Coelho Netto, o “homem com profissão”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2020.168692

Palavras-chave:

Coelho Netto, Trajetória, Intelectuais, Literatura

Resumo

O presente artigo dedica-se ao exame das experiências sociais, escolares e culturais que marcam a trajetória de Henrique Maximiano Coelho Netto, e são a base para suas estratégias de carreira e concepções do trabalho intelectual. A partir da mobilização de um conjunto de materiais biográficos e autobiográficos, são explorados os condicionantes e as disposições que contribuem na conformação de uma posição específica, da qual Coelho Netto é o caso exemplar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo da Rosa Bordignon, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Professor do Departamento de Sociologia e Ciência Política e do Programa de Pós-graduação em Sociologia e Ciência Política da UFSC

Referências

A Nação: Jornal Político, Comercial e Literário. (28 dez. 1872), “Testamento”, p. 2. Disponível em http://memoria.bn.br/DocReader/Hotpage/HotpageBN.aspx?bib=586404&pagfis=621&url=http://memoria.bn.br/docreader, consultado em 17/3/2020.
Abreu, Alzira (coord.). Dicionário da elite política republicana (1889-1930). Disponível em
https://cpdoc.fgv.br/dicionario-primeira-republica, consultado em 3/3/2020.
Almanak Administrativo, Mercantil e Industrial do Rio de Janeiro (1844-1885). Rio de Janeiro, Laemmert. Disponível em http://memoria.bn.br/docreader/DocReader.aspx?bib=313394x&PagFis=40189&Pesq=%22Manoel%20resende%20da%20Fonseca%22, consultado em 9/3/2020.
Alonso, Ângela. (2002), Ideias em movimento: a geração de 1870 na crise do Brasil-Império. São Paulo, Paz e Terra.
Athayde, Tristão. (6 jun. 1958), “Coelho Neto em S. Bento”. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 3. Disponível em http://memoria.bn.br/pdf/030015/per030015_1958_00129.pdf, consultado em 10/3/2020.
Barreto, Lima. ([1918] 2017), Impressões de leitura e outros textos críticos. São Paulo, Companhia das Letras.
Bosi, Alfredo. ([1970] 1994), História concisa da literatura brasileira. São Paulo, Cultrix.
Bourdieu, Pierre. (1996), As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo, Companhia das Letras.
Bourdieu, Pierre. (2007), “Le mort saisit le vif: as relações entre a história reificada e a história incorporada. In: O poder simbólico. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, pp. 75-106.
Bourdieu, Pierre. (2015), “Campo do poder e habitus de classe”. In: A economia das trocas simbólicas. São Paulo, Perspectiva.
Bourdieu, Pierre. (2016), Sociologie générale, volume 2. Paris, Raisons d’Agir/Seuil.
Broca, Brito. (1975), A vida literária no Brasil – 1900. Rio de Janeiro, José Olympio.
Caminha, Adolpho. (1895), “Coelho Netto”. In: Cartas litterarias. Rio de Janeiro, Ty. Aldina, pp. 57-67.
Carvalho, Claunísio Amorin. (2012), O insigne pavilhão: nação e nacionalismo na obra do escritor Coelho Netto. São Luís, dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Maranhão.
Coelho Netto, Henrique Maximiano. ([1893] 1915), A Capital Federal (Impressões de um sertanejo). Porto, Livraria Chardon.
Coelho Netto, Henrique Maximiano. ([1899] 1985), A conquista. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.
CoelhoNetto, Henrique Maximiano. (1927), Canteiro de saudades. Porto, Livraria Chardon.
Coelho Netto, Henrique Maximiano. (1929), Fogo fátuo. Porto, Livraria Chardon.
CoelhoNetto, Henrique Maximiano. (15 jul. 1925), “Os triumphadores”.A Noite, Rio de Janeiro, pp. 1-2. Disponível em http://memoria.bn.br/pdf/348970/per348970_1925_04901.pdf, consultado em 3/3/2020.
