O crime organizado entre a criminologia e a sociologia

Limites interpretativos, possibilidades heurísticas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2020.169687

Palavras-chave:

Crime organizado, Criminologia, Estado, Ilegalismo

Resumo

O artigo problematiza o tratamento teórico e metodológico que o assim chamado crime organizado vem recebendo nas ciências sociais no Brasil. Estabelece uma reflexão articulada com a forma pela qual a criminologia abordou essa questão ao longo de sua história. Aponta algumas características da produção acadêmica nacional sobre o fenômeno, associado principalmente ao tráfico de drogas e aos grupos organizados que se formaram nas prisões. Apresenta uma agenda de pesquisa sobre o crime organizado que indica as potencialidades heurísticas de uma abordagem sociológica que tenha como elemento central o Estado em toda a sua complexidade política, institucional, jurídica, e a transitividade entre o legal e o ilegal como fator diferencial de sua dinâmica, ao propor a noção de “ilegalismo” como um enquadramento analítico para o fenômeno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Salla, Universidade de São Paulo (USP)

Pesquisador associado do Núcleo de Estudos da Violência da USP (NEV-USP)

Alessandra Teixeira, Universidade Federal do ABC

Professora adjunta da Universidade Federal do ABC. Doutora em sociologia pela USP

Referências

Acosta, Fernando. (2004), “Ilegalismos privilegiados”. Antropolítica, 16: 65-98.

Adorno, Sérgio. (1993), “A criminalidade urbana violenta no Brasil: um recorte temático”. bib: Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, 35: 3-24.

Adorno, Sérgio. (2002), “Monopólio estatal da violência na sociedade brasileira contemporânea”. In: Miceli, Sérgio. (org.). O que ler na Ciência Social Brasileira. São Paulo, Anpocs/ Sumaré; vol. iv, pp. 267-307.

Adorno, Sérgio. (2019), “Fluxo de operações do crime organizado: questões conceituais e metodológicas”. Revista Brasileira de Sociologia, 7 (17): 33-54.

Adorno, Sérgio & Dias, Camila Nunes D. (2019), “Brazil: organised crime, corruption and urban violence”. In: Allum, Felia & Gilmour, Stan. Handbook of organised crime and politics. Cheltenham, Edward Elgar Publishing, pp. 226-241.

Adorno, Sérgio & Salla, Fernando. (2007), “Criminalidade organizada nas prisões e os ataques do pcc”. Estudos Avançados, 61 (21): 7-29. Disponível em https://doi.org/10.1590/S0103-40142007000300002.

Aquino, Jania P. D. & Hirata, Daniel. (2017), “Inserções etnográficas ao universo do crime: algumas considerações sobre pesquisas realizadas no Brasil entre 2000 e 2017”. bib: Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, 84 (2): 107-147.

Alexander, Michelle. (2018), A nova segregação: racismo e encarceramento em massa. São Paulo, Boitempo.

Alvarez, Marcos César. (2002), “A criminologia no Brasil ou Como tratar desigualmente os desiguais”. Dados: Revista de Ciências Sociais, 45 (4): 677-704.

Alvarez, Marcos César. (2003), Bacharéis, criminologistas e juristas: saber jurídico e a Nova Escola Penal no Brasil. São Paulo, ibccrim.

Alvarez, Marcos César et al. (2013), “Das Comissões de Solidariedade ao Primeiro Comando da Capital em São Paulo”. Tempo Social, 25 (1): 61-82. Disponível em https://doi.org/10.1590/S0103-20702013000100004.

Alves, J. C. S. (2003), Dos barões ao extermínio: Uma história da violência na Baixada Fluminense. apph-Clio, Duque de Caxias.

Azevedo, Rodrigo Ghringhelli de & Cipriani, Marcelli. (2015), “Um estudo comparativo entre facções. O cenário de Porto Alegre e o de São Paulo”. Sistema Penal & Violência, 7 (2): 160-174.

Baratta, Alessandro. (1999), Criminologia Crítica e crítica do direito penal. Introdução à sociologia do direito penal. Rio de Janeiro, Freitas Bastos.

