A pintura trágica de Edvard Munch. Um ensaio sobre a pintura e as marteladas de Nietzsche

  • Paulo Roberto Arruda de Menezes Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Palavras-chave: Nietzsche, Munch, Aforismos, Séries, Pintura, Mulheres, Relação sujeito-objeto, Artista trágico, Pintura trágica

Resumo

As relações entre a filosofia de Nietzsche e a pintura de Munch são instigantes e complexas. Os aforismos, modo de expressão primordial em Nietzsche da mesma maneira que o são as séries em Munch, lhe permitem perseguir uma idéia a partir de várias perspectivas possiblitando, a ambos, experimentos com o pensar. Cada pintura propões uma interpretação diferente para um mundo onde não existem mais fatos e onde a separação sujeito-objeto foi definitivamente abolida. Assim, ao pintar a dor, os ciúmes, a doença, o grito, a morte, a solidão, a paixão, as mulheres, Munch não mergulha, como poderia parecer à primeira vista, no pessimismo absoluto mas, pelo contrário, diz sim a tudo que é problemático, colocando-se na direção da superação da morte na vida, sendo e fazendo uma pintura trágica, dionisíaca.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Roberto Arruda de Menezes, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Professor do Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo
Como Citar
Menezes, P. R. (1). A pintura trágica de Edvard Munch. Um ensaio sobre a pintura e as marteladas de Nietzsche. Tempo Social, 5(1/2), 67-111. https://doi.org/10.1590/ts.v5i1/2.84944
Seção
Artigos