Memória e ditadura militar: lembrando as violações de direitos humanos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2021.177990

Palavras-chave:

Memória, Ditadura militar, Arquivo, Lugar de memória, Museu

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar a formação de arquivos, a preservação de sítios da memória e a criação de museus relacionados à construção da memória das violações de direitos humanos no período da ditadura civil-militar. Em sociedades contemporâneas, em que o ritmo da vida e as novas tecnologias dificultam os encontros e permanências, já não falamos tanto de memória comunitária ou do grupo, mas, sim, de memória culturais, que são exteriorizadas e armazenadas a partir de meios ou suportes. Embora o trabalho da memória nem sempre tenha a capacidade de evitar a repetição de atrocidades, a necessidade que temos dele se impõe quando ameaças de negacionismo e falsificações históricas se fortalecem. As fontes de dados utilizadas estão presentes em documentos produzidos por organizações governamentais e da sociedade civil, meios de comunicação, sítios eletrônicos, instituições visitadas, bem como em algumas entrevistas realizadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Myrian Sepúlveda dos Santos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutora em sociologia pela New School for Social Research. Professora titular do Departamento de Ciências Sociais da UERJ, Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais (PPCIS/UERJ). Coordenadora do grupo de pesquisa Arte, Cultura e Poder (www.artecultpoder.org). Autora dos livros Memória coletiva e teoria social (SP, Annablume, 2003) e Memória coletiva e identidade nacional (SP, Annablume, 2013).

Referências

Araújo, Marcelo Mattos & Bruno, Maria Cristina Oliveira (coords.). (2009), Memorial da Resistência de São Paulo. São Paulo, Pinacoteca do Estado/Governo de São Paulo.

Arquidiocese de São Paulo. (1985), Brasil: Nunca mais. Petrópolis, Vozes; Brasil: Nunca Mais – bnm. Projeto desenvolvido pelo Conselho Mundial de Igrejas e pela Arquidiocese de São Paulo nos anos 1980, sob a coordenação do Rev. Jaime Wright e de Dom Paulo Evaristo Arns. http://bnmdigital.mpf.mp.br, consultado em 05/05/2020.

Assmann, Aleida. (2008), “Canon and archive”. In: Erll, Astrid & Nünning, Ansgar (eds.). Cultural memory studies: An international and interdisciplinary handbook. Berlin, Walter de Gruyter, pp. 97107.

Assmann, Aleida. (2011), Espaços de recordação: Formas e Transformações da Memória Cultural. Campinas, Editora Unicamp.

Assmann, Jan. (2010), “Communicative and cultural memory”. In: Erll, Astrid & Nünning, Ansgar (eds.). A companion to cultural memory studies. Berlim/Nova York, Walter de Gruyter, pp. 109-118.

Azevedo, Desirée de Lemos. (2018), Ausências incorporadas: etnografia entre familiares de mortos e desaparecidos políticos no Brasil. São Paulo, Ed Unifesp.

Bourdieu, Pierre. (2010), O poder simbólico. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil.

Brasil, Ministério da Justiça, Comissão de Anistia. (2012), Caravanas da Anistia: o Brasil pede perdão. Disponível em https://bibliotecadigital.mdh.gov.br/jspui/handle/192/1055, consultado em 05/05/2020.

Brasil, Ministério da Justiça, Comissão de Anistia; Cabrera, Carlos Artur Gallo et al. (2012), Justiça de transição para uma transição da Justiça. Porto Alegre. Disponível em https://www.justica.gov.br/acervo_legado/anistia/anexos/acesso_-livro-em-baixa-resolucao. pdf, consultado em 05/05/2020.

Brasil, Ministério da Justiça, Comissão de Anistia. (2013), Livro dos votos da Comissão de Anistia: verdade e reparação aos perseguidos políticos no Brasil. Disponível em https://bibliotecadigital.mdh.gov.br/jspui/handle/192/1032, consultado em 05/05/2020.