Barreira, César & Adorno, Sérgio. (2010), “A violência na sociedade brasileira”. In: Martins, C. B. & Martins, H. H. T. S. (orgs.). Horizontes das Ciências Sociais no Brasil: Sociologia. São Paulo, Associação Nacional de Pós-graduação em Ciências Sociais, pp. 304-374.

Biondi, Karina. (2010), Junto e misturado: uma etnografia do pcc. São Paulo, Terceiro Nome.

Boudon, Raymond (org.). (1995), Tratado de sociologia. Rio de Janeiro, Jorge Zahar.

Bourdieu, Pierre (2014), Sobre o Estado: Cursos no Collège de France (1989-92). São Paulo, Companhia das Letras.

Campos, Marcelo S. & Alvarez, Marcos C. (2017), “Políticas públicas de segurança, violência e punição no Brasil (2000-2016)”. In: Miceli, Sérgio & Martins, C. B. (orgs.). Sociologia brasileira hoje. Cotia, Ateliê, 2017, pp. 143-217.

Cano, Ignacio & Duarte, Thais. (2012), “No sapatinho”: a evolução das milícias no Rio de Janeiro (2008-2011). Rio de Janeiro, Fundação Heinrich Böll.

Christie, Nils. (2016), Limites à dor: o papel da punição na política criminal. Belo Horizonte, D’Plácido.

Coelho, Edmundo Campos. (1987). A Oficina do Diabo: crise e conflitos no sistema penitenciário do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Espaço e Tempo/Iuperj.

Coelho, Edmundo Campos. ([1988] 2005), “Da Falange Vermelha a Escadinha: o poder nas prisões”. In: Coelho, Edmundo Campos. A Oficina do Diabo e outros estudos sobre criminalidade. Rio de Janeiro, Record, pp. 337-350.

Cohen, Albert Kircidel. (1955), Delinquent boys: the culture of the gang. Glencoe, Free Press.

Corrêa, Mariza (2013), As ilusões da liberdade: a escola Nina Rodrigues e a antropologia no Brasil. 3 ed. Rio de Janeiro, Editora Fiocruz.

Couto, Vinicius Assis & Beato, Cláudio. (2019), “Milícias: o crime organizado por meio de uma análise das redes sociais”. Revista Brasileira de Sociologia, 7 (17): 201-221.

Costa, Greciely Cristina da. (2014), Sentidos de milícia: entre a lei e o crime. Campinas, Editora da Unicamp.

Darmon, Pierre. (1991), Médicos e assassinos na Belle Époque: a medicalização do crime. Rio de Janeiro, Paz e Terra.

Dias, Camila C. Nunes. (2013), pcc: hegemonia nas prisões e monopólio da violência. São Paulo, Saraiva.

Durkheim, Émile. (1999a) Da divisão social do trabalho. 2 ed. São Paulo, Martins Fontes.

Durkheim, Émile. (1999b). As regras do método sociológico. 2 ed. São Paulo, Martins Fontes.

Elster, Jon. (1986), Rational choice. Nova York, New York University Press.

Feltran, Gabriel de Santis. (2010), “Crime e castigo na cidade: os repertórios da justiça e a questão do homicídio nas periferias de São Paulo”. Cadernos crh, 23 (58): 59-73.

Feltran, Gabriel de Santis. (2018), Irmãos uma história do pcc. São Paulo, Companhia das Letras.

Fischer, Nicolas & Spire, Alexis. (2009), “L’État face aux illégalismes”. Revue Politix, 87 (3): 7-20. Disponível em https://www.cairn.info/revue-politix-2009-3-page-7.htm.

Foucault, Michel. (1975), Surveiller et punir. Naissance de la prision. Paris, Gallimard.

Foucault, Michel. (2013), La société punitive. Paris, Gallimard.

Garland, David & Sparks, Richard. (2000), “Criminology, social theory and the challenge of our times”. The British Journal of Criminology, 40 (2): 189-204. Disponível em https://doi.org/10.1093/bjc/40.2.189.

