O Instituto Millenium na busca por poder

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2021.165937

Palavras-chave:

Think tanks, Instituto Millenium, Campo do Poder

Resumo

Propomos analisar como o Instituto Millenium busca estabelecer a sua legitimidade e, consequentemente, desenhar sua posição no campo do poder. Para isso, partimos da investigação do perfil social dos mais de 250 nomes elencados em seu site. Iniciamos o texto com uma análise da retórica difundida pelo Imil no momento de sua fundação, sublinhando em quais lutas ele investe; passamos para o exame das posições ocupadas por esses agentes por meio de uma Análise de Correspondências Múltiplas; em seguida, com a Análise de Cluster, traçamos os quatro grupos principais com os quais o Imil entabula relações. Concluímos que este think tank ainda ocupa uma posição frágil no campo do poder, buscando conquistar sua legitimidade por meio da mediação de uma rede de relações composta por jornalistas, empresários, intelectuais e agentes com postos na burocracia estatal, constituintes de uma elite que atua em diversos espaços sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Allana Meirelles Vieira, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Departamento de Sociologia

Doutoranda em Sociologia pela USP em cotutela com a École des Hautes Études en Sciences Sociales.

Aline Rodrigues Chiaramonte, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Departamento de Sociologia

Doutoranda em Sociologia pela USP.

Referências

Alexandre, Thiago. (2017), O Instituto Millenium e os intelectuais da “nova direita” no Brasil. Juiz de Fora, 114 f., dissertação de mestrado, Instituto de Ciências Humanas da Universidade Federal de Juiz de Fora.

Andrade, Patrícia Carlos de; Viola, Eduardo & Leis, Héctor Ricardo. (13 abr. 2005), “Revolucionando a agenda política”. O Estado de S. Paulo.

Antunes, Camila. (2019), “Think tanks brasileiros: Características, dinâmicas e intervenções no campo do poder”. Sociedade Brasileira de Sociologia, sbs, 19. Anais Eletrônicos... Florianópolis, sbs, 9 a 12 jul. 2019. Disponível em http://www.sbs2019.sbsociologia.com.br/atividade/viewq=YToyOntzOjY6InBhcmFtcyI7czozNToiYToxOntzOjEyOiJJRF9BVElWSURBREUiO3M6MjoiNDEiO30iO3M6MToiaCI7czozMjoiNjc3NDg0NmYzZjFiMWQ3NWY0OTY5MzM2OGFlMDgyYmEiO30%3D&ID_ATIVIDADE=41, consultado em 10/1/2020.

Bertoncelo, Edison. (2016), “O uso da Análise de Correspondências Múltiplas nas Ciências Sociais: possibilidades de aplicação e exemplos empíricos”. anpocs, 40. Anais Eletrônicos... Caxambu, anpocs. Disponível em https://www.anpocs.com/index.php/papers-40-encontro/st-10/st16-7/10296-o-uso-da-analise-de-correspondencias-multiplas-nas-ciencias-sociais-possibilidades-de-aplicacao-e-exemplos-empiricos/file, consultado em 23/01/2020.

Boltanski, Luc. (1973), “L’espace positionnel: multiplicité des positions institutionnelles et habitus de classe”. Revue Française de Sociologie, 14: 3-26.

Bourdieu, Pierre. (2008), A economia das trocas linguísticas. São Paulo, Edusp.

Bourdieu, Pierre. (2014), Sobre o Estado. São Paulo, Companhia das Letras.

Carlotto, Maria Caramez. (2018), “Inevitável e imprevisível, o fortalecimento da direita para além da dicotomia ação e estrutura: o espaço internacional como fonte de legitimação dos think tanks latino-americanos”. Plural, 25: 63-91.

Chaloub, Jorge & Perlatto, Fernando. (2015), “Intelectuais da ‘nova direita’ brasileira: ideias, retórica e prática política”. Anpocs, 39. Anais Eletrônicos... Caxambu, Anpocs. Disponível em http://www.anpocs.org/portal/index.php?option=com_docman&task=doc_view&gid=9620&Itemid=461, consultado em 10/06/2019.

Coheris-Spad. Data miner guide – Clustering – typologies. France, 2018.

Duval, Julien. (2005), Economic journalism in France. Cambridge, Polity Press.

Fang, Lee. (2017), “Esfera de influência: como os libertários americanos estão reinventando a política latino-americana”. The Intercept Brasil. Disponível em https://theintercept.com/2017/08/11/esfera-de-influencia-como-os-libertarios-americanos-estao-reinventando--a-politica-latino-americana/, consultado em 23/01/2020.

Flores, Paulo. (2017), “O que são think tanks. E como eles influenciam a política”. Nexo. Disponível em https://www.nexojornal.com.br/expresso/2017/12/01/O-que-são-think--tanks.-E-como-eles-influenciam-a-política, consultado em 23/01/2020.

