A busca ecumênica de apoio aos adeptos dos cultos afro-brasileiros vitimados por intolerância

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2022.180036

Palavras-chave:

Cultos afro-brasileiros, Evangélicos, Intolerância religiosa, Ecumenismo, Direitos humanos

Resumo

O artigo aborda a intolerância religiosa sofrida por adeptos dos cultos afro-brasileiros e a busca de enfrentamento dessa realidade por parte de quatro organizações ecumênicas com relevância nacional. Elaborado com base em pesquisa de campo e consulta a documentos, o texto aponta dados da escalada agressiva no meio evangélico em relação a tais indivíduos, algo que problematiza a ideia de pluralismo religioso no Brasil em face do pequeno contingente não cristão e da intimidação à liberdade de culto. As entidades pesquisadas buscam, de algum modo, alargar a compreensão do ecumenismo para além das igrejas cristãs, ressaltando a necessidade de defesa dos direitos humanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Ricardo de Souza, Universidade Federal de São Carlos

Doutor em sociologia pela Univeridade de São Paulo e professor associado do Departamento de Sociologia da UFSCAR

Referências

Almeida, Ronaldo de. (1996), A universalização do Reino de Deus. 127 p. Campinas, dissertação de mestrado, Instituto de Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas.

Almeida, Ronaldo de. (2009), A Igreja Universal e seus demônios: um estudo etnográfico. São Paulo, Terceiro Nome e Fapesp.

Almeida, Silvio Luiz de. (2019), Racismo estrutural. São Paulo, Pólen.

Andreola, Balduíno A & Ribeiro, Mario Bueno. (2005), Andarilho da esperança: Paulo Freire no cmi. São Paulo, Aste.

Asset. (1986), Identidade negra e religião: consulta sobre cultura negra e teologia na América Latina. Rio de Janeiro, Cedi; São Paulo, Liberdade.

Bastian, Jean-Pierre. (1997), “La dérégulation religieuse de l’Amérique Latine”. Problèmes d’ Amerique Latine: La diversification du religieux en Amérique latine – a propos de l’expansion des pentecôtismes, 24, pp. 3-16.

Birman, Patrícia. (2006), “Percursos afro e conexões sociais: negritude, pentecostalismo e espiritualidades”. In: Teixeira, Faustino & Menezes, Renata. As religiões no Brasil: continuidades e rupturas. Petrópolis, Vozes, pp. 189-205.

Chagas, Camila & Gualberto, Ana. (2019), Caminhos abertos para superar o ódio e a intolerância religiosa na Bahia. Rio de Janeiro, Fundação Heinrich Böll. Disponível em: https://koinonia.org.br/wp-content/uploads/2019/01/boll_relatorio_abrindo_final.pdf, consultado em 28/10/2020.

Colet, Raquel de Fatima. (2016), Rede Ecumênica de Juventude: memória, identidade e atuação no movimento ecumênico brasileiro. 149 p. Curitiba, dissertação de mestrado, Escola de Educação e Humanidades da Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Conic. (2017), “Relatório de atividades 2015-2016”. Disponível em: https://conic.org.br/portal/noticias/2327-relatorio-de-atividades-do-conic-2015-2016, consultado em 30/5/2020.

Deus, Lucas Obalera de. (2019), “Por uma perspectiva afrorreligiosa: estratégias de enfrentamento ao racismo religioso”. Rio de Janeiro, Fundação Heinrich Böll Disponível em: https://br.boell.org/sites/default/files/caderno_religiao_e_politica_lucas_de_deus_boll_brasil_. pdf, consultado em 31/10/2020.

Dias, Camila Caldeira Nunes. (2008), A igreja como refúgio e a Bíblia como esconderijo: religião e violência na prisão. São Paulo, Humanitas, 2008.

Fernandes, Nathália Vince E. (2017), “A raiz do pensamento colonial na intolerância religiosa contra religiões de matriz africana”. Revista Calandu, 1 (1): 117-136.

Fernandes, Silvia Regina Alves. (2015), “Sociologia da religião, pluralismos e intolerâncias: pautas contemporâneas”. Contemporânea: Revista de Sociologia da ufscar, 5 (2): 289-308.

Fonseca, Alexandre Brasil et al. (2016), Direitos Humanos e diversidade religiosa: experiências de diálogo. Brasília, SDH/PR.

Fonseca, Alexandre Brasil. (2018), “Primeiras análises dos dados do Relatório sobre Intolerância e Violência Religiosa no Brasil (2011-2015)”. In: Valois, Luislinda (org). Estado laico, intolerância e diversidade religiosa no Brasil. Brasília, Ministério dos Direitos Humanos, pp. 22-47.

Giumbelli, Emerson. (2003), “Liberdade religiosa no Brasil contemporâneo: uma discussão a partir do caso da Igreja Universal do Reino de Deus”. In: Lima, Roberto Kant de (org.). Antropologia e Direitos Humanos, 2. Niterói, EDUFF.

Lima, Lana Lage Da Gama et al. (2013), “Racismo e discriminação religiosa em Campos dos Goytacazes: as dificuldades na aplicação da Lei Caó”. Terceiro Milênio: Revista Crítica de Sociologia e Política, 1 (1): 38-47.

Maggie, Yvone. (1992), Medo do feitiço: relações entre magia e poder no Brasil. Rio de Janeiro, Arquivo Nacional.

Mariano, Ricardo. (1999), Neopentecostais: sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. São Paulo, Loyola.

