Circulação de intelectuais e recepção das novas ciências do homem francesas no Brasil: 1908-1932

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2021.172634

Palavras-chave:

Georges Dumas, Missões científicas francesas, Educadores reformistas, Ciências do homem

Resumo

Trata-se de mostrar que as missões científicas francesas no Brasil tiveram um papel fundamental de enraizamento das ciências do homem francesas nas décadas que antecederam a fundação das universidades nos anos 1930. No contexto das disputas entre França e Estados Unidos pela dominação cultural e científica na América Latina, a estratégia dos professores franceses foi estabelecer relações sociais e práticas de difusão cultural e científica nos meios social e intelectualmente dominantes. Essas iniciativas foram bem-sucedidas graças à homologia de posição entre os professores franceses e os educadores do círculo intelectual de São Paulo – o que contribuiu para o distanciamento relativo dos educadores em relação às elites dirigentes. Concluo que a circulação das ciências do homem francesas encontrou barreiras dentro do próprio campo educacional, ditadas pelo crescente espírito antidurkheimiano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcia Consolim, Universidade Federal de São Paulo

Professora da Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade Federal de São Paulo – EFLCH/Unifesp. É membro do Instituto Brasileiro de Estudos Durkheimianos (UFRGS). Coordena o Grupo de Estudos e Pesquisas SCICI – Science in Circulation no Instituto de Estudos Avançados e Convergentes da Unifesp. Atualmente, desenvolve projeto de pesquisa sobre a circulação de intelectuais e das ciências sociais entre a França, Brasil e Estados Unidos na primeira metade do século XX. 

Referências

Azevedo, Fernando de. (1960), A educação na encruzilhada. 2 ed. São Paulo, Melhoramentos, vol. 4.

Azevedo, Fernando de. (1939), Princípios de Sociologia. 3. ed. São Paulo, Companhia Editora Nacional, vol. 9.

Azevedo, Fernando de et al. ([1932] 2010), Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova. Brasília, mec.

Bergson, Henri; Bérard, Léon & Besnard, Philippe. (1979), “Lettres de Bergson et de Bérard”. Revue Française de Sociologie, Les Durkheimiens. Études et documents réunis par Philippe Bésnard, 20-1: 268-272.

Bomeny, Helena. (2001), Os intelectuais da educação. Rio de Janeiro, Jorge Zahar.

Bourdieu, Pierre. (1984), Homo academicus. Paris, Éd. Minuit.

Bourdieu, Pierre (dez. 2002), “Les conditions sociales de la circulation internationale des idées”. Actes de la Recherche en Sciences Sociales,145.

Campos, Cristina de. (2007), Ferrovias e saneamento em São Paulo: o engenheiro Antônio Francisco de Paula Souza e a construção da rede de infraestrutura territorial e urbana paulista (1870-1893). São Paulo, fau-usp.

Carvalho, Marta Maria Chagas de. (1986), Molde nacional e fôrma cívica: higiene, moral e trabalho no projeto da associação brasileira de educação (1924-1931). São Paulo, tese de doutorado, Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

Charle, Christophe. (1994), “Ambassadeurs ou chercheurs ? Les relations internationales de professeurs de la Sorbonne sous la iiie République”. Genèses, [s. l.], 14: 42-62. Disponível em https://www.persee.fr/doc/genes_1155-3219_1994_num_14_1_1212.

Charle, Christophe; Schriewer, Jürgen & Wagner, Peter (org.). (2004), Transnational intellectual networks: forms of academic knowledge and the search for cultural identities. Frankfurt/Main, Campus Verlag.

Consolim, Marcia. (2008), “Posfácio: Gustave Le Bon e a Crítica da razão acadêmica”. In: Le Bon, Gustave. Psicologia das multidões. São Paulo, Martins Fontes.

Consolim, Marcia. (2018), “Georges Dumas e Marcel Mauss: diálogo sobre a expressão das emoções e dos sentimentos”. In: Consolim, M.; Weiss, R. & Pizarroso, N. (orgs.). Marcel Mauss: relações reais e práticas entre a psicologia e a sociologia. São Paulo, Edusp, pp. 141-164.