Hey, Ana Paula. (dez. 2017), “Elites, no plural”. Tempo Social, São Paulo, 29 (3): 1-8. Disponível em https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2017.126527.

Hey, Ana Paula. (2018), “Think tanks e Estado: o papel dos ‘acadêmicos’”. Anpocs, 42. Anais Eletrônicos… Caxambu, anpocs. Disponível em https://www.anpocs.com/index.php/papers-40-encontro-3/gt-31/gt10-25/11191-think-tanks-e-estado-o-papel-dos-academicos/file, consultado em 22/01/2019.

Hitner, Verena & Carlotto, Maria Caramez. (2017), “A cooperação técnica brasileira e a busca pela inserção na ‘sociedade do conhecimento’: da subordinação Norte-Sul à aliança estratégia Sul-Sul?”. Revista Tempo do Mundo, 3, 2: 137-161.

Imil. (2019), “Você sabe exatamente o que faz o Imil?” Disponível em https://www.institutomillenium.org.br/destaque/voce-sabe-exatamente-o-que-faz-o-imil--2/?fbclid=IwAR1xgxMUGwp5kB-YgHxq2w1GZ77Z2Kf9ME_sXDsMMqSSN8oZpVk4TjpaN5A, consultado em 21/01/2020.

Klüger, Elisa. (out. 2018), “Análise de correspondências múltiplas: fundamentos, elaboração e interpretação”. BIB, 86: 68-97.

Le Roux, Brigitte & Rouanet, Henry. (2010), Multiple correspondence analysis. Londres, Sage.

Loureiro, Maria Rita. (1997), Os economistas no governo: gestão econômica e democracia. Rio de Janeiro, FGV.

McGann, James G. (2019), “2018 Global Go To Think Tank Index Report”. Pennsylvania, ttcsp Global Go To Think Tank Index Reports. 16.

Medvetz, Thomas. (2012), Think tanks in America. Chicago, The University of Chicago Press.

Meirelles, Allana & Chiaramonte, Aline. (2018), “Os intelectuais midiáticos no debate sobre as reformas no Brasil”. Anais Eletrônicos… Caxambu, anpocs. Disponível em http://www.anpocs.com/index.php/encontros/papers/42-encontro-anual-da-anpocs/spg-5/spg21-5/11492-os-intelectuais-midiaticos-no-debate-sobre-as-reformas-no-brasil?format=html&path=42-encontro-anual-da-anpocs/spg-5/spg21-5, consultado em 10/01/2019.

Meirelles, Allana & Fernandes, Dmitri. (2019), “A direita mora do mesmo lado da cidade: Especialistas, polemistas e jornalistas”. Novos Estudos: Cebrap, 38, 1: 157-182.

Messenberg, Debora. (2017), “A direita que saiu do armário: a cosmovisão dos formadores de opinião dos manifestantes de direita brasileiros”. Revista Sociedade e Estado, 32, 3: 621-647.

Michetti, Miqueli. (2018), “A atuação de elites empresariais na definição dos rumos da educação pública no Brasil contemporâneo”. Anpocs, 42. Anais Eletrônicos… Caxambu, anpocs. Disponível em https://www.anpocs.com/index.php/encontros/papers/42-encontro-anual-da-anpocs/gt-31/gt10-25, consultado em 10/01/2019.

Pautz, Hartwig. (2012), Think tanks, social democracy and social polity. Londres, Palgrave Macmillan.

Pinheiro Filho, Fernando Antonio. (2011), “Intelectuais: perfil de grupo e esboço de definição”. In: Botelho, A. & Schwarcz, L. M. (orgs.). Agenda brasileira: temas de uma sociedade em mudança. São Paulo, Companhia das Letras.

Pinto, Louis. (2009), Le café du commerce des penseurs: à propos de la doxa intellectuelle. Broissieux, Éditions du Croquant.

Reis; Eliana & Grill, Igor. (2017), “Estudos de elites políticas e as bases das multinotabilidades no Brasil”. Tempo Social, 29, 3: 137-159. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702017000300137&lng=en&nrm=iso.

Rocha, Camila. (2015), “Direitas em rede: think tanks de direita na América Latina”. In: Cruz, S. V. et al. (org.). Direita, volver!: o retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo, Editora Fundação Perseu Abramo.

Sapiro, Gisèle. (2009), “Modèles d’intervention politique des intellectuels. Le cas français”. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, 176-177: 8-31.

Silveira, Luciana. (2013), Fabricação de ideias, produção de consenso: estudo de caso do Instituto Millenium. Campinas, 242 p., dissertação de mestrado, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas.

Think Tanks…, “History and mission”. Think tanks and civil society program. Disponível em https://www.gotothinktank.com/history-and-mission, consultado em 23/01/2020.

Downloads

Publicado

2021-04-28

Como Citar

Vieira, A. M., & Chiaramonte, A. R. (2021). O Instituto Millenium na busca por poder. Tempo Social, 33(1), 169-202. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2021.165937

Edição

Seção

Artigos