Voltar aos Detalhes do Artigo “MAS TU DIZES PALAVRAS SEM SENTIDO / E ESQUECES-TE DE MIM” – OS LIMITES DA SUBJETIVIDADE TRÁGICA E DA ALTERIDADE FALHADA NO FAUSTO DE FERNANDO PESSOA Baixar Baixar PDF