Trabalho e informalidade nas relações Norte-Sul: um estudo sobre os países ibéricos e a América Latina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2021.184177

Palavras-chave:

Informalidade, Precariedade, Trabalho decente, Digitalização, Relações Norte-Sul

Resumo

Partindo das relações Norte/Sul, e considerando a ligação histórica entre os países ibéricos e a América Latina (AL), pretende-se analisar tendências, contrastes e assimetrias em diferentes escalas. Poderes assimétricos, tensões e negociações dinâmicas são discutidos tanto na escala do sistema mundial quanto no contexto da União Europeia. À luz das recentes transformações do capitalismo internacional, nosso trabalho aborda, por um lado, o fenômeno da informalidade/precariedade do trabalho e, por outro, recorrendo a um histórico mais prospetivo, diagnostica alguns dos desafios recentes da inovação tecnológica e da digitalização. Com base num projeto em curso relacionado com essas questões (Latwork), nossa análise baseia-se no conhecimento sociológico desenvolvido por diversas equipes de investigação na área do trabalho, nomeadamente no que diz respeito à informalidade e à inovação tecnológica. Nesse sentido, referem-se alguns dados quantitativos concernentes a esses países da al (Brasil, Argentina e Chile) para ilustrar a presença do trabalho informal e a necessidade de promover o emprego decente. Como sabemos, o flagelo da informalidade e da vulnerabilidade das classes trabalhadoras é uma característica estrutural que permanece nesse continente desde a herança colonial e durante o processo de industrialização periférica. Assim, o espírito do nosso estudo reside no esforço de compreender as mudanças que estão ocorrendo no campo das relações de trabalho em um momento em que o capitalismo global se encontra em uma encruzilhada diante dos impactos brutais da pandemia Covid-19.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elísio Estanque, University of Coimbra

Associated Professor at the Faculty of Economics and senior researcher at Centre for Social Sciences (CES), University of Coimbra. His main fields of interest are: Social movements, Labor relations and trade unionism, Sociology of organizations, Sociology of inequalities and social classes. 

Víctor F. Climent, University of Alicante

Associated Professor of the University of Alicante, Department of Sociology. His main fields of interest are: Social Stratification, Labour relations and Sociology of work. 

Referências

Accenture. (2018), Latin America: Skills for working in the age of intelligent machines. E. Plastimo; M. Zuppolini & M. Govi (coords.). Paris, oecd/ ResearchGate.

Antunes, Ricardo. (2018), O privilégio da servidão. O novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo, Boitempo.

Braga, Ruy. (2019), “Return to class struggle without class? Moral economy and popular resistance in Brasil, South Africa and Portugal”. Sociology and Anthropology, 9 (2): 469-493.

Brito, M. M. Alves de. (2014). A dependência na origem. Desigualdades no sistema educacional brasileiro e a estruturação social das oportunidades. São Paulo, tese de doutorado em Sociologia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Busso, Mariana. (2010), “Las crisis y el trabajo informal en la Argentina (o de cómo las crisis socio-económicas permean lugares de trabajo ‘atípicos’”. Revista Atlántida, (2): 125-138.

Cabral, Manuel Villaverde. (1983), Proletariado: o nome e a coisa. Lisboa, A Regra do Jogo.

Cardoso, F. Henrique (mar./abr. 1960). “Condições sociais da industrialização: o caso de São Paulo”. Revista Brasiliense, (28).

Cedlas and the World Bank. (2018), Lac Equity Lab tabulations based on sedlac. lac Equity Lab tabulations.

CEPAL. (2010), A hora da igualdade: Brechas por celar, caminhos por abrir. Santiago, Comissão Econômica para América Latina e o Caribe.

CEPAL. (2019), Panorama social de América Latina 2019. Santiago, Comisión Económica para América Latina y el Caribe.

Dörre, Klaus; Lessenich, Stephan & Rosa, Hartmut (2015), Sociology, Capitalism, Critique. London: Verso.

Dörre, Klaus. (2019), “‘Take back control!’ Marx, Polanyi and right-wing populist revolt”. Springer/Österreich Z Soziol, 44: 225-243. Available at http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/.Erasmus+/European Commission, https://ec.europa.eu/programmes/erasmus-plus/opportunities/organisations/innovation-good-practices/capacity-building-higher-education_en.