Mariano, Ricardo. (2003), “Guerra espiritual: o protagonismo do diabo nos cultos neopentecostais”. Debates do NER, 4 (4): 21-34.

Matta, Roberto da. (1981), Relativizando: uma introdução à Antropologia Social. Petrópolis, Vozes.

Miranda, Ana Paula Mendes de. (2010), “Entre o privado e o público: considerações sobre a (in)criminação da intolerânciareligiosa no Rio de Janeiro”. Anuário Antropológico, 29 (2): 125-152.

Miranda, Ana Paula Mendes de & Boniolo, Roberta Machado. (2017), “‘Em público, é preciso se unir’: conflitos, demandas e estratégias políticas entre religiosos de matriz afro-brasileira na cidade do Rio de Janeiro”. Religião & Sociedade, 37 (2): 86-119.

Miranda, Ana Paula Mendes de et al. (2017), “Conciliação no papel: o tratamento dado aos casos de intolerância religiosa em Juizados Especiais Criminais no Rio de Janeiro”. Confluências: Revista Interdisciplinar de Sociologia e Direito, 18 (2): 21-43.

Moura, Damaris. (2018), “Desafios na promoção da tolerância religiosa”. In: Valois, Luislinda (org.). Estado laico, intolerância e diversidade religiosa no Brasil. Brasília, Ministério dos Direitos Humanos, pp. 108-114.

Muñoz, Manuel Alfonso Díaz. (2014), “Religião e multiculturalidade: o diálogo, categoria central na teologia contemporânea”. Revista de Educação do Cogeime, 23 (44): 85-101.

Oliveira, Ariadene Moreira Basílio de. (2017), Religiões afro-brasileiras e racismo: contribuição para a categorização do racismo religioso. 102 p. Brasília, dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Direitos Humanos da Universidade de Brasília.

Oro, Ari Pedro. (2007), “Intolerância religiosa iurdiana e reações afro no Rio Grande do Sul”. In: Silva, Vagner Gonçalves da. (org.). Intolerância religiosa: impactos do neopencostalismo no campo religioso afro-brasileiro. São Paulo, Edusp, pp. 29-70.

Oro, Ari Pedro & Bem, Daniel F. de. (2008), “A discriminação contra as religiões afro-brasileiras: ontem e hoje”. Ciências & Letras, 44: 301-318.

Passos, João Décio. (2017), “Intolerância religiosa: mecanismos e antídotos”. Rever, 17 (3): 12-27.

Pessoa, Henrique. (2009), “A atuação cidadã na Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro no combate à intolerância religiosa”. In: Santos, Ivanir dos & Esteves Filho, Astrogildo (orgs.). Intolerância religiosa x democracia. Rio de Janeiro, Ceap, 2009.

Prandi, Reginaldo. (2013), “As religiões afro-brasileiras em ascensão e declínio”. In: Teixeira, Faustino & Menezes, Renata (orgs.). Religiões em movimento: o censo de 2010. Petrópolis, Vozes, pp. 203-218.

Rangel, Victor Cesar Torres de Mello. (2013), “Nem tudo é mediável”: a invisibilidade dos conflitos religiosos e as formas de administração de conflitos de pacificação social (mediação e conciliação) no Rio de Janeiro. Niterói, dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal Fluminense.

Rolim, Francisco Cartaxo. (1990), “Igreja Pentecostal Deus é Amor”. Sinais dos Tempos: Diversidade Religiosa no Brasil – Cadernos do Iser, 23: 59-63.

Santos, Boaventura de Sousa. (2013), Se Deus fosse um ativista dos direitos humanos. São Paulo, Cortez.

Santos, Ivair Augusto Alves dos. (2009), Direitos humanos e as práticas de racismo: o que faremos com os brancos racistas?. Brasília, tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade de Brasília.

Schwarcz, Lília Moritz. (2019), Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo, Companhia das Letras.

Silva, Vagner Gonçalves da. (2007a). Intolerância religiosa: Impactos do neopentecostalismo no campo religioso afro-brasileiro. São Paulo, Edusp.

Silva, Vagner Gonçalves da. (2007b), “Neopentecostalismo e religiões afro-brasileiras: significados do ataque aos símbolos da herança religiosa africana no Brasil contemporâneo”. Mana, 13 (1): 207-236.

Souza, André Ricardo de et al. (2019), “Percursos do Diabo e seus papéis nas igrejas neopentecostais”. Horizonte Antropológico, 25 (53): 385-410.

Teixeira, Faustino. (1993), Diálogo de pássaros: nos caminhos do diálogo inter-religioso. São Paulo, Paulinas.

Valois, Luislinda (org). (2018), Estado laico, intolerância e diversidade religiosa no Brasil. Brasília, Ministério dos Direitos Humanos.

Vital da Cunha, Christina. (2014), “Religião e criminalidade: traficantes e evangélicos entre os anos 1980 e 2000 nas favelas cariocas”. Religião & Sociedade, 34 (1): 61-93.

Vital da Cunha, Christina. (2015), Oração de traficante: uma etnografia. Rio de Janeiro, Garamond.

Downloads

Publicado

2022-04-16

Como Citar

Souza, A. R. de. (2022). A busca ecumênica de apoio aos adeptos dos cultos afro-brasileiros vitimados por intolerância. Tempo Social, 34(1), 83-104. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2022.180036

Edição

Seção

Artigos

Dados de financiamento