Brasil. Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos. (2007), Direito à Verdade e à Memória: Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos. Brasília, Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Disponível em https://bibliotecadigital.mdh.gov.br/jspui/bitstream/192/459/1/BRASIL_Direito_2007.pdf, consultado em 05/05/2020.

Brasil. Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República. (2009), Programa Nacional de Direitos Humanos (pndh-3). Brasília, sedh/pr. Disponível em http://www.dhnet.org.br/dados/pp/a_pdf/pndh3_programa_nacional_direitos_humanos_3.pdf, consultado em 05/05/2020.

Carneiro, Maria Luiza Tucci. (2009), “A Caixa de Pandora: o potencial de comunicação museológica do arquivo Deops/sp”. In: Araújo, Marcelo Mattos & Bruno, Maria Cristina Oliveira (coords.). Memorial da Resistência de São Paulo. São Paulo, Pinacoteca do Estado/Governo de São Paulo, pp. 181-197.

Centro de Antropologia e Arqueologia Forense (Caaf ): https://www.unifesp.br/reitoria/caaf/, consultado em 05/05/2020.

Centro pela Justiça e o Direito Internacional, Cejil: https://cejil.org/es/amici-curiae, consultado em 05/05/2020.

Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados. (2012), Direito à memória e à verdade: Seminário. Brasília, Câmara dos Deputados, Edições Câmara. Disponível em www2.camara.gov.br/documentos-e-pesquisa/publicacoes/edições; http://bd.camara.gov.br, consultado em 13/07/2020.

Comitê Brasileiro pela Anistia: http://memorialanistia.org.br/comite-brasileiro-pela-anistia/, consultado em 05/05/2020.

Cymbalista, Renato (coord.). (2019), Guia dos lugares difíceis de São Paulo. São Paulo, Annablume.

Ferraz, Joana Darc Fernandes & Campos, Lucas Pacheco. (2018), “Os lugares de memória da ditadura: disputas entre o poder público e os movimentos sociais”. Cadernos de Sociomuseologia, 11 (55): 179-208.

Grupo Tortura Nunca Mais do Rio de Janeiro (gtnm/rj): https://www.torturanuncamais-rj.org.br/, consultado em 05/05/2020.

Gurovitz, Helio. (11 maio 2018), “É preciso abrir os arquivos militares”. G1, Globo.com. Disponível em https://g1.globo.com/mundo/blog/helio-gurovitz/post/2018/05/11/e-preciso-abrir-os-arquivos-militares.ghtml, consultado em 05/05/2020.

Hartman, Geoffrey. (2000), “Holocausto, testemunho, arte e trauma”. In: Seligman-Silva, Márcio & Nestrovski, Arthur. (org.), Catástrofe e representação: Ensaios. São Paulo, Escuta.

Huyssen, Andreas. (1995), Twilight memories: Marking time in a culture of amnesia. Nova York/Londres, Routledge.

International Coalition of Sites of Conscience. Disponível em: https://www.sitesofconscience.org/en/who-we-are/about-us/, consultado em 15/07/2020.

Jelin, Elizabeth. (1994), “The politics of memory: the human rights movements and the construction of democracy in Argentina”. Latin American Perspectives, 21 (2): 38-58.

Jelin, Elizabeth. (2003), “Political struggles for memory” & “History and social memory”. In: State repression and the labors of memory. Minneapolis, University of Minnesota Press, pp. 26-45, 46-59.

Landsberg, Alison. (2004), Prosthetic memory: the transformation of American remembrance in the age of mass culture. Nova York, Columbia University Press.

Marcas da Memória i. (2010), Disponível em https://www.justica.gov.br/acervo_legado/anistia/projetos/marcas-da-memoria-i-2010, consultado em 05/05/2020.

Memorial da Resistência de São Paulo: http://www.memorialdaresistenciasp.org.br/memorial/, consultado em 26/07/2020.