Estanque, Elísio. (2015), Classe média e lutas sociais: ensaio sobre sociedade e trabalho em Portugal e no Brasil. Campinas, Editora da Unicamp.

Estanque, E. & Costa, E. (2020), Trade union powers: Implosion or reinvention? Newcastle, Cambridge Scholars Publishing.

Furtado, Celso. (1968). Formação econômica do Brasil. 8 ed. São Paulo, Companhia Editora Nacional.

Huws, Ursula et al. (2019), the platformization of work in Europe: Highlights from research in 13 European countries. FEPS – Fountation for European Progressive Studies; UNI Europa; Univ. of Hertfordshire.

ILO. (2013), Global employment trends 2013: Recovering from a second jobs dip. International Labour Organization. Geneva, ilo.

ILO. (2021), Statistics on the informal economy. International Labour Organization. Geneva, ilo. Available at https://ilostat.ilo.org/topics/informality/.

Krein, Dari; Santos, Anselmo & Nunes, B. (jul./dez. 2011), “Balanço do governo Lula: avanços e contradições”. Revista Abet, x (2): 30-54.

OCDE et al. (2019), Perspectivas económicas de América Latina: Desarrollo en transición 2019. Paris, oecd Publishing. Available at https://doi.org/10.1787/g2g9ff18-en.

OECD & World Bank. (2012), Promoting inclusive growth: challenges and policies. Paris, oecd.

OIT – Organização Internacional do Trabalho. (2019), Transições e trajetórias juvenis no mercado de brasileiro de trabalho: Padrões e determinantes. Org. Nadya Guimarães, Leticia Marteleto e Nurillo Brito. Coleção Trabalho Decente e Juventude.

Rodrigues, Octavio. (1977), Estudio sobre el Pensamiento de la Cepal (1948/1954). Santiago, Instituto Latino-Americano de Planificación Economica y Social.

Singer, André. (2009), “Raízes sociais e ideológicas do lulismo”. Novos Estudos Cebrap, 85: 83-102. https://doi.org/10.1590/S0101-33002009000300004.

Santos, Boaventura S. (2018), The end of the cognitive empire. The coming of age of epistemologies of the South. Durham and London, Duke University Press.

Santos, Boaventura S. (2020), “A new vision of Europe. Learning from the Global South”. In: Santos, Boaventura S. & Mendes, José M. (orgs.). Demodiversity: Toward post-abyssal democracies. New York and London, Routledge, pp. 31-53.

Santos, Boaventura S. (2021), “Desmercantilizar, descolonizar y despatriarcalizar”. El País, 28/02/2021.

Schumpeter, Joseph. ([1911] 2012), Teoria do desenvolvimento económico. Lisboa, F.C. Gulbenkian.

Stalker, Peter. (1986), “Street wise”, New Internationalist. December.

Standing, Guy. (2011), The precariat: The new dangerous class. London, Bloomsbury.

Tavares, Maria da Conceição. (2019), “Transformações no modelo de desenvolvimento na América Latina”. In: Melo, Hildete Pereira. Maria da Conceição Tavares: vida, ideias, teorias e políticas. São Paulo, Centro Celso Furtado; Ed. Expressão Popular; F. Perseu Abramo.

Thompson, E. P. (1978), Tradición, revuelta y consciência de classe. Barcelona, Critica.

Véras de Oliveira, Roberto. (2019), Crisis and social regression in Brazil. A New moment of the social question. London, Springer. doi: 10.1007/978-3-319-99402-4.

Wallerstein, Immanuel (1974), The modern world-system, vol. i: Capitalist agriculture and the origins of the European world-economy in the sixteenth century. New York, Academic Press.

Wallerstein, Immanuel (1980), The modern world-system, vol. ii: Mercantilism and the Consolidation of the European World-Economy, 1600-1750. New York, Academic Press.

World Economic Forum (2019), The future of jobs: Employment, skills and workforce strategy for the fourth industrial revolution. January 2016.

Downloads

Publicado

2021-08-16

Como Citar

Estanque, E., & Climent, V. F. . (2021). Trabalho e informalidade nas relações Norte-Sul: um estudo sobre os países ibéricos e a América Latina. Tempo Social, 33(2), 209-229. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2021.184177

Edição

Seção

Dossiê - Lutas trabalhistas transnacionais e repertórios políticos