A questão do herói-sujeito em cabra marcado para morrer: filme de Eduardo Coutinho

  • Paulo Roberto Arruda de Menezes Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Palavras-chave: Cinema brasileiro, Relação sujeito-objeto, Esquerda brasileira, Linguagem, Fotografia, Violência, Dor, Ilusão, Tempo, Espaço

Resumo

Realizado em três etapas, 1964, 1981 e 1983, o filme procura resgatar os acontecimentos trágicos que levaram à morte João Pedro Teixeira, presidente da liga camponesa de Sapé, no interior da Paraíba, em 1964. Cortado pelo Golpe de Estado, teve suas filmagens retomadas 17 anos depois. O artigo procura destrinchar a articulação do discurso de Eduardp Coutinho como discurso da verdade por se colocar o tempo todo como um documentário, e portanto neutro, que retrataria os descaminhos e a violência da política brasileira da época. Ao analisar as imagens e sua montagem, associadas ao discurso do narrador, procura mostrar que aí se construiu uma nova interpretação acerca dos fatos tomados como pano de fundo, que muito mais tem a dizer sobre uma certa visão acerca do campesinato brasileiro e de uma forma de se fazer política, e consequentemente história, do que sobre os fatos em si que, em princípio, se estaria narrando. Essa flutuação faz com que quem deveria surgir como sujeito troque de lugar o tempo todo, acabando por reforçar os mesmos artíficios que, primordialmente, o filme se esforçaria em denunciar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Roberto Arruda de Menezes, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Professor do Departamento de Sociologia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo
Como Citar
Menezes, P. R. (1). A questão do herói-sujeito em cabra marcado para morrer: filme de Eduardo Coutinho. Tempo Social, 6(1/2), 107-126. https://doi.org/10.1590/ts.v6i1/2.85114
Seção
Artigos