Música popular na década de 1970 e a cena pós-tropicalista: análise de uma geração sem vida

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2021.168780

Palavras-chave:

Música popular, Década de 1970, Movimentos musicais e linha evolutiva

Resumo

Este artigo analisa o campo musical brasileiro, na década de 1970, sob o prisma dos artistas estreantes nesses dez anos. Luiz Gonzaga Junior, Luiz Melodia, Novos Baianos, Secos & Molhados, Clube da Esquina, João Bosco, Fagner, Belchior, Sá, Rodrix e Guarabyra, Ivan Lins e Raul Seixas são músicos e compositores populares, que despontaram artisticamente após o tropicalismo e desenvolveram uma produção musical significativa no transcorrer dessa década. Embora sejam, atualmente, artistas conhecidos, a trajetória dessa geração foi pouco estudada, e sua relevância na historiografia da música popular ainda se encontra mal definida. Assim, este artigo objetiva lança luz sobre essa geração de novatos, ocupantes de posições homólogas no campo musical, de modo a compreender a configuração dos seus trabalhos artísticos e carreiras profissionais no centro das transformações sociais, econômicas e culturais que marcaram a década de 1970.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Souza, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Doutor em Sociologia pela USP, professor adjunto na Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, vice-coordenador do projeto de extensão e pesquisa “Ouvindo Música: Música Popular Brasileira e a memória sociocultural do país”, autor do livro A trajetória social de Raul Seixas: uma metamorfose ambulante no rock brasileiro (Alameda, 2013). 

Janaina Lobo, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Doutora em Antropologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, professora adjunta na Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, coordenadora do projeto de extensão e pesquisa “Ouvindo Música: Música Popular Brasileira e a memória sociocultural do país”. 

Referências

Bahiana, Ana Maria. (2006a), Almanaque anos 70. Rio de Janeiro, Ediouro.

Bahiana, Ana Maria. (2006b), Nada será como antes: mpb nos anos 70: trinta anos depois. Rio de Janeiro, Editora Senac.

Bahiana, Ana Maria. (2005), “A ‘linha evolutiva’ prossegue: A música dos universitários”. In: Novaes, Adauto. Anos 70: ainda sob tempestade. Rio de Janeiro, Aeroplano/Senac Rio.

Baia, Silvano Fernandes. (2011), A historiografia da música popular no Brasil (1971-1999). São Paulo, tese de doutorado em História, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Bourdieu, Pierre. (1996b), A ilusão biográfica. In: Amado, Janaina & Ferreira, Marieta de Moraes. Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro, Editora da Fundação Getúlio Vargas.

Bourdieu, Pierre. (1996a), As regras da arte: Gênese e estrutura do campo literário. São Paulo, Companhia das Letras.

Britto, Paulo Henriques. (2003), “A temática noturna do rock pós-tropicalista”. In: Duarte, Paulo Sérgio & Naves, Santuza Cambraia. Do samba-canção à tropicália. Rio de Janeiro, Relume Dumará.

Cardoso, Irene. (set. 2005), “A geração dos anos de 1960 o peso de uma herança”. Tempo Social, Revista de Sociologia da usp, 17 (2): 93-107. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702005000200005&lng=pt&nrm=iso.

Denora, Tia. (1995), Beethoven and the construction of Genius. Musical politics in Vienna, 1792-1803. Londres, University of California Press.

Dias, Márcia Tosta. (2000), Os donos da voz. Indústria fonográfica brasileira e mundialização da cultura. São Paulo, Boitempo Editorial.

Diniz, Sheyla Castro. (2012), “Nuvem cigana”: a trajetória do Clube de Esquina no campo da mpb. São Paulo, dissertação de mestrado em Sociologia, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas.

Echeverria, Regina. (2012), Gonzaguinha & Gonzagão: uma história brasileira. São Paulo, Leya.

Elias, Norbert. (1995), Mozart, sociologia de um gênio. Rio de Janeiro, Jorge Zahar.

Favaretto, Celso. (2007), Tropicália, alegoria, alegria. São Paulo, Ateliê Editorial.