Durkheim, Émile. (1929), Educação e Sociologia. Introdução de Paul Fauconnet, “A obra pedagógica de Durkheim”. Tradução de Lourenço Filho. São Paulo, Melhoramentos. Bibliotheca de Educação, vol. 5.

Fauconnet, Paul. (1929), “A obra pedagógica de Durkheim”. Introdução a: Durkheim, Émile. (1929), Educação e Sociologia. Tradução de Lourenço Filho. São Paulo, Melhoramentos. Bibliotheca de Educação, vol. 5, pp. 5-31.

Fauconnet, Paul. “Estrutura e Organização das Universidades Francesas”. O Estado de S. Paulo, 12 de outubro de 1927.

Fauconnet, Paul. “A questão das humanidades”. O Estado de S. Paulo, 9 maio 1928.

Geiger, Roger. (1979) “La sociologie dans les écoles normales primaires: Histoire d’une controverse”. Revue Française de Sociologie, 20-1: 257-267. Les Durkheimiens. Etudes et documents réunis par Philippe Besnard.

Godoi, Lidiany Cristina de Oliveira. (2014), A reforma do ensino no estado de São Paulo: conflitos e disputas (1891-1892). Campinas, tese de doutorado, Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Unicamp.

Gomes, Clecia Aparecida. (2015), Os engenheiros da Associação Brasileira de Educação (abe): confluências entre ideias educacionais e urbanas na cidade do Rio de Janeiro nos anos iniciais do século xx. Campinas, dissertação de mestrado, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, Unicamp.

Hamburguer, Amélia Império et al. (1996),A ciência nas relações Brasil-França (1850-1950). São Paulo, Edusp/Fapesp.

Heilbron, Johan et al. (2009), “Internationalisation des sciences sociales: les leçons d’une histoire transnationale”. In: Sapiro, Gisèle. L’espace intellectuel en Europe: De la formation des États-nations à la mondialisation xixe-xxie siècle. Paris, La Découverte, pp. 319-346.

Kovacevic, Gisele Schiavetti Basilio. (2019), A política cultural francesa e o Lyceu Franco-Brasileiro S. Paulo como um modelo de ensino secundário para o Brasil - (1916-1951). São Paulo, dissertação de mestrado, Faculdade de Educação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, puc-sp.

Lamarão, Sérgio T. de N. (2012), A energia elétrica e o parque industrial carioca (1880-1920). Globalización, innovación e construcción de redes técnicas urbanas en América Latina y Europa (1890-1930). Simpósio Internacional, Universidade de Barcelona.

Leão, Antônio Carneiro. (1940), Fundamentos de sociologia. São Paulo, Melhoramentos.

Le Bon, Gustave. (2008), Psicologia das multidões. São Paulo, Martins Fontes.

Le Bon, Gustave. (1902), Psychologie de l’Éducation. Paris, E. Flammarion.

Limongi, Fernando. (1989), “Mentores e clientelas da Universidade de São Paulo”. In: Miceli, Sergio (org.). (1989), História das Ciências Sociais no Brasil – 1. São Paulo, Vértice, pp. 111-187.

Massi, Fernanda. (1989), “Franceses e norte-americanos nas Ciências Sociais brasileiras (1930-1960)”. In: Miceli, Sergio (org.). História das Ciências Sociais no Brasil. São Paulo, Vértice.

Maziero, Maria das Dores S. (2015), Arnaldo de Oliveira Barreto e a Biblioteca Infantil Melhoramentos (1915-1925): Histórias de ternura para mãos pequeninas. Campinas, tese de doutorado, Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Unicamp.

Medeiros, Valéria A. (2005), Antonio de Sampaio Dória e a modernização do ensino em São Paulo nas primeiras décadas do século xx. São Paulo, tese de doutorado, Faculdade de Educação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, puc-sp.

