Coleções colaborativas: um espaço de dois universos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2022.183052

Palavras-chave:

Consumo, Distinção, Luxo, Fast fashion, Moda

Resumo

Neste artigo estudamos a produção de fronteiras simbólicas e sociais valendo-nos das coleções de roupas realizadas entre marcas de luxo e de fast fashion. Elas são divulgadas como democratização do luxo, já que supostamente facilitam o acesso a esses tipos de bens. Nossa análise sobre as colaborações entre a fast fashion Riachuelo e as marcas de luxo Versace e Karl Lagerfeld mostra, contudo, que essas colaborações não embaralham esses universos e seus consumidores. Identificamos uma unificação simbólica do mercado de luxo, a consequente expansão transclasse do reconhecimento de elementos estabelecidos como distintivos e o estabelecimento de hierarquias que mantêm as fronteiras sociais entre as  classes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michel Nicolau Netto, Universidade Estadual de Campinas

Professor do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp.

Bárbara Venturini Ábile, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp

Referências

Ábile, Bárbara Venturini. (2019), Das griffes ao fast fashion: uma análise das estratégias de produção de coleções colaborativas. Campinas, 229 p. Dissertação (Mestrado). Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. http://www.repositorio.unicamp.br/handle/reosip/335422. Consultado em 10/03/2021.

Appadurai, Arjun. (1996), Modernity at Large. Minneapolis, University of Minnesota.

Avelar Junior, Odilardo Viana de. (2011), “Estratégia de marcas próprias nas lojas de departamentos”. Rev. Ciênc. Admin. Fortaleza, 1(17): 146-179. https://periodicos.unifor.br/rca/article/view/3233. Consultado em 10/03/2021.

Baudrillard, Jean. (2009), A Sociedade de Consumo. Lisboa, Edições 70.

Bennett, Tony. (2011), “Culture, choice, necessity: a political critique of Bourdieu’s aesthetic”. Poetics, 6(39): 530-546.

Bourdieu, Pierre. (1996), A economia das trocas linguísticas. São Paulo, Edusp.

Bourdieu, Pierre. (2006), A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo, Edusp; Porto Alegre, Zouk.

Callon, Michel; Méadel, Cécile; Rabeharisoa, Vololona. (2000), “L’économie des qualités”. Politix, 52(13): 211-239. https://www.persee.fr/doc/polix_0295-2319_2000_num_13_52_1126. Consultado em 23/02/2022.

Castro, Ana Lúcia de. (2016), “Sentidos do consumo e fronteiras simbólicas: uma etnografia entre grupos de baixa renda em um município da Grande São Paulo”. Etnográfica [Online]. Brasil, 1(20): 101-117. http://journals.openedition.org/etnografica/4216. Consultado em 10/03/2021.

Castro, Ana Lúcia de. (2019), “Mídia e mercado: mediações na construção de sentidos do consumo das ‘roupas de marca’”. Política & Sociedade. Florianópolis, 43(18): 224-241. https://periodicos.ufsc.br/index.php/politica/article/view/2175-7984.2019v18n43p224/42772. Consultado em 10/03/2021.

Danziger, Pamela. (2005), Let them eat cake: marketing luxury to the masses - as well as the classes. usa, Dearborn Trade Publishing.

Durkheim, Émile. (1996), As Formas Elementares da Vida Religiosa. São Paulo, Martins Fontes. Grupo Guararapes. (2018), Formulário de Referência.

Lamont, Michèle & Molnár, Virág. (2002), “The Study of Boundaries in the Social Sciences”. Annual Review of Sociology, 28: 167-195.

Lash, Scott & Urry, John. (1994), Economies of Signs & Space. London, Sage Publications. Kapferer. Jean-Noël. (1993). Luxes, marques et griffes, confusion préjudiciable. La Revue des marques/Prodimarques, 1.

Nicolau Netto, Michel & Miraldi, Juliana Closel. (2017), “Turismo de luxo: a produção do destino e a denegação do social”. Revista Pós Ciências Sociais, 14(28): 191-218. http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/rpcsoc/article/view/7300. Consultado em 10/03/2021.

Ortiz, Renato. (2019), O Universo do luxo. São Paulo, Alameda.

Downloads

Publicado

2022-08-29

Como Citar

Nicolau Netto, M., & Ábile, B. V. (2022). Coleções colaborativas: um espaço de dois universos. Tempo Social, 34(2), 163-187. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2022.183052

Edição

Seção

Dossiê - Distinção e classe social no mundo contemporâneo

Dados de financiamento