Cidade para quais pessoas? Sobre as contradições da reforma do Vale do Anhangabaú

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2022.190441

Palavras-chave:

Vale do Anhangabaú, Centralidades, Cidade para pessoas, Produção do espaço, Estudos urbanos

Resumo

O artigo reconstitui algumas das principais mediações e embates em torno do recente projeto de reforma do Vale do Anhangabaú – um dos espaços públicos mais expressivos e disputados de São Paulo – para, consequentemente, problematizar os sentidos de certos léxicos incorporados por diferentes gestões municipais a fim de garantir a coalizão necessária para execução da obra. O destaque fica para o conceito de cidade para pessoas, propagado por Jan Gehl, arquiteto e urbanista dinamarquês. Com tal objetivo, espera-se, pois, refletir sobre a seguinte questão: para quais pessoas o Vale do Anhangabaú estaria sendo reformado? A proposta será possível com base na análise de documentos e de publicações disponibilizadas por setores da Prefeitura de São Paulo; de reportagens jornalísticas propagadas em canais diversos; de posicionamentos de agentes ligados a múltiplas esferas da sociedade civil; além, ainda, do diálogo com autores vinculados aos estudos urbanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giancarlo Marques Carraro Machado, Universidade Estadual de Montes Claros

Doutor em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo (USP). Professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Social da Universidade Estadual de Montes Claros (PPGDS/Unimontes-MG) e docente vinculado ao Departamento de Ciências Sociais da mesma instituição. É pesquisador associado do Núcleo de Antropologia Urbana da Universidade de São Paulo (NAU/USP). Autor do livro De carrinho pela cidade: a prática do skate em São Paulo (Intermeios/FAPESP, 2014). Realizou estágio pós-doutoral no Departamento de Antropologia da USP entre julho de 2020 e junho de 2021.

Referências

Arantes, Otília; Vainer, Carlos & Maricato, Ermínia (orgs.). (2013), A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis, Vozes.

Arantes, Otília. (2013), “Uma estratégia fatal: a cultura nas novas gestões urbanas”. In: Arantes, Otília; Vainer, Carlos & Maricato, Ermínia (orgs.). A cidade do pensamento único: esmanchando consensos. Petrópolis, Vozes, pp. 11-74.

Cidade de São Paulo. “Edital de licitação - concessão de uso, a título oneroso, de áreas situadas no Vale do Anhangabaú, para sua gestão, manutenção, preservação e ativação sociocultural”.

Portal da Prefeitura de São Paulo. Disponível em: https://drive.google.com/file/d1z0q52kxDywUv_WszO4Kl7VctoxOzYmIf/view, consultado em 30/6/2021.

Chizzolini, Bianca Barbosa. (2013), Tecendo a rede: uma etnografia de moradores(as) e comerciantes no centro de São Paulo entre práticas e discursos de requalificação. São Paulo. Dissertação de mestrado em antropologia social. Universidade de São Paulo.

Duran, Sabrina. “Linha do tempo – Privatização da rua”. Repórter Brasil. Colaboração de Fabrício Muriana e Marcela Biagigo. Disponível em: https://privatizacaodarua.reporterbrasil. org.br, consultado em 4/6/2021.

Duran, Sabrina. “Dados abertos – Privatização da Rua”. Repórter Brasil. Colaboração de Fabrício Muriana e Marcela Biagigo. Disponível em: https://privatizacaodarua.reporterbrasil. org.br/s.php?page=dadosabertos, consultado em 4/6/2021.

Ferreira, Luis Gustavo Pereira. (2015), “Emoldurando o cartão postal através do qual se conhece São Paulo”: poder, hegemonia e conflito no tombamento do Vale do Anhangabaú (1990-2000”). São Paulo. Dissertação de mestrado em história e historiografia. Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade Federal de São Paulo.

Frúgoli Jr., Heitor. (2000), Centralidade em São Paulo: trajetórias, conflitos e negociações na metrópole. São Paulo, Cortez/Edusp.

Frúgoli Jr., Heitor & CAvalcanti, Mariana. (2013), “Territorialidades da(s) cracolândia(s) em São Paulo e no Rio de Janeiro”. Anuário Antropológico, 38: 73-97.

Gehl, Jan. (2013), Cidades para pessoas. São Paulo, Perspectiva.