Melo, Carolina S. B. de. (2016), Légitimation, application et formation: les missions scientifiques françaises au Brésil dans le domaine de la psychologie (1908-1947). Paris, tese de doutorado, École des Hautes Études en Sciences Sociales.

Melo, Carolina S. B. de & Campos, Regina H. de F. (2014), “Scientific exchanges between France and Brazil in the History of Psychology. The role of Georges Dumas between 1908 and 1946”. Universitas Psychologica, Bogotá, 13 (5): 1681-1695.

Meucci, Simone. (2007), “Entre a escola nova e a oligarquia: a institucionalização da sociologia na Escola Normal de Pernambuco – 1929-1930”. Cronos, 8 (2): 451-474.

Miceli, Sérgio. (2001), Intelectuais à brasileira. São Paulo, Companhia das Letras.

Miceli, Sérgio. (1989), História das Ciências Sociais no Brasil. São Paulo, Vértice/Revista dos Tribunais.

Monarcha, Carlos. (org.). (1997), “Lourenço Filho e a Biblioteca de Educação”. In: Lourenço Filho: outros aspectos, mesma obra. Campinas, Mercado de Letras, pp. 27-57.

Monarcha, Carlos. (2001), Lourenço Filho e a organização da psicologia aplicada à educação. Brasília, Inep.

Monarcha, Carlos. (2009), Brasil arcaico, Escola Nova. São Paulo.

Nagle, Jorge. (2006), “A educação na Primeira República”. In: Pinheiro, Paulo Sérgio et al. (orgs.). História geral da civilização brasileira: O Brasil republicano. 8 ed. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, t. iii, vol. 9, pp. 283-318.

Nagle, Jorge. (2009), Educação e sociedade na Primeira República. São Paulo, Edusp.

Nascimento, Alessandra Santos. (2012), Fernando de Azevedo: Dilemas na institucionalização da sociologia no Brasil. São Paulo, Cultura Acadêmica.

Nery, Ana Clara Bortoleto. (2008), A Sociedade de Educação de São Paulo: Embates no campo educacional (1922-1931). São Paulo, Unesp.

Oliveira, Priscila M. (2015), Lourenço Filho e a coleção biblioteca de educação: uma análise dos prefácios escritos por esse educador. São Carlos, dissertação de mestrado, ppg Educação/Cech, Universidade Federal de São Carlos, ufscar.

Petitjean, Patrick. (1989), “Le Groupement des Universités et Grandes Écoles de France pour les relations avec l’Amérique Latine et la création d’Instituts à Rio, São Paulo et Buenos Aires (1907/1940)”. In: D’Ambrósio, Ubiratan. Anais do 2º Congresso Latino-Americano de História da Ciência e da Tecnologia. São Paulo, Nova Stella, pp. 428-442.

Pontes, José Alfredo Vidigal. (2010), Júlio de Mesquita Filho. Recife, Fundação Joaquim Nabuco, Massangana.

Rocha, Ana Cristina S. M. (2016), Experiências norte-americanas e projetos de educação no Distrito Federal e em São Paulo (1927-1935): Anísio Teixeira, Noemi Silveira, Isaías Alves e Lourenço Filho. Rio de Janeiro, tese de doutorado em História das Ciências e da Saúde, Fundação Oswaldo Cruz, Casa de Oswaldo Cruz, Fiocruz.

Rocha, Ana Cristina S. M. (2019), “Noemy Silveira, Isaías Alves e a psicologia educacional: diálogos entre Brasil, França e eua”. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, 26 (2): 407-425.

Ruchat, Martine. (2015), Édouard Claparède: à quoi sert l’éducation. Lausanne, Antipodes.

Sanglard, Gisele. (2008), Entre os salões e o laboratório: Guilherme Guinle, a Saúde e a Ciência no Rio de Janeiro, 1920-1940. 20 ed. Rio de Janeiro, Editora Fiocruz.

