Relato pessoal ou primazia da estrutura? Da história oral à história estrutural como modelo para a sociologia histórica: o caso da história institucional da USP

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2022.180874

Palavras-chave:

Universidade de São Paulo, Sociologia histórica, História oral, História estrutural, História institucional

Resumo

O presente artigo pretende analisar, sociologicamente, a historiografia sobre a Universidade de São Paulo, destacando os padrões de escrita e publicação das diferentes “histórias da USP” e mostrando como cada um deles corresponde a uma posição social distinta no interior da instituição. Contrapõe-se particularmente a história oficial, escrita desde posições privilegiadas de poder e marcada pela primazia do relato pessoal e finalista, à história dos vencidos, de cunho filosófico, marcada pela defesa do projeto “original” da USP, ancorado na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras. Por fim, mostramos como a história estrutural, que permite realizar a operação analítica central do artigo, também corresponde a uma tradição historiográfica própria, ligada às ciências sociais, em especial à sociologia, que também tem um lugar próprio na instituição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Caramez Carlotto, Universidade Federal do ABC

Doutora em sociologia pela Universidade de São Paulo, professora do Centro de Engenharia e Ciências Sociais Aplicadas da UFABC, onde atua no Bacharelado em Ciências e Humanidades, Bacharelado em Relações Internacionais e no Programa de Pós-graduação em economia política mundial.

Referências

ADORNO, Sérgio. Os aprendizes do poder: o bacharelismo liberal na política brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

ALCKMIN, Geraldo. História de quem fez história. In: OBA, Rosana. Universidade de São Paulo, seus reitores e seus símbolos. Um pouco da história. São Paulo: Edusp, 2006, p. 13-14.

AMERICANO, Jorge. A Universidade de São Paulo: dados, problemas e planos. São Paulo: Empresa Revista dos Tribunais, 1947.

ANTUNHA, Heladio Cesar Gonçalves. Universidade de São Paulo: fundação e reforma. 1971, 252f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1971.

ARRUDA, Maria Arminda Nascimento. A sociologia de Florestan Fernandes. Tempo Social, v. 22, p. 9-27, 2010.

ARRUDA, Maria Arminda Nascimento. Empreendedores culturais imigrantes em São Paulo de 1950. Tempo Social, v. 17, p. 135-158, 2005.

BONTEMPI JÚNIOR, Bruno. Do Instituto de Educação à Faculdade de Filosofia da Universidade de São Paulo. Cadernos de Pesquisa, v. 41, n. 142, p. 188-207, 2011.

BONTEMPI JÚNIOR, Bruno. O ensino e a pesquisa em história da educação brasileira na cadeira de filosofia e história da educação (1933-1962). História da Educação, n. 21, p. 79-105, 2007.

BOURDIEU, Pierre. Homo academicus. Paris: Les Éditions de Minuit, 1984.

BOURDIEU, Pierre. L’illusion biographique. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, v. 62-63, p. 69-72, 1986.

BOURDIEU, Pierre. La noblesse d´état. Grandes écoles et esprit de corps. Paris: Les Éditions de Minuit, 1989.

BOURDIEU, Pierre. Le sens pratique. Paris: Les Éditions de Minuit, 1980.

BOURDIEU, Pierre. Raisons pratiques. Sur la theorie de l'action. Paris: Éditions du Seuil, 1994.

BOURDIEU, Pierre. Variations et invariants. Éléments pour une histoire structurale du champ des grandes écoles. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, n. 70, p. 3-30, 1987.

CAMPOS, Ernesto de Souza. A história da Universidade de São Paulo. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1954.

CANDIDO, Antônio. Prefácio. In: MICELI, Sergio. Intelectuais à brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001, p. 71-5.

CARDOSO, Irene. A universidade da comunhão paulista. São Paulo: Cortez, 1982.

CARLOTO, Maria. Universitas semper reformanda? A Universidade de São Paulo e o discurso da gestão à luz da estrutura social. 570f. Tese (Doutorado em Sociologia). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

CARLOTO, Maria. A universidade vista ‘a certa distância’: a estrutura social da USP e sua representação simbólica. Política & Sociedade, v.17, n.38, 2018, p.224-255.

FERNANDES, Florestan. A questão da USP. São Paulo: Brasiliense, 1984.

FERNANDES, Florestan. Universidade brasileira: reforma ou revolução. São Paulo: Alfa-ômega, 1975.

FÉTIZON, Beatriz Alexandrina de Moura. Subsídios para o estudo da Universidade de São Paulo. 1986. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1986. 3 v.