Ferreira, Gustavo. (2007), Quem não tem swing morre com a boca cheia de formiga. Wilson Simonal e os limites de uma memória tropical. Niterói, dissertação de mestrado em História, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia da Universidade Federal Fluminense.

Galvão, Luiz. (2014), Novos Baianos: A história do grupo que mudou a mpb. São Paulo, Lazuli.

Galvão, Walnice Nogueira. (1976), “Mmpb: uma análise ideológica”. In: Saco de gatos: ensaios críticos. São Paulo, Duas Cidades.

Heinich, Nathalie. (1996), The glory of Van Gogh. An anthropology of admiration. Princeton: Princeton University Press.

Holanda, Heloisa. (2004), Impressões de viagem: cpc, vanguarda e desbunde. São Paulo, Aeroplano.

Maciel, Almeida. (1989), Alceu Valença em frente e verso. Recife, Edição do Autor.

Magi, Erica. (2013), Rock and roll é o nosso trabalho: A Legião Urbana do underground ao mainstream. São Paulo, Alameda Editorial.

Mannheim, Karl. (1982), “O problema sociológico das gerações”. In: Foracchi, Marialice (org.). Karl Mannheim: Sociologia. São Paulo, Ática.

Malta, Dácio. (2013), “Obrigado, Flávio Cavalcanti”. In: Albuquerque, Célio (org.). 1973: O ano que reinventou a mpb. A história por trás dos discos que transformaram a nossa cultura. Rio de Janeiro, Editora Sonora.

Medeiros, Jotabê. (2017), Belchior: Apenas um rapaz latino-americano. São Paulo, Todavia.

Miceli, Sérgio. (1994), “O papel político dos meios de comunicação de massas”. In: Schwartz, Jorge & Sosnowski, Saúl (orgs.). Brasil: o trânsito da memória. São Paulo, Edusp.

Moreira, Rodrigo. (2003), Eu quero é botar meu bloco na rua. Rio de Janeiro, Editora Muiraquitã.

Morelli, Rita de Cássia Lahoz. (1988), Indústria fonográfica: relações sociais de produção e concepções acerca da natureza do trabalho artístico. Campinas, dissertação de mestrado em Antropologia Social, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas.

Motta, Nelson. (2007), Vale Tudo: O som e a fúria de Tim Maia. Rio de Janeiro, Editora Objetiva.

Napolitano, Marcos. (2002), “A música popular brasileira (mpb) dos anos 70: resistência política e consumo cultural”. iv Congresso da iaspm-la (International Association for Study of Popular Music), Cidade do México.

Napolitano, Marcos. (2005), “Mpb: Totem-tabu da vida musical brasileira”. In: Anos 70: Trajetórias. São Paulo, Iluminuras.

Napolitano, Marcos. (2001), Seguindo a canção: engajamento político e indústria cultural na mpb (1959/69). São Paulo, Annablume, Fapesp.

Ortiz, Renato. (1989), A moderna tradição brasileira. São Paulo, Brasiliense.

Paiano, Enor. (1994), O berimbau e o som universal: lutas culturais e indústria fonográfica nos anos 60. São Paulo, dissertação de mestrado em Comunicação Social, Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.

Resende, Victor. (2013), O rock rural de Sá, Rodrix & Guarabyra: romantismo contracultural no Brasil dos anos 1970. São João Del-Rei, dissertação de mestrado em História, Departamento de Ciências Sociais, Políticas e Jurídicas da Universidade Federal de São João Del Rei.

Ridenti, Marcelo. (2000), Em busca do povo brasileiro: artistas da revolução, do cpc à era da tv. Rio de Janeiro, Record.

Rogério, Pedro. (2011), A viagem como um princípio de formação do habitus dos músicos que na década de 70 ficaram conhecidos como “pessoal do Ceará”. Fortaleza, tese de doutorado em Educação, Faculdade de Educação da Universidade Federal do Ceará.

Sanches, Pedro. (2000), Tropicalismo. Decadência bonita do samba. São Paulo, Boitempo Editorial.