Memorial da Resistência de São Paulo (org.). (2018), Memorial da Resistência, 10 anos: Presente! São Paulo, Memorial da Resistência de São Paulo.

Memórias Reveladas, Centro de Referência das Lutas Políticas no Brasil (1964-1985): http://www.memoriasreveladas.gov.br/index.php/institucional, consultado em 05/05/2020.

Menezes, Caroline Grassi Franco & Neves, Kátia Felipini. (2009), “Rotas para um novo destino”. In: Araújo, Marcelo Mattos & Bruno, Maria Cristina Oliveira (coords.). Memorial da Resistência de São Paulo, São Paulo, Pinacoteca do Estado/Governo de São Paulo, pp. 29-38.

Neves, Kátia Felipini & Franco, Caroline Grassi. (2012), Educação em Direitos Humanos –memória e cidadania. São Paulo, Memoria da Resistência de São Paulo, Pinacoteca do Estado.

Neves, Deborah Regina Leal. (2014), A persistência do passado: patrimônio e memoriais da ditadura em São Paulo e Buenos Aires. Dissertação de Mestrado em História Social. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 266p.

Neves, Deborah Regina Leal. (2020), Curso Lugares de Memória e Direitos Humanos no Brasil. Promovido pelo Núcleo Memória: “Lugares de Memória e Patrimônio Cultural”. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=TbyejAZFYow&t=1545s, consultado em 26/07/2020.

Núcleo Memória. (2017), Uma trajetória na busca por verdade, memória e justiça. São Paulo, Memória institucional do Núcleo de Preservação da Memória Política (2009-2017).

Nora, Pierre. (1984), Les lieux de mémoire. Paris, Éditions Gallimard, 1984.

Novais, Adriana Rodrigues. (2015), “A memória da repressão e violência no campo em tempos da Comissão Nacional da Verdade”. Revista Interdisciplinar de Direitos Humanos, 3 (2): 43-55.

Ocupa Dops. (2014), Campanha pela transformação do prédio do antigo dops/rj em espaço de memória da resistência: http://ocupa-dops.blogspot.com/, consultado em 05/05/2020.

Olick, Jeffrey K. (2007), The politics of regret: On collective memory and historical responsibility. Nova York, Routledge.

Organização dos Estados Americanos, Comissão Interamericana de Direitos Humanos. (26 mar. 2009), “Demanda perante a Corte Interamericana de Direitos Humanos. Caso 11.552, Julia Gomes Lund e outros (Guerrilha do Araguaia) Contra a República Federativa do Brasil”, Washington, dc. http://www.cidh.org/demandas/11.552%20Guerrilha%20

do%20Araguaia%20Brasil%2026mar09%20PORT.pdf, consultado em 05/05/2020.

Politi, Maurice (coord.); Santos Junior, Oswaldo de Oliveira & Salles, Paula Ribeiro (orgs.). (2017), Uma trajetória na busca por verdade, memória e justiça: Memória institucional do Núcleo de Preservação da Memória Política (2009-2017). São Paulo, Núcleo de Preservação da Memória Política.

Proin, Projeto Integrado Arquivo Público do Estado e Universidade de São Paulo: http://www.usp.br/proin/home/index.php, consultado em 26/07/2020.

Red de Sitios de Memoria Latinoamericanos y Caribeños (Reslac): http://sitiosdememoria.org/pt/, consultado em 15/07/2019.

Reis, Daniel Aarão. (2001), “A anistia recíproca no Brasil ou a arte de reconstruir a História”. In: Teles, Janaína (org.). Mortos e desaparecidos políticos: reparação ou impunidade? São Paulo, Humanitas/fflch-usp, pp. 131-138.

Rodeghero, C. (2009). “A anistia entre a memória e o esquecimento”. História Unisinos, 13 (2): 131-139.

Santos, Cecília MacDowell. (2010), “Memória na Justiça: A mobilização dos direitos humanos e a construção da memória da ditadura no Brasil”. Revista Crítica de Ciências Sociais, 88 (1): 127-154.