GARCIA, Sylvia Gemignani. Destino ímpar: a formação de Florestan Fernandes. São Paulo, Editoria 34, 2001.

HEY, Ana Paula & CATANI, Afrânio. A USP e a formação de quadros dirigentes. In: MOROSONI, Marília (Org.). A universidade no Brasil: concepções e modelos. Brasília: INEP, 2006. p. 295-312.

KWANISCKA, Eunice Lacava. (Org.). Universidade de São Paulo: subsídios para uma avaliação. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1985.

LEME, Ernesto Moraes. À guisa de prefácio. In: CAMPOS, Ernesto de Souza. História da Universidade de São Paulo. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1954. n.p.

LIMONGI, Fernando. Educadores e empresários culturais na construção da USP. 1988. 279f. Dissertação (Mestrado em Ciência Política). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1988.

LIMONGI, Fernando. Mentores e clientelas na Universidade de São Paulo. In: MICELI, Sergio. (Org.). História das ciências sociais no Brasil. São Paulo: Vértice/Editora Revista dos Tribunais,/IDESP, 1989. v. 1, p. 111-86.

LOPES, Ivanir Ferreira de Souza & SANTOS, Thaís Helena dos. (Orgs.). USP 70 anos imagens e depoimentos. São Paulo: Universidade de São Paulo/Coordenadoria de Comunicação Social, 2005.

MARCOVITCH, Jacques. Universidade viva, diário de um reitor. São Paulo: Mandarim, 2001.

MENDES, Josué Camargo. Universidade de São Paulo, súmula da sua história. São Paulo: Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia; Academia de Ciências do Estado de São Paulo, 1977.

MICELI, Sergio. Condicionantes do desenvolvimento das ciências sociais. In: MICELI, Sergio (Org.) História das ciências sociais no Brasil. São Paulo: Vértice/Editora Revista dos Tribunais/Idesp, 1989. p. 72 -110.

NADAI, Elza. Ideologia do progresso e ensino superior (São Paulo 1891-1934). 1981. 417f. Tese (Doutorado em História). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1981.

OBA, Rosana. Universidade de São Paulo seus reitores e seus símbolos. Um pouco da história. São Paulo: Edusp, 2006.

OLIVEIRA, Hélio Lourenço de. (Org.). USP 1968-1969: Hélio Lourenço de Oliveira. São Paulo: Edusp, 1995.

PATAI, Daphne. História oral, feminismo e política. São Paulo: Letra e Voz, 2010.

PONTES, Heloísa. Destinos mistos. Os críticos do grupo Clima em São Paulo. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

PRINS, Gwyn. História oral. In: BURKE, Peter (Org.). A escrita da história – novas perspectivas. São Paulo: Editora da Unesp, 1992. p. 163-98.

REALE, Miguel. Memórias: a balança e a espada. São Paulo: Saraiva, 1987. v. 2.

REALE, Miguel. Memórias: destinos cruzados. São Paulo: Saraiva, 1986b. v. 1.

REALE, Miguel. Minhas memórias da USP. Estudos Avançados, v. 8, n. 22, p. 25-46, 1994.

REALE, Miguel. Recordações da Universidade de São Paulo. Revista da Universidade de São Paulo, v. 3, p. 91-101, 1986a.

RODAS, João Grandino & MOTOYAMA, Shozo. História da Universidade de São Paulo. Educação Brasileira: Revista do Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras, v. 33, n. 66, p. 11-48, 2011.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e a questão racial no Brasil, 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

THOMPSON, Paul. A voz do passado: história oral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

TOMAZETTI, Elisete. A disciplina filosofia da educação entre os anos 40 e 70 em algumas universidades brasileiras. I Conferência Internacional de Filosofia da Educação Diversidade e Identidade, 1998, Porto. Diversidade e Identidade. Actas da 1ª Conferência Internacional de Filosofia da Educação. Porto: Universidade do Porto, 1998. v. 1. p. 519-28.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Decreto de fundação. USP, 1934.

VANSINA, Jan. Oral tradition as history. Oxford: Marston Book, 1985.

Downloads

Publicado

2022-04-16

Como Citar

Carlotto, M. C. (2022). Relato pessoal ou primazia da estrutura? Da história oral à história estrutural como modelo para a sociologia histórica: o caso da história institucional da USP. Tempo Social, 34(1), 55-82. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2022.180874

Edição

Seção

Artigos

Dados de financiamento