Vestígios do amor cortês e a figura da mulher na poesia de Alice Ruiz: as residualidades medievais na sala de aula

Autores

  • Marivaldo Omena Batista Universidade Federal da Paraíba
  • Renata Junqueira de Souza Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

DOI:

https://doi.org/10.11606/va.i39.174318

Palavras-chave:

Poesia de Alice Ruiz, Mulher, Amor, Ensino

Resumo

A poética de Alice Ruiz contempla um posicionamento crítico em torno do amor e do gênero. Com efeito, o artigo procura analisar os vestígios do medievo na temática do amor cortês e da mulher na poesia da compositora curitibana. A percepção destes conteúdos pode potencializar debates no espaço escolar acerca das questões culturais, históricas e sociais de uma literatura que testemunha a condição da mulher. Os estudos da Teoria da Residualidade, de Pontes (2019), e das relações entre literatura e história, de Mignolo (2001) favorecem a leitura da escrita da haicaísta. A metodologia corresponde à pesquisa bibliográfica e qualitativa, já que procura fomentar a mediação da poesia na escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marivaldo Omena Batista, Universidade Federal da Paraíba

Doutorando na Universidade Federal da Paraíba (UFPB) na área de concentração Literatura, Teoria e Crítica, na linha de Leituras Literárias. É Professor de Língua Portuguesa da Escola Municipal José Sérgio Veras (EMJSV Sertânia/PE) e docente do curso de Letras da Autarquia de Ensino Superior de Arcoverde (AESA Arcoverde/PE).

Renata Junqueira de Souza, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Possui graduação em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1987), mestrado em Linguística e Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1990), doutorado em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2000) e é livre-docente pela mesma Instituição (2012) no conjunto das disciplinas Conteúdos, Metodologia e Prática de Ensino de Língua Portuguesa I e II e Leitura, Literatura e Interpretação de Textos no Processo de Formação de Professores.. Atualmente é professor visitante da Universidade do Minho e professor assistente doutor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino-Aprendizagem, atuando principalmente nos seguintes temas: leitura, formação de leitores, literatura infantil, literatura e formação de professores, estratégias de leitura.

Referências

AURELL, Jaume. O Novo Medievalismo e a interpretação dos textos históricos. Roda da Fortuna. Revista Eletrônica sobre Antiguidade e Medievo, v. 4, n. 2, p. 184-208, 2015.

BARROS, José D’Assunção. O amor cortês – suas origens e significados. Raído, Dourados, MS, v. 5, n. 9, p. 195-216, jan./jun. 2011.

COLOMER, Teresa. A formação do leitor literário: narrativa infantil e juvenil atual. São Paulo: Global, 2002. Tradução Laura Sandroni.

DOMINGUES, Ana Beatriz Ferreira Fernandes. O silenciamento da mulher no discurso do amor cortês. Revista Leitura, Maceió, n. 28-29, p. 139-151, 2001.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2011. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva, Guaracira Lopes Louro.

KLINGER, Diana. Literatura e ética: da forma para a força. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 2014.

KLEIMAN, A. Leitura: ensino e pesquisa. 4. ed. Campinas: Pontes Editores, 2011.

LEMINSKI, Paulo; RUIZ, Alice. Afrodite: quadrinhos eróticos. São Paulo: Veneta, 2015. Roteiro de Alice Ruiz e Paulo Leminski. Organização de Worney Almeida de Souza. Prefácio de Alice Ruiz. Ilustração de Flávio Colin, Júlio Shimamoto, Claudio Seto, Marília Guasque, Rodval Matias, Morzat Cout, Eros Maichrowicz e Itamar Gonçalves.

MIGNOLO, Walter D. Lógica das diferenças e política das semelhanças: da Literatura que parece História ou Antropologia e vice-versa. In: CHIAPPINI, Lígia & AGUIAR, Flávio Wolf de (org.). Literatura e História na América Hispânica: Seminário Interncional, 9 a 13 de setembro de 1991. 2. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001, p. 115-134. Tradução de Joyce Rodrigues Ferraz, Ivone Daré Rabello e Sandra Vasconcelos.

ORNELLAS, Sandro. Da autonomia à Pós-autonomia: poesia como crítica do presente (notas de pesquisa). Landa, v. 1, n° 2, p. 132-152, 2013.

PINHEIRO, Hélder. Poesia na sala de aula. 3. ed. ampliada. Campina Grande: Bagagem, 2007.

PONTES, R. Lindes disciplinares da teoria da residualidade. Decifrar, v. 14, n. 14, p. 11-20, 2019.

RIDENTI, Marcelo Siqueira. As mulheres na política brasileira: os anos de chumbo. Tempo Social. São Paulo, n. 2, v. 2, p. 113-128, 1990.

RUIZ, Alice. Dois em um. São Paulo: Iluminuras, 2008.

RUIZ, Alice. Navalhanaliga. São Paulo: iluminuras, 1980.

SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. 6. ed. Porto Alegre: ArtMed, 1998. Tradução de Cláudia Schilling.

SPINA, S. Apresentação da lírica trovadoresca. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1956.

ZOLIN, Lúcia Osana. Crítica feminista e Literatura de autoria feminina. In: BONNICI, Thomas; ZOLIN, Lúcia Osana. (Org.). Teoria literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. Maringá: Eduem, 2009.

Downloads

Publicado

2021-09-20

Como Citar

Batista, M. O., & Souza, R. J. de. (2021). Vestígios do amor cortês e a figura da mulher na poesia de Alice Ruiz: as residualidades medievais na sala de aula. Via Atlântica, (39), 162-194. https://doi.org/10.11606/va.i39.174318

Edição

Seção

Dossiê 39: Literatura, feminismos e história: imbricações possíveis