Cinema: imagem e interpretação

Autores

  • Paulo Roberto Arruda de Menezes Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

DOI:

https://doi.org/10.1590/ts.v8i2.86299

Palavras-chave:

Cinema, Tempo, Espaço, Memória, Passado, Presente, Significação

Resumo

Este artigo discute as possibilidades de interpretação das imagens do cinema a partir de suas relações com as artimanhas da ilusão da fotografia na representificação de coisas e pessoas. O cinema nos propõe imagens que articulam de maneira diferencial vários tempos e vários espaços, o que remete, a uma relação com o passado e com a memória que se distingue de sua percepção como uma mera sucessão de eventos. Pelo contrário, a memória articulada pelo cinema nos mostra uma recuperação dos eventos do passado dentro de um fluxo temporal comandado pelo presente e que submete este passado a uma constante resignificação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Roberto Arruda de Menezes, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Professor do Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo (FFLCH-USP)

Downloads

Como Citar

Menezes, P. R. A. de. (1996). Cinema: imagem e interpretação. Tempo Social, 8(2), 83-104. https://doi.org/10.1590/ts.v8i2.86299

Edição

Seção

Artigos