Política e moral nas prisões brasileiras

Palavras-chave: Proceder, Moral, Política, Prisões, Rio de Janeiro

Resumo

Neste artigo retomo algumas discussões sobre dois conceitos forjados por prisioneiros nas cadeias brasileiras durante as últimas décadas: “comportamento” e “proceder”. Próximos em termos semânticos, esses conceitos projetam linhas de afirmação dos valores, no sentido nietzschiano do termo, a partir da experiência do aprisionamento, o que permite examinar as relações entre moral e política nas prisões brasileiras e a constituição de um fundo valorativo comum que liga as cadeias e as ruas. A referência principal para esta discussão é o livro Quatrocentos contra um: uma história do Comando Vermelho, escrito por William da Silva Lima, recentemente falecido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Rafael Barbosa, Universidade Federal Fluminense (UFF)

Professor associado do Departamento de Antropologia e do Programa de Pós-graduação em Antropologia da UFF

Referências

Agamben, Giorgio. (2002), Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua. Belo Horizonte, Editora ufmg.

Barbosa, Antonio Rafael. (1998), Um abraço para todos os amigos: algumas considerações sobre o tráfico de drogas no Rio de Janeiro. Niterói, Eduff.

Barbosa, Antonio Rafael. (2005), Prender e dar fuga: biopolítica, sistema penitenciário e tráfico de drogas no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, tese de doutorado, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Barbosa, Antonio Rafael. (2013), “Grade de ferro? Corrente de ouro!”: circulação e relações no meio prisional”. Tempo Social, 25 (1): 107-130. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702013000100006&lng=en&nrm=iso.

Biondi, Karina (2010), Junto e misturado: uma etnografia do pcc. São Paulo, Terceiro Nome.

Biondi, Karina (2018), Proibido roubar na quebrada: território, hierarquia e lei no pcc. São Paulo, Terceiro Nome.

Cunha, Manuela. (2014), “The ethnography of prisons and penal confinement”. The Anual Review of Anthropology, 43 (1): 217-33.

Deleuze, Gilles. (1975), Nietzsche e a filosofia. Rio de Janeiro, Rio.

Deleuze, Gilles & Guattari, Félix. (1995-1997), Mil platôs. Capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro, Editora 34, 5 vols.

Deleuze, Gilles & Parnet, Claire. (1998), Diálogos. São Paulo, Escuta.

Foucault, Michel. (2003), “Estratégia, poder-saber”. In: Motta, Manoel Barros (org.). Ditos e escritos. Rio de Janeiro, Forense Universitária, vol. 4.

Foucault, Michel. (2002), Em defesa da sociedade. São Paulo, Martins Fontes.

Garland, D. (2008), A cultura do controle: crime e ordem social na sociedade contemporânea. Rio de Janeiro, Revan.

Godoi, Rafael. (2017a), “Tortura difusa e continuada”. In: Mallart, Fábio & Godoi, Rafael (orgs.). Br 111: a rota das prisões brasileiras. São Paulo, Veneta, pp. 117-120.

Godoi, Rafael. (2017b). Fluxos em cadeia: as prisões em São Paulo na virada dos tempos. São Paulo, Boitempo.

Guattari, Félix. (1992), Caosmose, um novo paradigma estético. São Paulo, Editora 34.

Heringer, Carolina. (2019), “Morre William ‘Professor’, um dos fundadores da maior facção criminosa do Rio”. Jornal Extra. Disponível em https://extra.globo.com/casos-de-policia/morre-william-professor-um-dos-fundadores-da-maior-faccao-criminosa-do-rio-23848272.html, consultado em 10/8/2019.

Hirata, Daniel Veloso. (2006), “No meio de campo: o que está em jogo no futebol de várzea?”. In: Telles, Vera da Silva & Cabanes, Robert (orgs.). Nas tramas da cidade: trajetórias urbanas e seus territórios. São Paulo, Humanitas, pp. 243-291.

Lima, William da Silva. (1991), Quatrocentos contra um: Uma história do Comando Vermelho. Rio de Janeiro, Iser; Petrópolis, Vozes.

Mallart, Fábio. (2017), “Gestão neuroquímica: pílulas e injetáveis na prisão”. In: Mallart, Fábio & Godoi, Rafael (orgs.). Br 111: a rota das prisões brasileiras. São Paulo, Veneta, pp. 127-138.

Mallart, Fábio. (2019), Findas linhas: circulações e confinamentos pelos subterrâneos de São Paulo. São Paulo, tese de doutorado, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Marques, Adalton. (2006), “Proceder”: “o certo pelo certo” no mundo prisional. São Paulo, monografia de graduação, Escola de Sociologia e Política de São Paulo.

Marques, Adalton. (2014), Crime e proceder: um experimento antropológico. São Paulo, Alameda.

Marques, Adalton. (2018), Humanizar e expandir: uma genealogia da segurança pública em São Paulo. São Paulo, ibccrim.

Nietzsche, Friedrich Wilhelm. (1998), Genealogia da moral: uma polêmica. São Paulo, Companhia das Letras.

Pelbart, Peter Pal. (2016), O avesso do niilismo: cartografias do esgotamento. São Paulo, n-1 Edições.

Spinoza, Benedictus de. (2009). Ética. Belo Horizonte, Autêntica.

Stengers, Isabelle & Pignarre, Philippe. (2011). Capitalist sorcery: breaking the spell. Tradução de Andrew Goffey. Nova York, Palgrave Macmillan.

Villela, Jorge. (2010), “Apresentação”. In: Biondi, Karina. Junto e misturado: uma etnografia do pcc. São Paulo, Terceiro Nome.

Virilio, Paul. (1996), Velocidade e política. São Paulo, Estação Liberdade.

Wacquant, Louis. (2007), Punir os pobres: nova gestão da miséria nos Estados Unidos. Rio de Janeiro, Revan.

Publicado
2019-12-18
Como Citar
Barbosa, A. (2019). Política e moral nas prisões brasileiras. Tempo Social, 31(3), 121-140. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2019.162523
Seção
Dossiê - Punição, prisão e cidade: contextos transversais