Repensando a teoria da proletarização dos profissionais

  • Marli Diniz Universidade Federal Fluminense (UFF)
Palavras-chave: Profissionais, Proletarização, Desprofissionalização, Autonomia técnica

Resumo

A autora analisa a tese da proletarização dos profissionais com o objetivo de verificar até que ponto ela capta os processos reais de mudança que têm afetado as profissões. A questão central que a autora procura responder é se os profissionais assalariados por burocracias públicas e privadas preservam em medida considerável suas qualificações técnicas, o controle do conhecimento altamente especializado e sobre o processo de trabalho. Utilizando- se uma vasta bibliografia sobre o trabalho profissional em indústrias de diversos setores (metal, mecânico, eletrônico), conclui que as evidências de crescente assalariamento de algumas das chamadas profissões liberais não constituem suporte adequado para a tese da proletarização dos profissionais quando este termo é adequadamente entendido. As investigações têm mostrado que mesmo quando o profissional assalariado perde o controle sobre as condições em que trabalha, ele o mantém sobre o processo do seu trabalho; isto é, ele conserva sua autonomia técnica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marli Diniz, Universidade Federal Fluminense (UFF)
Professora do Departamento de Sociologia e Metodologia em Ciências Sociais da Universidade Federal Fluminense (UFF)
Como Citar
Diniz, M. (1). Repensando a teoria da proletarização dos profissionais. Tempo Social, 10(1), 165-184. https://doi.org/10.1590/ts.v10i1.86765
Seção
Dossiê Trabalho