O fim da velha divisão? Público e privado na era da internet

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2021.176201

Palavras-chave:

Internet, Distinção público-privado, Privacidade, Democracia, Vigilância

Resumo

A emergência da internet impôs desafios à distinção público/privado – que é estruturadora de muitos modelos que pensam o mundo social, de instituições e de normas jurídicas. (1) A homologia entre localização espacial e acesso a uma ou outra esfera é cada vez menos sustentável. (2) Há uma transição sem solução de continuidade da comunicação privada para a exposição pública. (3) A exposição pública perde seu contexto, já que pode ser reprodutível para qualquer outra audiência. (4) A privacidade fica em suspenso diante da vigilância sobre as trocas comunicativas on-line, incluindo aquelas que seriam privativas. O artigo analisa os efeitos da disparidade entre os pressupostos da normatização jurídica vigente e a experiência socialmente estruturada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luis Felipe Miguel, Universidade de Brasília

Professor titular do Instituto de Ciência Política da UnB, onde coordena o Grupo de Pesquisa sobre Democracia e Desigualdades (Demodê), e pesquisador do CNPq. 

Adriana Veloso Meireles, Universidade de Brasília

Doutora em ciência política pela UnB. 

Referências

Assange, Julian. ([2012] 2013), Cypherpunks: liberdade e o futuro da internet. São Paulo, Boitempo.

Benkler, Yochai. (2006), The wealth of networks. New Haven, Yale University Press.

Bruno, Fernanda (2008), “Monitoramento, classificação e controle nos dispositivos de vigilância digital”. In: Antoun, Henrique (org.). Web 2.0. Rio de Janeiro, Mauad x.

Cohen, Jean L. (1997), “Rethinking privacy”. In: Weintraub, Jeff & Kumar, Krishan (eds.). Public and private in thought and practice. Chicago, The University of Chicago Press.

Dantas, Marcos (2010), “Convergência digital: entre os ‘jardins murados’ e as praças públicas”. In: Sel, Susana (comp.). Políticas de comunicación del capitalismo contemporâneo. Buenos Aires, Clacso.

Dertouzos, Michael. (1997), O que será: como o novo mundo da informação transformará nossas vidas. São Paulo, Companhia das Letras.

Frezza, Bill. (5 jun. 1995), “Internet: killer virus of the State”. Interactive Age: 13.

Gates, Bill. (1995), A estrada do futuro. São Paulo, Companhia das Letras.

Hardt, Michael & Negri, Antonio. ([2009] 2016), Bem-estar comum. Rio de Janeiro, Record.

Kant, Immanuel. ([1796] 1995), “A paz perpétua”. In: A paz perpétua e outros opúsculos. Lisboa, Edições 70.

Lévy, Pierre. (1994), L’intelligence collective. Paris, La Découverte.

Lyon, David. (2017), “Surveillance culture”. International Journal of Communication, 11: 824-42.

Mason, Paul. ([2015] 2017), Pós-capitalismo. São Paulo, Companhia das Letras.

Mc Chesney, Robert. (2013), Digital disconnect. Nova York, The New Press.

Meireles, Adriana Veloso. (2016), “Autonomia e privacidade no ambiente digital”. Revista Eletrônica de Ciência Política, 7 (2): 4-22.

Miguel, Luis Felipe. (2000), “As novas tecnologias e a democratização da informação”. Lugar Comum, 9-10: 133-45.

Negroponte, Nicholas. ([1995] 1997), A vida digital. São Paulo, Companhia das Letras.

Nissenbaum, Helen. (1997), “Toward an approach to privacy in public”. Ethics and Behavior, 7 (3): 207-19.

Nissenbaum, Helen. (2009), Privacy in context. Stanford, Stanford University Press.

Papacharissi, Zizi. (2009), “The virtual sphere 2.0”. In: Chadwick, Andrew & Howard, Philip N. (eds.). Routledge handbook of Internet politics. Abingdon, Routledge.

Papacharissi, Zizi. (2015), Affective publics. Oxford, Oxford University Press.

Roesler, Átila. (22 jul. 2018), “Sobre a nova Lei n. 13.271/2016 e a revista íntima e de pertences de trabalhadores”. Juízes para a Democracia. Disponível em http://ajd.org.br/sobre-a-nova-lei-n-13-271-2016-e-a-revista-intima-e-de-pertences-de-trabalhadores/, consultado em 13/08/2018.

Ronson, Jon. (2015), Humilhado: como a era da internet mudou o julgamento público. Rio de Janeiro, BestSeller.

Rubenfeld, Jed (2009), “Privacy’s end”. In: Powell, H. Jefferson & White, James Boyd (eds.).

Law and democracy in the empire of force. Ann Arbor, The University of Michigan Press. Shankland, Stephen. (13 maio 2008), “Google begins blurring faces in Street View”. C-Net. Disponível em https://www.cnet.com/news/google-begins-blurring-faces-in-street-view/, consultado em 11/01/2018.

Untersinger, Martin. (19 abr. 2018), “Facebook prive 1,5 milliard d’utilisateurs du droit européen sur les donnés”. Le Monde: 5.

Weintraub, Jeff. (1997), “The theory and politics of the public/private distinction”. In: Weintraub, Jeff & Kumar, Krishan (eds.). Public and private in thought and practice. Chicago, The University of Chicago Press.

Zuboff, Shoshana. (2019), The age of surveillance capitalism. Nova York, Public Affairs.

Downloads

Publicado

2021-08-16

Como Citar

Miguel, L. F., & Meireles, A. V. (2021). O fim da velha divisão? Público e privado na era da internet. Tempo Social, 33(2), 311-329. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2021.176201

Edição

Seção

Artigos