de Atenção Psicossocial, manicômios judiciários, zonas como a chamada Cracolândia, entre uma infinidade de outros equipamentos e espaços urbanos, o que emerge no horizonte é a imagem do arquipélago, no qual a prisão é apenas uma de suas múltiplas ilhas – abertas, porosas e ressoantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabio Mallart, Universidade de São Paulo (USP)

Doutor em sociologia pela USP

Referências

Barbosa, Antônio R. (2005), Prender e dar fuga: biopolítica, tráfico de drogas e sistema penitenciário no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, tese de doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Biondi, Karina. (2010), Junto e misturado. São Paulo, Terceiro Nome.

Bony, Lucie. (2015), “La prison, une cité avec des barreaux? Continuum socio-spatial par-delà les murs”. Annales de Géographie, 702-703: 275-299.

Brasil. (2015), Saúde mental em dados – 12. Brasília, Ministério da Saúde.

Brasil. (2016), Censo suas 2016: análise dos componentes sistêmicos da política nacional de assistência social. Brasília, Ministério do Desenvolvimento Social/Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação/Secretaria Nacional de Assistência Social.

Butler, Judith. (2018), Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.

Campos, G. W. S (2007), “O sus entre a tradição dos sistemas nacionais e o modo liberal-privado para organizar o cuidado à saúde”. Ciência e Saúde Coletiva, 12: 1865-1874.

Chantraine, Gilles. (2006), “La prison post-disciplinaire”. Déviance et Société, 3 (30): 273-288.

Combessie, Philippe. (2002), “La ville et la prison une troublante cohabitation”. Revue Projet, 269: 70-76.

Comfort, Megan. (2007), “Partilhamos tudo o que podemos: a dualização do corpo recluso nos romances através das grades”. Análise Social, 185 (xlii): 1055-1079.

Cunha, Manuela I. (2002), Entre o bairro e a prisão: tráfico e trajectos. Lisboa, Fim de Século.

Cunha, Manuela I. (2015), “Da relação prisão-sociedade: atualização de um balanço”. In: Cunha, Manuela I (org.). Do crime e do castigo: temas e debates contemporâneos. Lisboa, Mundos Sociais, vol. 1, pp. 181-200.

Davis, Angela. (2018), A liberdade é uma luta constante. São Paulo, Boitempo.

Dias, Camila N. (2011), Da pulverização ao monopólio da violência: expansão e consolidação do Primeiro Comando da Capital (pcc) no sistema carcerário paulista. São Paulo, tese de doutorado, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Ehrenberg, Alain. (1998), La fatigue d’être soi: dépression et société. Paris, Odile Jacob.

Feltran, Gabriel. (2018), Irmãos: uma história do pcc. São Paulo, Companhia das Letras.

Foucault, Michel. (1987), Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis, Vozes.

Foucault, Michel. (2006), O poder psiquiátrico. São Paulo, Martins Fontes.

Foucault, Michel. (2007), Microfísica do poder. Rio de Janeiro, Graal.

Foucault, Michel. (2008), Segurança, território, população. São Paulo, Martins Fontes.

Foucault, Michel. (2015), Ditos e escritos. Vol. iv: Estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro, Forense Universitária.

Garland, David. (2008), A cultura do controle: crime e ordem social na sociedade contemporânea. Rio de Janeiro, Revan.

Godoi, Rafael. (2017), Fluxos em cadeia: as prisões em São Paulo na virada dos tempos. São Paulo, Boitempo.

Goffman, Erving. (1974), Manicômios, prisões e conventos. São Paulo, Perspectiva.

Mallart, Fábio & Rui, Taniele. (2016), “Por uma etnografia das transversalidades urbanas: entre o mundão e os dispositivos de controle”. In: Melo, Juliana; Simião, Daniel & Baines, Stephen. Ensaios sobre justiça, reconhecimento e criminalidade. Natal, edufrn.

Mallart, Fábio. (2019), Findas linhas: circulações e confinamentos pelos subterrâneos de São Paulo. São Paulo, tese de doutorado, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Marques, Adalton. (2018), “Sobre o exército prisional de descarte: notas para a desativação da governança democrático-humanista da segurança pública”. In: Pastoral Carcerária. Tortura em tempos de encarceramento em massa ii. São Paulo, Pastoral Carcerária Nacional/cnbb, pp. 103-120.

Martinez, Mariana M. (2016), Redes do cuidado: etnografia de aparatos de gestão intersetorial para usuários de drogas. São Carlos, tese de doutorado, Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de São Carlos.

Morelle, Marie. (2015), “La prison, la police et le quartier: gouvernement urbain et illégalismes populaires à Yaoundé”. Annales de Géographie, 702-703: 300-322.

Neves, Claudia A. B. & Massaro, A. (2009), “Biopolítica, produção de saúde e um outro humanismo”. Interface, 13 (1): 503-514.

Quadros, Leonice F. (2018), “‘Dois tomates e dez ovos quebrados’: a visita domiciliar no Serviço Social”. Cadernos da Defensoria Pública do Estado de São Paulo, 3 (3): 82-104.

Rusche, Georg & Kirchheimer, Otto. (2004), Punição e estrutura social. Rio de Janeiro, Revan.

Soljenítsin, Aleksander. (2017), O arquipélago Gulag. Porto, Sextante.

Touraut, Caroline. (2009), “Entre détenu figé et proches en mouvement. L’expérience carcérale élargie: une épreuve de mobilité”. Recherches Familiales, 6: 81-88.

Wacquant, Loïc. (2007), Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos. Rio de Janeiro, Revan.

Waltorp, Karen & Jensen, Steffen. (2019), “Awkward entanglements: kinship, morality and survival in Cape Town’s prison – township circuit”. Ethnos, 1 (84): 41-55.

Downloads

Publicado

2019-12-18

Como Citar

Mallart, F. (2019). O arquipélago. Tempo Social, 31(3), 59-79. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2019.161327

Edição

Seção

Dossiê - Punição, prisão e cidade: contextos transversais