Gehl Architects & ITDP. (2007), Estratégias para o Anhangabaú e Quadra das Artes. Disponível em: https://itdpdotorg.wpengine.com/wp-content/uploads/2014/07/ITDP_Gehl-Sao-Paulo-report-Final-Rev-2007.06.22.pdf.

Gestão Urbana SP. “Centro, Diálogo Aberto”. Portal da Prefeitura de São Paulo. Disponível em: https://gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br/arquivos/brochura_cda_7_10_13.pdf, consultado em 19/6/2021.

Gestão Urbana SP. “Largo São Francisco. Relatório Centro Aberto”. Portal da Prefeitura de São Paulo. Disponível em: https://gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br/wp- content/uploads/2017/12 06_LSF2_fasciculo_2017-12.pdf, consultado em 8/6/2021.

Gestão Urbana SP. “O Vale do Anhangabaú”. Portal da Prefeitura de São Paulo. Disponível em: https://gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br/centro-dialogo-aberto/o-vale-do-anhangabau/, consultado em 30/6/2021.

Gohn, Maria da Glória Marcondes. (2016), “Manifestações de protesto nas ruas no Brasil a partir de Junho de 2013: novíssimos sujeitos em cena”. Revista Diálogo Educacional, 16 (47): 125-146.

Harvey, David et al (orgs.). (2013), Cidades Rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo, Boitempo.

Hereñú, Pablo Emilio Robert. (2007), Sentidos do Anhangabaú. São Paulo. Dissertação de mestrado em arquitetura e urbanismo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Universidade de São Paulo.

Jacobs, Jane. (2014), Morte e vida das grandes cidades. São Paulo, Martins Fontes.

Lefebvre, Henri. (2008), O direito à cidade. São Paulo, Centauro.

Machado, Giancarlo Marques Carraro. (2014), De “carrinho” pela cidade: a prática do skate em São Paulo. São Paulo, Intermeios.

Machado, Giancarlo Marques Carraro. (2017), A cidade dos picos: a prática do skate e os desafios da citadinidade. São Paulo. Tese de doutorado em antropologia social. Universidade de São Paulo.

Maricato, Ermínia. (2013), “As ideias fora do lugar e o lugar fora das ideias: planejamento urbano no Brasil”. In: Arantes, Otília; Vainer, Carlos & Maricato, Ermínia (orgs.). A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis, Vozes, pp. 121-192.

Mello, Marina Carvalho Ferreira. (2019), Potencialidades urbanas do cotidiano da cidade de São Paulo: os casos do Vale do Anhangabaú e do Largo da Batata. São Paulo. Dissertação de mestrado em arquitetura e urbanismo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Universidade de São Paulo.

Miller, Carlos Eduardo Murgel. (2017), Reurbanização do Vale do Anhangabaú: propostas para a recriação de uma paisagem. São Paulo. Dissertação de mestrado em arquitetura e urbanismo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Universidade de São Paulo.

Monteiro, Daniel. “Reforma do Anhangabaú é criticada por entidades da sociedade civil”. Portal da Câmara Municipal de São Paulo. Disponível em: http://www.saopaulo.sp.leg.br/blog/reforma-do-anhangabau-e-criticada-por-entidades-da-sociedade-civil/, consultado em 9/3/2021.

Nadal, Luc. (2007), “Introdução: o ressurgimento do Centro histórico de São Paulo”. In: Gehl Architects & itdp. Estratégias para o Anhangabaú e Quadra das Artes. Disponível em: https://itdpdotorg.wpengine.com/wp-content/uploads/2014/07/ITDP_Gehl-Sao-Paulo-report-Final-Rev-2007.06.22.pdf.

Otero, Guido. “Novo Anhangabaú: apagamento e elitização custando caro aos cofres públicos”.

LabCidade – Laboratório Espaço Público e Direito à Cidade. Disponível em: http://www.labcidade.fau.usp.br/novo-anhangabau-apagamento-e-elitizacao-custando-caro-os-cofres--publicos/, consultado em 29/6/2021.

Pasquini, Patrícia. “Justiça em São Paulo suspende obras no Vale do Anhangabaú”. Folha de São Paulo (Cotidiano). Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2019/08/ justica-em-sao-paulo-suspende-obras-no-vale-do-anhangabau.shtml, consultado em 9/3/2021.

Perlongher, Néstor. (2008), O negócio do michê: a prostituição viril em São Paulo. São Paulo, Fundação Perseu Abramo.

