O encarceramento em massa em São Paulo

Autores

  • Jacqueline Sinhoretto UFSCar; Departamento de Sociologia; PPGS
  • Giane Silvestre UFSCar; Grupo de Estudos sobre Violência e Administração de Conflitos
  • Felipe Athayde Lins de Melo UFSCar; Grupo de Estudos sobre Violência e Administração de Conflitos

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0103-20702013000100005

Palavras-chave:

Prisões, São Paulo, Punição, Educação nas prisões, Controle social

Resumo

A população prisional de São Paulo cresce acentuadamente. Mais de 30% dos presos do país se distribui pelas 154 unidades prisionais paulistas. A política de descentralização das prisões e encarceramento em massa focaliza acusados por crimes patrimoniais e de drogas, jovens, homens e oriundos das periferias urbanas. O artigo aborda desdobramentos do encarceramento em massa, resultantes das normas e moralidades que regem a vida nas prisões, sobretudo as formas de compartilhamento entre a administração e os internos e seus familiares na gestão do cotidiano na prisão. Tal compartilhamento ultrapassa os limites físicos das prisões, produzindo efeitos sobre os mecanismos do encarceramento e o seu crescimento. Observou-se a negociação entre instâncias da administração penitenciária, os grupos organizados de presos e seus familiares para manter a ordem interna e para a execução das tarefas do tratamento penitenciário. A intensificação do controle social repressivo centralizado é tensionada pela oposição complementar de um controle social difuso, fundamentado nos dispositivos de segurança compartilhados entre os agentes que participam da gestão da vida na prisão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-06-01

Como Citar

Sinhoretto, J., Silvestre, G., & Melo, F. A. L. de. (2013). O encarceramento em massa em São Paulo . Tempo Social, 25(1), 83-106. https://doi.org/10.1590/S0103-20702013000100005

Edição

Seção

Dossiê - Sociologia da Punição e das Prisões