Redes de proteção e a decantação dos direitos das crianças

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2020.163553

Palavras-chave:

Direito da criança, Gestão em rede, Escola, Conselho tutelar, Promotorias de infância

Resumo

O Estatuto da Criança e do Adolescente, aprovado em 1990, instala no país um modelo radicalmente novo de educação das novas gerações. Entre essas novidades, está a ideia de que o direito da criança deve ser difundido e administrado por um conjunto de atores que atuariam em rede. Baseado em uma pesquisa empírica sobre alguns desses atores, este artigo pretende discutir a forma como o direito da criança vem sendo compartilhado, e como a noção polissêmica de rede informa suas práticas. De modo mais específico, procura-se dar conta da forma como escolas, conselhos tutelares, promotorias especializadas na infância e adolescência, e centros de referência em assistência social lidam com o direito da criança e com sua operacionalização em rede.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Baumann Burgos, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)

Professor e pesquisador do Departamento de Ciências Sociais da PUC-Rio

Referências

Asensi, Felipe Dutra. (2010), “Judicialização ou juridicização? As instituições jurídicas e suas estratégias na saúde”. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 20 (1).

Boltanski, Luc & Chiapello, Éve. (2009), O novo espírito do capitalismo. São Paulo, Martins Fontes.

Bonnan, Jean-Claude. (2001), “Justice de proximité ou justces de solidarité”. Revue Droit et Cultures, 2001/3: 125-131.

Bourdieu, Pierre. (2003), O poder simbólico. Rio de Janeiro, Bertrand do Brasil.

Burgos, Marcelo (coord.). (2014), A escola e o mundo do aluno. Estudos sobre a construção social do aluno e o papel institucional da escola. Rio de Janeiro, Garamond.

Burgos, Marcelo; Camasmie, Mariana J.; Castro, Rafaelle; Carneiro, Aristóteles V.; Matos, Marcelo & Monteiro, Sarah L. (2014), “Infrequência e evasão escolar: nova fronteira para a garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente”. Revista Desigualdade e Diversidade, Departamento de Ciências Sociais, PUC-Rio.

Casagrande, Cássio. (2008), Ministério Público e a judicialização da política. Estudo de casos. Porto Alegre, Sérgio Antonio Fabris Editor.

Castro, Rafaelle Monteiro (2018), Crianças e adolescentes enquanto sujeitos de direitos no Brasil Pós-eca: o Conselho Tutelar e a Rede de proteção. Rio de Janeiro, tese de doutorado, PPGCIS/PUC-Rio.

Dubet, François. (1994), Sociologia da experiência. Lisboa, Instituto Piaget.

Feltran, Gabriel. (2014), “O valor dos pobres: a aposta no dinheiro como mediação para o conflito social contemporâneo”. Caderno CRH, 27 (72): 495-512.

Fleury, Sônia. (2005), “Redes de políticas: novos desafios para a gestão pública”. Administração em Diálogo, 7.

Latour, Bruno. (1994), Jamais fomos modernos. Rio de Janeiro, Editora 34.

Lessa, Renato. (2008), “A Constituição como experimento de filosofia política”. In: Oliven, Ruben; Ridenti, Marcelo & Brandão, Gildo Marçal. A Constituição de 1988 na vida brasileira. São Paulo, Anpocs/Hucitec.

Mota, Luis F. & Bittencourt, Bernadete (2019), “Governação pública em rede: Contributos para sua compreensão e análise (em Portugal e no Brasil)”. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, 31 (2): 199-219. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702019000200199&lng=en&nrm=iso.

Oliveira, Rafaela. (2015), Judicialização da educação infantil. Juiz de Fora, tese de doutorado, Faculdade de Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora, UFJF.

Pereira, Potyara Amazoneida Pereira. (2007), “A assistência social prevista na Constituição de 1988 e operacionalizada pelo pnas e pelo Suas”. Ser Social, 20: 63-84. Disponível em https://periodicos.unb.br/index.php/SER_Social/article/view/12767.

Putnam, Robert. (1996), Comunidade e democracia. Rio de Janeiro, Editora da FGV.

Rosemberg, Fúlvia. (2008), “Crianças e adolescentes na sociedade brasileira e a Constituição de 1988”. In: Oliven, Ruben; Ridenti, Marcelo & Brandão, Gildo Marçal. A Constituição de 1988 na vida brasileira. São Paulo, Anpocs/Hucitec.

Telles, Vera da Silva. (2010), “Nas dobras do legal e do ilegal: ilegalismos e jogos de poder nas tramas da cidade”. Dilemas. Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, 2 (5-6): 97-127.

Unicef. (2015), ECA – 25 Anos de Estatuto da Criança e do Adolescente. Avanços e desafios para a infância e a adolescência no Brasil. Disponível em http://www.unicef.org/brazil/pt/eca25anosUnicef.pdf, consultado em 12/12/2015.

Unicef. (2019), “A educação que protege contra a violência”. Brochura.

Werneck Vianna, Luiz & Burgos, Marcelo Baumann. (2005), “Entre princípios e regras: cinco estudos de caso de ação civil pública”. Dados, Revista de Ciências Sociais, 48 (4): 777-843. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/dados/v48n4/28479.pdf.

Downloads

Publicado

2020-12-11

Como Citar

Burgos, M. B. (2020). Redes de proteção e a decantação dos direitos das crianças. Tempo Social, 32(3), 375-397. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2020.163553

Edição

Seção

Artigos