Coelho Netto, Paulo. (1942), Coelho Netto. Rio de Janeiro, Zelio Valverde – Livreiro – Editor.
Coelho Netto, Paulo. (1957), Imagem de uma vida. Rio de Janeiro, Editor Borsoi.
Coradini, Odaci Luiz. (2003), “As missões da “cultura” e da “política’: confrontos e reconversões de elites culturais e políticas no Rio Grande do Sul (1920-1960)”. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, 32: 125-144.
Coradini, Odaci Luiz. (1998), “Panteões, iconoclastas e as ciências sociais”. In: Félix, L. O. & Elmir, C. P. (orgs.). Mitos e heróis: contrução de imaginários. Porto Alegre, Editora da UFRGS, pp. 209-235.
Correio Paulistano. (29 nov. 1934), “O Brasil perdeu um de seus mais eminentes homens de letras”. São Paulo, p. 3. Disponível em http://bndigital.bn.br/acervo-digital/correio-paulistano/090972, consultado em 18/3/2020.
Daniel, Mary L. (1993), “Coelho Neto revisitado”. Luso-Brazilian Review, 30 (1): 175-180.
Duque Estrada, Osório. ([1918] 2005), A abolição. Brasília, Edições do Senado Federal.
Fontoura, João Neves. (13 jun. 1937), “O novo imortal da Academia Brasileira de Letras”. Correio Paulistano. São Paulo, pp. 8-10. Disponível em http://memoria.bn.br/DocReader/Hotpage/HotpageBN.aspx?bib=090972_08&pagfis=18820&url=http://memoria.bn.br/docreader#, consultado em 10/3/2020.
Gazeta de Notícias. 26 maio 1884), “Antônio da Fonseca Coelho”. p. 4. Disponível em http://
memoria.bn.br/docreader/DocReader.aspx?bib=103730_02&pagfis=13320, consultado em 17/3/2020.
Graciotti, Mario. (1928), “Comidas”. Revista de Antropofagia, São Paulo, 1 (3): 5. Disponível em https://digital.bbm.usp.br/bitstream/bbm/7064/4/Anno.1_n.03_45000033273.pdf, consultado em 1/3/2020.
João do Rio. (1908), O momento literário. Brasília, Fundação Biblioteca Nacional, Departamento Nacional do Livro.
Lopes, Marcos Aparecido. (1997), No purgatório da crítica: Coelho Neto e o seu lugar na história da literatura. Campinas, dissertação de mestrado, Departamento de Teoria Literária do Instituto de Estudos da Linguagem na Universidade Estadual de Campinas.
Miceli, Sergio. (1975), “Division du travail entre les sexes et division du travail de domination: une étude clinique des anatoliens au Brésil”. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, 1 (5-6): 162-182
Miceli, Sergio. (2001), “Intelectuais e classe dirigente no Brasil (1920-45)”, “Biografia e cooptação (o estado atual das fontes para a história social e política das elites no Brasil). In: Intelectuais à brasileira. São Paulo, Companhia das Letras, pp. 69-291, 345-356.
Miceli, Sergio. (2007) “Jorge Luis Borges: história social de um escritor nato”. Novos Estudos, 77: 155-182.
O Paiz. (26 jul. 1890), Rio de Janeiro, pp. 1. Disponível em http://memoria.bn.br/pdf/178691/per178691_1890_03014.pdf, consultado em 7/3/2020.
Ribas, Rogério de Oliveira. (1989), Tropeirismo e escravidão: um estudo das tropas de café da região de Vassouras, 1840-1888. Curitiba, dissertação de mestrado, Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal do Paraná.
Saint Martin, Monique. (2020), “Uma grande família”. Repocs – Revista Pós Ciências Sociais, 17 (33): 37-68.
Vasconcelos & Vasconcelos (orgs.). (1918), Archivo nobiliárchico brasileiro. Suíça, Lausanne.
Verissimo, José. (1904), “O Sr. Coelho Netto”. In: Estudos de literatura brasileira – Quarta série. Rio de Janeiro, H. Garnier, pp. 1-24.

Downloads

Publicado

2020-08-05

Como Citar

da Rosa Bordignon, R. (2020). Coelho Netto, o “homem com profissão”. Tempo Social, 32(2), 79-100. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2020.168692

Edição

Seção

Dossiê - Trajetórias de consagração cultural: entre a autonomia e a heteronomia