Godefroy, Thierry. (2007), “La mobilization contre le criminalité organisé, entre criminalités ordinaires et capitalisme clandestin”. In: Kokoreff, Michel et al. (orgs.). Économies criminelles et mondes urbaines. Paris, Press Universitaires de France.

Godoi, Rafael. (2017), Fluxos em cadeia: as prisões em São Paulo na virada dos tempos. São Paulo, Boitempo.

Gratteri, Nicola & Nicaso, Antonio. (2018), Storia segreta dela ’Ndrangheta. Uma lunga e oscura vicenda di sangue e potere (1860-2018). Milano, Mondadori.

Hulsman, Louk & Celis, Jaqueline Bernat de. (1993), Penas perdidas. O sistema penal em questão. Niterói, Luam.

Kaluszynski, Martine. (2005), “Quand est née la criminologie? ou la criminologie avant les Archives…”. Criminocorpus [En ligne]. Disponível em http://journals.openedition.org/criminocorpus/126, consultado em 14/07/2020.

Kokoreff, Michel. (2007), “Mythes et realités des économies souterraines dans le monde des banlieus populaires françaises”. In: Kokoreff, Michel et al. (orgs.). Économies criminelles et mondes urbaines. Paris, Press Universitaires de France.

Lampe, Klaus von. (2008), “Organized crime in Europe: Conceptions and realities”. Policing: A Journal of Policy and Practice, 2 (1): 1-17.

Lascoumes, Pierre. (1996), “L’Illégalisme, outil d’analyse”. Société et Représentation, 3: 78-84. Disponível em https://doi.org/10.3917/sr.003.0078.

Lima, Roberto Kant de et al. (2000), “Violência, criminalidade, segurança pública e justiça criminal no Brasil: uma bibliografia”. bib: Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, 50: 45-123.

Lopes Jr., Edmílson. (2009), “As redes sociais do crime organizado: a perspectiva da nova sociologia econômica”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 24 (69): 53-69. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69092009000100004.

Lourenço, Luiz Cláudio & Almeida, Odilza Lines de. (2013), “‘Quem mantém a ordem, quem cria desordem’: gangues prisionais na Bahia”. Tempo Social, 25 (1): 37-59. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/S0103-20702013000100003.

Marques, Adalton. (2009), Crime, proceder, convívio-seguro. Um experimento antropológico a partir de relações entre ladrões. São Paulo, dissertação de mestrado em antropologia social, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, fflch-usp.

Merton, Robert K. (1970), Sociologia: teoria e estrutura. São Paulo, Mestre Jou.

Mills, Charles Wright. (2009), Sobre o artesanato intelectual e outros ensaios. Rio de Janeiro, Zahar.

Mingardi, Guaracy. (1998a), “O que é crime organizado: uma definição das Ciências sociais”. Revista do Ilanud, 8.

Mingardi, Guaracy. (1998b), O Estado e o crime organizado. São Paulo, Ibccrim.

Mingardi, Guaracy. (2007), “O trabalho da inteligência no controle do Crime Organizado”. Estudos Avançados, 21 (61): 51-69. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142007000300004.

Misse, Michel. (2006), Crime e violência no Brasil contemporâneo. Estudos de sociologia do crime e da violência urbana. Rio de Janeiro, Lumen Juris.

Misse, Michel. (2007), “Mercados ilegais, redes de proteção e organização local do crime no Rio de Janeiro”. Estudos Avançados, 21 (61): 139-157. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142007000300010.

Misse, Michel. (2011), “Crime organizado e crime comum no Rio de Janeiro: diferenças e afinidades”. Revista de Sociologia e Política, 19 (40): 13-25. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-44782011000300003&lng=en&nrm=iso.

Oliveira, Adriano. (2007), “As peças e os mecanismos do crime organizado em sua atividade tráfico de drogas”. Dados – Revista de Ciências Sociais, 50 (4): 699-720. Disponível em https://www.redalyc.org/pdf/218/21850403.pdf.

