Violência de gênero e telenovelas nacionais

Um diagnóstico crítico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2020.162335

Palavras-chave:

Violência de gênero, Telenovelas, Contexto sociojurídico

Resumo

O artigo apresenta um diagnóstico dos últimos dezenove anos de representação da violência de gênero em telenovelas nacionais, pensando essas produções ficcionais em consonância com o contexto sociojurídico brasileiro de combate às violações de mulheres. Trata-se de um balanço crítico composto por um corpus de 21 novelas, que investiga as representações de agressões contra mulheres para além da fachada do merchandising social, isto é, dos núcleos dramáticos que pretenderam debater e educar sobre esse problema público. Ao fim, demonstram-se os sofisticados mecanismos narrativos que edificam e sustentam imagens dissidentes da violência de gênero, ora interpretada como sofrimento, ora como castigo necessário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lorena Rúbia Pereira Caminhas, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Doutora em ciências sociais pela Unicamp e pesquisadora do Grupo de Estudos Interdisciplinares em Ciência e Tecnologia (Geict/Unicamp). Seus trabalhos se concentram na interseção entre os estudos de Gênero e Comunicação e Mídias.

Referências

Agência Patrícia Galvão. (2018-2020), Dossiê “Violência contra as mulheres em dados”.

Disponível em: https://dossies.agenciapatriciagalvao.org.br/violencia-em-dados/.

Almeida, Heloisa. (2017), “Educação do corpo: o seriado Mulher e a promoção de mensagens

médico-educativas”. Revista Estudos Feministas, 25 (1): 315-335.

Bandeira, Lourdes. (2014), “Violência de gênero: a construção de um campo teórico e de

investigação”. Revista Sociedade e Estado, 2 (29): 449-469. Disponível em http://www.scielo.

br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69922014000200008&lng=en&nrm=iso.

Blay, Eva. (2003), “Violência contra a mulher e políticas públicas”. Estudos Avançados, 49 (17):

-98. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-

-40142003000300006&lng=en&nrm=iso.

Boreli, Silvia. (2001), “Telenovelas brasileiras: balanço e perspectivas”. São Paulo em Perspectiva, 3 (15): 29-36.

Butler, Judith. (2004), Undoing gender. Nova York, Routledge.

Butler, Judith. (2010), Marcos de guerra: las vidas lloradas. Buenos Aires, Paidós.

Caminhas, Lorena. (2018), “Face e contraface da violência de gênero: diálogos entre telenovelas e contexto nacional”. Mana [online], 24 (3): 33-62. Disponível em http://www.scielo.

br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132018000300033&lng=pt&nrm=iso.

Caminhas, Lorena. (maio 2019), “Imagens de violência de gênero em telenovelas brasileiras”.

Revista Estudos Feministas, (27): 1. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/

ref/article/view/1806-9584-2019v27n152253.

Debert, Guita & Oliveira; Marcella. (2007), “Domestic violence and different forms of conciliation” [Os modelos conciliatórios de solução de conflitos e a “violência doméstica”].

Cadernos Pagu, (29): 305-337. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_

arttext&pid=S0104-83332007000200013&lng=en&nrm=iso.

Gomes, Márcia. (2007), “Os personagens das telenovelas: trajetórias típicas e projetos de

identidade social”. Comunicação Midiática, (7): 29-48.

Hamburger, Esther. (2005), O Brasil antenado: a sociedade da novela. Rio de Janeiro, Jorge

Zahar.

Instituto de Pesquisa DataSenado & Observatório da Mulher contra a Violência. (jun.

, Violência doméstica e familiar contra a mulher. Brasília/df. Disponível em https://

www12.senado.leg.br/institucional/datasenado/arquivos/aumenta-numero-de-mulheres-

-que-declaram-ter-sofrido-violencia.

IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (4 abr. 2014), “Tolerância social à violência

contra as mulheres”. Disponível em http://www.compromissoeatitude.org.br/wp-content/

uploads/2014/04/IPEA_sips_violenciamulheres04042014.pdf.

Lopes, Maria. (2009), “Telenovela como recurso comunicativo”. Matrizes, São Paulo, 1 (3):

-47.

Lopes, Maria. (2010), “Ficção televisiva e identidade cultural da nação”. Alceu, 20 (10):

-15. Disponível em http://revistaalceu-acervo.com.puc-rio.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.

htm?infoid=362&sid=32.

Observatório Maria da Penha: http://www.observe.ufba.br/.

Pasinato, Wânia & Santos, Cecília. (2008), Mapeamento das Delegacias da Mulher no Brasil.

Pagu – Núcleo de Estudos de Gênero, Unicamp/Ceplaes/idrc, Campinas.

Saffioti, Heleieth. (1994), “A violência de gênero no Brasil atual”. Estudos Feministas, (2):

-461.

Saffioti, Heleieth. (1997), “Violência de gênero: o lugar da práxis na construção da subjetividade”. Lutas Sociais, 2: 59-79. Disponível em https://revistas.pucsp.br/index.php/ls/

article/view/18789.

Saffioti, Heleieth. (1999), “O estatuto teórico da violência de gênero”. In: Santos, José.

Violência em tempos de globalização. São Paulo, Hucitec, pp. 142-163.

Segato, Rita. (2003), Las estructuras elementales de la violencia. Bernal, Universidad Nacional

de Quilmes.

Downloads

Publicado

2020-12-11

Como Citar

Caminhas, L. R. P. (2020). Violência de gênero e telenovelas nacionais: Um diagnóstico crítico. Tempo Social, 32(3), 421-444. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2020.162335

Edição

Seção

Artigos