Da assimilada à mãe Africa: representações do feminismo em O Alegre Canto da Perdiz, de Paulina Chiziane

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/va.i39.174891

Palavras-chave:

Pós-colonialismo, Literatura moçambicana, Autoria feminina

Resumo

À luz de teóricos como Stuart Hall, Albert Memmi, Kabenguele Munanga e outros, este artigo propõe uma análise das personagens femininas centrais do romance O alegre Canto da Perdiz da escritora moçambicana Paulina Chiziane. Na presente leitura, é levado em conta o resgate da história e da memória cultural de Moçambique relacionadas ao regime colonial e ao processo de descolonização. Nesse sentido, são privilegiadas as análises de duas representações ligadas a tais processos: a mulher assimilada e a mulher sacralizada na figura de mãe África.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Motta Campinho Cardoso, Universidade Federal Fluminense

Graduada em Letras, Português/Literaturas e mestre em Literaturas Africanas de Língua Portuguesa pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Foi bolsista do Programa de Intercâmbio Institucional da mesma Universidade, por meio do qual estudou na Universidade de Coimbra (UC), em Portugal.

Renata Flavia da Silva, Universidade Federal Fluminense

Doutora em Letras (Letras Vernáculas) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2008), desenvolveu estágio de pós-doutoramento no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (2013/2014), com bolsa CAPES. Professor Associado I de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa da Universidade Federal Fluminense. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literaturas Africanas de Língua Portuguesa, atuando principalmente com os seguintes temas: história e ficção, memória, infância, identidade e pós-colonialismo. Vice-líder do grupo de pesquisa Perspectivas Pós-coloniais: Literaturas e Culturas em Língua Portuguesa. Integrante dos grupos de pesquisa Poesia Africana nos séculos XX e XXI, UFRJ, e Literaturas Indígenas, Africanas e Caribenhas, UFRR. Vice-Coordenadora do GT Estudos Comparados de Literatura de Língua Portuguesa da ANPOLL.

Referências

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016. Tradução de Sérgio Milliet.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina, A condição feminina e a violência simbólica. 4ª ed. Rio de Janeiro: BestBolso, 2017. Tradução de Maria Helena Kühner.

CARDOSO, Mariana Motta Campinho. As Representações Culturais no romance O alegre Canto da Perdiz de Paulina Chiziane. 2019. 97 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Letras, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2019. Disponível em: https://app.uff.br/riuff/handle/1/10092. Acesso em: 17 jan. 2020.

CHIZIANE, Paulina. O alegre canto da perdiz. Lisboa: Caminho, 2008.

FONSECA, Maria Nazareth Soares. “O corpo feminino da nação”. Scripta, Belo Horizonte, v. 3, n. 6, p. 225-236, 2000. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/10365/0. Acesso em: 14 jan. 2019.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; Apicuri, 2016. Tradução de Daniel Miranda e Willian Oliveira.

MEMMI, Albert. Retrato do colonizado precedido de retrato do colonizador. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2007. Tradução de Marcelo Jacques de Moraes.

MUNANGA, Kabengele. Negritude, Usos e sentidos. São Paulo: Editora Ática, 1986.

SANTOS, Donizeth Aparecido dos. “Representações da Mãe-África na literatura angolana”. Trama. [s.l.], v. 3, n. 6, p. 27-42. 2007). Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/trama/article/view/1721. Acesso em: 17 jan. 2019.

SCHMIDT, Simone Pereira. “Corpo e terra em O alegre canto da perdiz”. In MIRANDA; Maria Geralda de; SECCO, Carmen Lucia Tindó (Orgs.). Paulina Chiziane: vozes e rostos femininos de Moçambique. Curitiba: Editora Appris, 2013. p. 229-248.

SERRANO, Carlos; WALDMAN, Maurício. Memória D’África: A temática africana em sala de aula. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

Downloads

Publicado

2021-09-20

Como Citar

Cardoso, M. M. C., & Silva, R. F. da. (2021). Da assimilada à mãe Africa: representações do feminismo em O Alegre Canto da Perdiz, de Paulina Chiziane. Via Atlântica, (39), 131-160. https://doi.org/10.11606/va.i39.174891

Edição

Seção

Dossiê 39: Literatura, feminismos e história: imbricações possíveis