Santos, Myrian Sepúlveda dos. (2003), Memória coletiva e teoria social. São Paulo, Annablume.

Santos, Myrian Sepúlveda dos. (2013), Memória coletiva e identidade nacional. São Paulo, Annablume.

Santos, Myrian Sepúlveda dos. (2020), “O retorno do pesadelo: um estudo sobre a luta da memória contra o esquecimento”. Revista Crítica de Ciências Sociais, 121 (1): 103-122.

Santos, Cecília MacDowell; Teles, Édson & Teles, Janaína de Almeida (orgs.). (2009), Desarquivando a ditadura: memória e justiça no Brasil, vols. 1 e 2. São Paulo, Editora Hucitec.

São Paulo. Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania. Coordenação de Direito à Memória e à Verdade (org.). (2017), Memórias resistentes, Memórias residentes: Lugares de memória da ditadura civil-militar no município de São Paulo. São Paulo, Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania.

Sarlo, Beatriz. (2007), Tempo passado: cultura do passado e guinada subjetiva. São Paulo, Companhia das Letras; Belo Horizonte, ufmg.

Seixas, Ivan Akselrud & Souza, Silvana Aparecida. (2015), “Comissão Nacional da Verdade e a rede de comissões estaduais, municipais e setoriais: a trajetória do Brasil”. Estud. Sociol., Araraquara, 20 (39): 347-364.

Seligmann-Silva, Márcio. (2000), “Holocausto, testemunho, arte e trauma”. In: Nestrovski, Arthur & Seligmann-Silva, Márcio. (orgs.). Catástrofe e representação. São Paulo, Escuta, pp. 207-235.

Seligmann-Silva, Márcio. (2009), “Anistia e (in)justiça no Brasil: o dever da justiça e a impunidade”. In: Santos, Cecília MacDowell; Teles, Édson & Teles, Janaína de Almeida (orgs.). Desarquivando a ditadura: memória e justiça no Brasil. São Paulo, Editora Hucitec, vol. 2, pp. 521-551.

Silva, Jaime Antunes da. (2012), “Depoimento”. In: Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados. Direito à memória e à verdade: Seminário. Brasília, Câmara dos Deputados, Edições Câmara. Disponível em www2.camara.gov.br/documentos-e-pesquisa/publicacoes/edições, consultado em 05/05/2020.

Soares, Inês Virgínia Prado & Funari, Pedro Paulo. (2015), “Arqueologia da resistência e direitos humanos”. In: Soares, Inês Virgínia Prado & Cureau, Sandra (orgs.). Bens culturais e direitos humanos. São Paulo, Ed. Sesc São Paulo, pp. 291-314.

Sodaro, Amy. (2019), “Museus memoriais: a emergência de um novo modelo de museu”. Revista PerCursos, Florianópolis, 20 (44): 207-231.

Teles, Edson. (2015), Democracia e estado de exceção: Transição e memória política no Brasil e na África do Sul. São Paulo, fap-Unifesp.

Teles, Edson & Safatle, Vladimir (orgs.). (2010), O que resta da ditadura. São Paulo, Boitempo.

Teles, Janaína de Almeida (org.). (2001), Mortos e desaparecidos políticos: reparação ou impunidade? São Paulo, Humanitas/fflch/usp.

Weichert, Marlon Alberto. (2014), “O relatório da Comissão Nacional da Verdade: conquistas e desafios”. Projeto História, São Paulo 50 (1): 86-137.

Yerushalmi, Yosef Hayim. (1996), Zakhor: Jewish history and jewish memory. Seattle, University of Washington Press.

Downloads

Publicado

2021-08-16

Como Citar

Santos, M. S. dos . (2021). Memória e ditadura militar: lembrando as violações de direitos humanos. Tempo Social, 33(2), 289-309. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2021.177990

Edição

Seção

Artigos