Rondas à cidade: uma coreografia do poder

  • Heloisa Rodrigues Fernandes Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Departamento de Sociologia
Palavras-chave: Violência policial, Violência urbana, Ronda policial, Vigilância policial, Cidadania

Resumo

Este artigo procura interpretar algumas dimensões das práticas policiais de esquadrinhamento e vigilância do espaço urbano paulistano da década de 70: as rondas. Analisa a reorganização do aparalho policial pela ideologia da segurança nacional que, centrada na tese do "inimigo interno", transforma o cidadão em "suspeito", discriminando especialmente o trabalhador ao qual cabe o ônus de provar que não é "bandido" ou marginal". Discute como a imprensa do período tende a criticar as rondas apenas pelos seus "excessos". Aponta alguns paradoxos do "discurso da suspeita" e, entre eles, o mais escandaloso: em nome do "cidadão do bem" dissolve a cidadania.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heloisa Rodrigues Fernandes, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Departamento de Sociologia
Professora doutora do Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo
Publicado
1989-12-01
Como Citar
Fernandes, H. (1989). Rondas à cidade: uma coreografia do poder. Tempo Social, 1(2), 121-134. https://doi.org/10.1590/ts.v1i2.84774
Seção
Artigos