Scoville, Eduardo. (2008), Na barriga da baleia:A Rede Globo de Televisão e a Música Popular Brasileira na metade da década de 1970. Curitiba, tese de doutorado em História, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal do Paraná.

Schwarz, Roberto. (2009), “Cultura e política, 1964-1969”. In: Cultura e política. 3 ed. São Paulo, Paz e Terra.

Só, Pedro. (2013), “Preciosidade única”. In: Albuquerque, Célio (org.). 1973: O ano que reinventou a mpb. A história por trás dos discos que transformaram a nossa cultura. Rio de Janeiro, Editora Sonora.

Souza, Lucas. (2015), A trajetória social de Raul Seixas. Uma metamorfose ambulante no rock brasileiro. São Paulo, Alameda.

Souza, Lucas. (2016), Construção e autoconstrução de um mito: análise sociológica da trajetória artística de Raul Seixas. São Paulo, tese de doutorado em Sociologia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Tatit, Luiz. (2004), O século da canção. São Paulo, Ateliê Editorial.

Tatit, Luiz. (2005), “A canção moderna”. In: Anos 70: Trajetórias. São Paulo, Iluminuras.

Vaz, Denise Pires. (1992), Ney Matogrosso: um cara meio estranho. Rio de Janeiro, Rio Fundo Editora.

Ventura, Zuenir. (2000), “Falta de ar” [1973]. In: Gaspari, Elio; Holanda, Heloisa Buarque & Ventura, Zuenir (orgs.). Cultura em trânsito: da repressão à abertura. Rio de Janeiro: Aeroplano Editora.

Ventura, Zuenir & Herzog, Vladimir. (5 jul. 1971), “A crise da cultura brasileira” [“O vazio cultural”]. Visão, “Cultura”, vol. 39, n. 1, pp. 52-8. Disponível em https://www.acervovladimirherzog.org.br/. Também em: Gaspari, Elio; Holanda, Heloisa Buarque & Ventura, Zuenir (orgs.). (2000), Cultura em trânsito: da repressão à abertura. Rio de

Janeiro, Aeroplano.

Vianna, Luiz. (2013a), “Uma estreia em transição”. In: Albuquerque, Célio (org.). 1973: O ano que reinventou a mpb. A história por trás dos discos que transformaram a nossa cultura. Rio de Janeiro, Editora Sonora.

Vianna, Luiz. (2013b), Aldir Blanc: resposta ao tempo. Vidas e letras. Rio de Janeiro, Casa da Palavra.

Vicente, Eduardo. (2002), Música e disco no Brasil: a trajetória da indústria nas décadas de 80 e 90. São Paulo, tese de doutorado em Comunicação. Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo.

Vieira, Renato. (2013), “Quando o sertão virou mar e o mar virou sertão”. In: Albuquerque,

Célio (org.). 1973: O ano que reinventou a mpb. A história por trás dos discos que transformaram a nossa cultura. Rio de Janeiro, Editora Sonora.

Wisnik, José Miguel. (2005), “O minuto e o milênio ou Por favor, professor, uma década de cada vez” [1979]. In: Novaes, Adauto (org.). Anos 70 ainda sob tempestade: música, literatura, cinema e televisão. Rio de Janeiro, Europa Editora.

Zolberg, Vera. (2006), Para uma Sociologia das Artes. São Paulo, Editora Senac.

Matérias de jornais e revistas

“A lição da resistência”. (28/10/1979), Folha de S.Paulo, São Paulo.

“Como anda (para onde vai) a música popular brasileira”. (24/11/1970), Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, edição 00198.

“Os andarilhos solitários”. (24/09/1975), Veja, Rio de Janeiro, edição 368. Bahiana, Ana Maria. (16/12/1976),

“É Raul Seixas a metamorfose ambulante”. O Globo, Rio de Janeiro.

Downloads

Publicado

2021-04-28

Como Citar

Souza, L., & Lobo, J. (2021). Música popular na década de 1970 e a cena pós-tropicalista: análise de uma geração sem vida. Tempo Social, 33(1), 245-265. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2021.168780

Edição

Seção

Artigos