A mobilização democrática e o desencadeamento da luta armada no Brasil em 1968: notas historiográficas e observações críticas

  • João Quartim de Moraes Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Brasil, luta armada, movimento estudantil, História, evento, processo, Estratégia, tática, guerra revolucionária

Resumo

As importantes mobilizações de massa de 1968, impulsionadas principalmente pelos estudantes, obedeceram a fatores preponderantemente internos, assim como as primeiras ações armadas urbanas ocorridas em São Paulo no mesmo momento (março-abril de 1968). Embora não estejam casualmente concatenadas, as passeatas estudantis e os grupos guerrilheiros remetem à mesma causa histórica, o golpe de Estado de 1964 e a ditadura militar. Constituíram, nesta medida, formas distintas de resistência democrática. Nem por isso se pode perder de vista a dimensão internacional dos acontecimentos de 1968 no Brasil, que é particularmente evidente nas concepções teóricas sobre a estratégia revolucionária da guerrilha rural. Na prática, entretanto, a luta armada fixou-se nos centros urbanos e acabou por ser aniquilada antes de superar seu "impasse estratégico".

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Quartim de Moraes, Universidade Estadual de Campinas
Professor do Departamento de Filosofia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas
Publicado
1989-12-01
Como Citar
Moraes, J. (1989). A mobilização democrática e o desencadeamento da luta armada no Brasil em 1968: notas historiográficas e observações críticas. Tempo Social, 1(2), 135-158. https://doi.org/10.1590/ts.v1i2.84775
Seção
Artigos