Das Comissões de Solidariedade ao Primeiro Comando da Capital em São Paulo

Autores

  • Marcos César Alvarez Universidade de São Paulo; Núcleo de Estudos da Violência
  • Fernando Salla Universidade de São Paulo; Núcleo de Estudos da Violência
  • Camila Nunes Dias Universidade de São Paulo; Núcleo de Estudos da Violência

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0103-20702013000100004

Palavras-chave:

Punição, Prisão, Direitos humanos, Democratização, Dinâmica prisional, PCC

Resumo

O artigo analisa duas experiências de ação e de representação dos presos no sistema penitenciário paulista: as Comissões de Solidariedade e o Primeiro Comando da Capital (PCC). A hipótese sustentada é de que a obstrução à existência de mecanismos de comunicação e representação de presos, legitimados pelas autoridades, favoreceu a formação de um grupo que se impôs à massa carcerária pela violência mas que, ao mesmo tempo, buscou fundamentar sua "legitimidade" nas denúncias das deficiências do sistema prisional e também nos códigos de conduta formulados a partir do mundo do crime. A reflexão recupera a literatura nacional e internacional sobre a presença de grupos nas prisões, bem como material documental e da imprensa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-06-01

Como Citar

Alvarez, M. C., Salla, F., & Dias, C. N. (2013). Das Comissões de Solidariedade ao Primeiro Comando da Capital em São Paulo . Tempo Social, 25(1), 61-82. https://doi.org/10.1590/S0103-20702013000100004

Edição

Seção

Dossiê - Sociologia da Punição e das Prisões