Paixão, Antônio L. (1987), “Falanges vermelhas, serpentes negras e a ordem prisional”. In:

Paixão, Antônio L. Recuperar ou punir? Como o Estado trata o criminoso. São Paulo, Cortez, pp. 73-88.

Paiva, Luiz Fábio S. (2019), “Aqui não tem gangue, tem facção”: as transformações sociais do crime em Fortaleza, Brasil. Cadernos crh, Salvador, 32 (85): 165-184.

Peraldi, Michel. (2007), “Economies criminelles et mondes d’affaire à Tanger”. Culture & Conflits. 68: 111-125.

Robert, Philippe. (2007), Sociologia do Crime. Petrópolis, Vozes.

Ruggiero, Vincenzo. (2008), Crimes e mercados. Ensaios em anticriminologia. Rio de Janeiro, Lumen Juris.

Sales, Isaia & Melorio, Simona. (2017), Le mafie nell’economia globale: fra la legge dello Stato e le leggi di mercato. Napoli, Guida.

Salla, Fernando. (2006), “As rebeliões nas prisões: novos significados a partir da experiência brasileira”. Sociologias, 16: 274-307. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-45222006000200011&lng=en&nrm=iso.

Salla, Fernando & Alvarez, Marcos César. (2000), “Paulo Egídio e a sociologia Criminal em São Paulo”. Tempo Social, 12 (1): 101-122. Disponível em https://doi.org/10.1590/S0103-20702000000100006.

Schabbach, Letícia Maria. (2008), “Exclusão, ilegalidades e organizações criminosas no Brasil”. Sociologias, 20: 48-71. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-45222008000200004&lng=en&nrm=iso.

Souza, Luís Antônio F. de. (2005), “Criminologia, direito penal e justiça criminal no Brasil: uma revisão da pesquisa recente”. bib: Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, 59: 81-105.

Sutherland, Edwin H. (1940), “White-collar criminality”. American Sociological Review, 5 (1): 1-12. Disponível em https://www.asanet.org/sites/default/files/savvy/images/asa/docs/pdf/1939%20Presidential%20Address%20(Edwin%20Sutherland).pdf.

Sutherland, Edwin H. (1949), White collar crime. Nova York, Holt, Rinehart and Blackwell.

Sykes, Gresham & Matza, David. (1957), “Techniques of neutralization: a theory of delinquency”. American Sociological Review, 22 (6): 664-670.

Tarrius, Alain. (2002), La mondialisation par le bas: les nouveaux nomades de l’économie souterraine. Paris, Balland.

Teixeira, Alessandra. (2016), O crime pelo avesso. Gestão dos ilegalismos na cidade de São Paulo. São Paulo, Alameda.

Telles, Vera da Silva & Hirata, Daniel Veloso. (2010) “Ilegalismos e jogos de poder em São Paulo”. Tempo Social, São Paulo, 22 (2): 39-59. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702010000200003&lng=pt&nrm=iso.

Young, Jock. (2002), A sociedade excludente. Exclusão social, criminalidade e diferença na modernidade recente. Rio de Janeiro, Revan.

Zaluar, Alba. (1983), A máquina e a revolta. São Paulo, Brasiliense.

Zaluar, Alba. (1990), “Teleguiados e chefes: juventude e crime”. Religião e Sociedade, 15 (1): 54-67.

Zaluar, Alba. (1999), “Violência e crime”. In: Miceli, S. (org.). O que ler na ciência social brasileira (1970-1995). Vol. 1 – Antropologia. São Paulo, Sumaré/Anpocs, pp. 13-107.

Zaluar, Alba & Conceição, Isabel Siqueira. (2007), “Favela sob o controle das milícias no Rio de Janeiro: que paz?” São Paulo em Perspectiva, 21 (2): 89-10

Downloads

Publicado

2020-12-11

Como Citar

Salla, F., & Teixeira, A. (2020). O crime organizado entre a criminologia e a sociologia: Limites interpretativos, possibilidades heurísticas. Tempo Social, 32(3), 147-171. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2020.169687

Edição

Seção

Dossiê - Sociologia e Criminologia: sobreposições, tensões e conflitos