Representações da Goa católica pós-colonial e a "poética da sujidade" na crónica de viagem “Goa the Unique” (1964), de Graham Greene

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/va.v0i30.122653

Palavras-chave:

Goa, catolicismo, poética da sujidade, crônica de viagens, Graham Greene

Resumo

Em Dezembro de 1963, o conhecido romancista Graham Greene (1904-1991) visita Goa em trabalho para o jornal Sunday Times, no qual vem a publicar, no ano seguinte, uma crónica intitulada “Goa the Unique”. O  presente artigo analisa a representação da Goa católica dois anos após o final da administração colonial portuguesa (quando o futuro político do território era ainda uma incógnita) através dos topoi da singularidade da Goa católica e higiénica face a uma Índia ameaçadora, suja e doente (poética da sujidade), metáforas que eram, há muito tempo, recorrentes na literatura inglesa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-12-28

Como Citar

Puga, R. M. (2016). Representações da Goa católica pós-colonial e a "poética da sujidade" na crónica de viagem “Goa the Unique” (1964), de Graham Greene. Via Atlântica, (30), 151-173. https://doi.org/10.11606/va.v0i30.122653

Edição

Seção

Dossiê 30: Goa - Literatura e Cultura 2