Santos, Heloisa Helena Meirelles dos. (2013), “Escola Normal do Distrito Federal: por trás da modernidade civilizatória da cidade do Rio de Janeiro (1911-1920)”. Revista Contemporânea de Educação, Rio de Janeiro, 8 (15): 135-155.

Santos, José Fagner Alves. (2018), Júlio de Mesquita Filho e o projeto de ensino superior paulista: seus escritos, sua atuação (1920-1938). São Paulo, dissertação de mestrado, Faculdade de Educação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, puc-sp.

Savoye, Antoine. (2007), “La science de l’éducation face à la réforme des lycées (France, 1920-1939)”. Symposium “Science(s) de l’éducation et République face à face. Théorisations contrastées d’une discipline indisciplinée (fin du 19e- 20e)”.

Silva, André F. C. (2011), A trajetória científica de Henrique da Rocha Lima e as relações Brasil-Alemanha (1901-1956). Rio de Janeiro, tese de doutorado em História das Ciências e da Saúde, Casa de Oswaldo Cruz, Fiocruz.

Souza, Letícia Pumar Alves de. (2015), A ciência e seus fins: internacionalismo, universalismo e autonomia na trajetória do fisiologista Miguel Ozório de Almeida (1890-1953). Rio de Janeiro, tese de doutorado em História das Ciências e da Saúde, Casa de Oswaldo Cruz, Fiocruz.

Soares, Jefferson da Costa. (2015), “A construção do currículo de sociologia no colégio Pedro ii (1925-1941)”. Cadernos de História da Educação, 14 (1): 95-113.

Suppo, Rogelio Hugo. (2001), La politique culturelle française au Brésil entre les années 1920-1950. Paris, tese de doutorado, Paris iii.

Terral, Hervé. (2008), Les manuels de Sociologie dans Les Écoles Normales D’instituteurs (1920-1940). In : Trois figures de l’école durkheimienne: Celestin Bouglé, Georges Davy, Paul Fauconnet. L’Harmattan. Dir. Claude Ravellet et Louis Ferraz. Imec, Anamnese, 3, pp. 39-56.

Terral, Hervé. (2005), “Paul Lapie (1869-1927): universitaire et bâtisseur de l’école laïque”. Carrefours de l’Éducation, 1 (19): 121-137.

Vidal, Diana Gonçalves. (2013), “80 anos do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova: questões para debate”. Educação e Pesquisa, São Paulo, 39 (3): 577-588.

Vidal, Diana G. & Rabelo, Rafaela S. (jan.-abr. 2019), “A criação de Institutos de Educação no Brasil como parte de uma história conectada da formação de professores”. Cadernos de História da Educação, 18 (1): 208-220.

Vidal, Diana G.; Silva, José C. S. & Abdala, Raquel. (2020), Fernando de Azevedo em releituras. Sobre lutas travadas, investigações realizadas e documentos guardados. São Paulo, Paco.

Vercesi, Maria Elena de Abreu. (2010), O Lyceu Franco-Brasileiro São Paulo. São Paulo, dissertação de mestrado. Faculdade de Educação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, puc-sp.

Warde, Mirian Jorge. (2003), “O itinerário de formação de Lourenço Filho por descomparação”. Revista Brasileira de História da Educação, 5: 125-167.

Weid, Elisabeth Von der. (1989), A expansão da Rio de Janeiro Tramway Light and Power ou as origens do “Polvo Canadense. Trabalho apresentado no 10º Módulo do Congresso Internacional do Centenário da República Brasileira. Rio de Janeiro, 28 set. 1989. Mesa Redonda “Energia Elétrica, Estado e Sociedade”. Mimeo. Rio de Janeiro, Fundação Casa de Rui Barbosa, pp. 1- 49.

Publicado

2021-04-28

Como Citar

Consolim, M. (2021). Circulação de intelectuais e recepção das novas ciências do homem francesas no Brasil: 1908-1932. Tempo Social, 33(1), 17-51/53. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2021.172634

Edição

Seção

Artigos