Prefeitura de São Paulo. “Centro aberto”. Portal da Prefeitura de São Paulo. Disponível em: https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/licenciamento/desenvolvimento_ urbano/urbanismo/index.php?p=288083, consultado em 30/6/2021.

Redação UOL. “Empresa que ganhou concessão do novo Vale do Anhangabaú é desclassificada”. Cultura. Portal UOL. Publicado em 20/5/2021. Disponível em: https://cultura.uol.com.br/noticias/23141_empresa-que-ganhou-concessao-do-novo-vale-do- anhangabau-e--desclassificada.html, consultado em 30/5/2021.

Reis, Vivian. “Prefeitura de sp suspende concessão do Vale do Anhangabaú após tcm apontar falta de transparência no processo”. G1 São Paulo. Publicado em 26/08/2020. Disponível em: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/08/26/prefeitura-de-sp-suspende-licitacao-do-vale-do-anhangabau.ghtml, consultado em 29/5/2021.

Reis, Vivian. “Prefeitura de sp concede Anhangabaú para iniciativa privada por r$ 6,5 milhões após reforma de r$ 93,8 milhões”. g1 São Paulo. Publicado em 23/10/2020. Disponível em: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/10/23/prefeitura-de-sp-concede-anhangabau-para-iniciativa-privada-por-r-65-milhoes-apos-reforma-de-r-938-milhoes.ghtml, consultado em 30/5/2021.

Ribeiro, Bruno & Mengue, Priscila. “Grupo de moradores questiona na Justiça obras no centro de sp”. Estadão Conteúdo. Disponível em: https://atarde.uol.com.br/brasil/noticias/2077913-grupo-de-moradores-questiona-na-justica-obras-no-centro-de-sp, consultado em 9/3/2021.

Rolnik, Raquel. “Como não livrar o Anhangabaú dos seus velhos problemas”. LabCidade – Laboratório Espaço Público e Direito à Cidade. Disponível em: http://www.labcidade.fau.usp.br/como-nao-livrar-o-anhangabau-dos-seus-velhos-problemas/, consultado em 9/3/2021.

Secretaria especial e comunicação. “Prefeitura retoma obras no Vale do Anhangabaú”. Portal cidade de São Paulo. Disponível em: http://www.capital.sp.gov.br/noticia/prefeitura-retoma-obras-no-vale-do-anhangabau, consultado em 9/3/2021.

Singer, André. (2013), “Brasil, junho de 2013, classes e ideologias cruzadas”. Novos Estudos Cebrap, 97: 23-40.

Simões Junior, José Geraldo. (1995), Anhangabaú: história e urbanismo. São Paulo. Tese (doutorado em Arquitetura e Urbanismo). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Universidade de São Paulo.

SP Parcerias. “Concessão Vale do Anhangabaú”. Disponível em: http://www.spparcerias.com.br/sites/default/files/arquivos/noticia/2020-06/20200617%20-%20Anhangabaú_Roadshow%20v09.pdf, consultado em: 30/5/2021.

Takada, Estela. “Ações marcam início da revitalização do centro de São Paulo”. Portal Gri Hub. Disponível em: https://www.griclub.org/news/real-estate/acoes-marcam-inicio-da-revitalizacao-do-centro-de-sao-paulo_631.html, consultado em 9/3/2021.

Tavolari, Bianca. (2019), “Jane Jacobs: contradições e tensões”. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, 21: 13-25.

Vainer, Carlos. (2013a), “Pátria, empresa e mercadoria: notas sobre a estratégia discursiva do Planejamento Estratégico Urbano”. In: Arantes, Otília; Vainer, Carlos & Maricato, Ermínia (orgs.). A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis, Vozes, pp. 75-104.

Vainer, Carlos. (2013b), “Os liberais também fazem planejamento urbano? Glosas ao ‘Plano Estratégico da Cidade do Rio de Janeiro’”. In: Arantes, Otília; Vainer, Carlos & Maricato, Ermínia (orgs.). A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis, Vozes, pp. 105-120.

Downloads

Publicado

2022-04-16

Como Citar

Machado, G. M. C. (2022). Cidade para quais pessoas? Sobre as contradições da reforma do Vale do Anhangabaú . Tempo Social, 34(1), 153-174. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2022.190441

Edição

Seção

Artigos