Uma rabiscadora: Helena Lima Santos, cronista do Alto Sertão Baiano

Autores

  • Maria Lúcia Porto Nogueira Universidade do Estado da Bahia
  • Zoraide Portela Silva Universidade do Estado da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.11606/va.i39.180933

Palavras-chave:

Helena Lima Santos, Memória, Estudos feministas, Gênero, Literatura

Resumo

No presente artigo, buscamos analisar as práticas discursivas de Helena Lima Santos, escritora baiana, em textos jornalísticos produzidos na década de 1990. Na perspectiva dos estudos feministas e literários, utilizamos as categorias “experiência” e “memória” para analisar a forma como a autora procurou defender a cultura sertaneja e a preservação das singularidades de um espaço-tempo social. Selecionamos doze crônicas sobre educação, ensino de qualidade, defesa do patrimônio histórico e cultural e críticas a conjunturas político-sociais para esmiuçar e problematizar as questões de gênero sub-repticiamente implícitas nas narrativas, sem desprezar os rastros de uma escrita autobiográfica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Lúcia Porto Nogueira, Universidade do Estado da Bahia

Professora Adjunta de História na Universidade da Bahia (UNEB)

Zoraide Portela Silva, Universidade do Estado da Bahia

Professora do Departamento de Ciências Humanas (DCH/VI) da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), desde 1995; docente permanente do Programa de Pós-Graduação – Mestrado – em Ensino, Linguagem e Sociedade (PPGELS) da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Cultura, Sociedade e Linguagem (GPCSL).

Referências

ARRIGUCCI JR, Davi. Enigma e comentário. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, Campinas, n. 26, p. 329-376, jun. 2006.

CANDIDO, Antônio. A vida ao rés-do-chão. In: Para gostar de ler: crônicas. São Paulo: Ática, 1992, v. 5 p. 88-99.

COUTRIM, Guiomar Ferreira. Determinada a ser feliz. Guanambi: Gráfica Bahia, 2010.

DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Teoria e Método dos estudos feministas: perspectiva histórica e hermenêutica do cotidiano. In: COSTA, Albertina de Oliveira; BRUSCHINI, Cristina (Orgs). Uma Questão de Gênero. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1992.

DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Novas subjetividades na pesquisa histórica feminista: uma hermenêutica das diferenças. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (Org). Pensamento feminista brasileiro: formação e contexto. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019.

ESTRELA, Ely Souza. Os sampauleiros: cotidiano e representações. São Paulo: Humanitas, FFLCH/USP; FAPESP; Edusc, 2003.

FEDERICI, Sílvia. Mulheres e caça às bruxas: da idade média aos dias atuais. 1.ed. São Paulo: Boitempo, 2019. Tradução Heci Regina Candiani.

LISPECTOR, Clarice. Ser cronista. In: LISPECTOR, Clarice. A descoberta do mundo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984. p. 67-68.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e Educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 2014.

NOGUEIRA, Maria Lúcia Porto Silva. Mulheres baianas nas artes da escrita: tessituras de experiências, memórias e outras histórias (1926 -1960). 300f. 2016. Tese (Doutorado). Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2016.

PERROT, Michele. Práticas da memória feminina. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 9, n. 18, p. 9-18, 1989.

RAGO, Margareth. A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. São Paulo: Editora Unicamp, 2013.

RAGO, Margareth. Epistemologia feminista, gênero e história. In: PEDRO, Joana Maria; GROSSI, Miriam Pilar. Masculino, feminino, plural: gênero na interdisciplinaridade. Florianópolis: Ed. Mulheres, 1998, p. 21- 41.

RAGO, Margareth. Feminizar é preciso. Por uma cultura filógina. Revista Labrys - Estudos feministas, n. 1-2, p. 58-66, jun/dez, 2002.

SANT’ANNA, Denise Bernuzzi de. A insustentável visibilidade do corpo. Revista Labrys, Estudos Feministas, n. 4, ago./dez. 2003.

SANTOS, Helena Lima. Caetité, pequenina e ilustre. Brumado: Jornal Tribuna do Sertão, 1997.

SANTOS, Helena Lima. Crônica: O Brasil e o analfabetismo. Jornal Tribuna do Sertão, Brumado, p. 4, 4 set. 1992.

SANTOS, Helena Lima. Crônica: Palavras aos colegas – outubro de 1996. Jornal Tribuna do Sertão, Brumado, p. 4, 7 mar. 1997c.

SANTOS, Helena Lima. Crônica: Continuando...O curso normal. Jornal Tribuna do Sertão, Brumado, p. 4, 24 mai. 1996a.

SANTOS, Helena Lima. Crônica: Uma bonita história. Jornal Tribuna do Sertão, Brumado, p. 4, 28 fev. 1997b.

SANTOS, Helena Lima. Crônica: Nem tudo são flores. Jornal Tribuna do Sertão, Brumado, p. 4, 17 set. 1993.

SANTOS, Helena Lima. Crônica: Lacinho Vermelho. Jornal Tribuna do Sertão, Brumado, p. 4, 6 set. 1996c.

SANTOS, Helena Lima. Crônica: A eterna vaidade feminina. Jornal Tribuna do Sertão, Brumado, p. 4, 17 jan. 1997a.

SANTOS, Helena Lima. Crônica: Flora e Gulorinha – Reminiscências. Jornal Tribuna do Sertão, Brumado, p. 4, 17 out. 1997e.

SANTOS, Helena Lima. Crônica: O lançamento da 2ª edição do meu livro Caetité, pequenina e ilustre. Jornal Tribuna do Sertão, Brumado, p. 4, 30 jun. 1997d.

SCOTT, Joan W. El gênero: uma categoria útil para el análisis histórico. In: AMELANG, James S.; NASH, Mary (Orgs). História y Género: Las mujeres en la Europa Moderna y Contemporánea. Valéncia: Edicions Alfons el Magnanium – IUEL, 1990.

SCOTT, Joan W. Experiência. In: SILVA, Alcione Leite da; LAGO, Maria Coelho de Souza; RAMOS, Tânia Regina Oliveira (Orgs). Falas de Gênero. Florianópolis: Editora das Mulheres, 1999.

SOUZA, Elizeu Clementino de. (Auto)biografia, identidade e alteridade: modos de narração escritas de si e práticas de formação na pós-graduação. Revista Fórum Identidades, ano 2, v. 4, n. 4, p. 37-50, jul-dez. 2008.

THOMPSON, Paul. A voz do passado: história oral. 2 ed. São Paulo: Paz e Terra, 1998. Tradução Lólio Lourenço de Oliveira.

Downloads

Publicado

2021-09-20

Como Citar

Nogueira, M. L. P., & Silva , Z. P. . (2021). Uma rabiscadora: Helena Lima Santos, cronista do Alto Sertão Baiano. Via Atlântica, (39), 101-130. https://doi.org/10.11606/va.i39.180933

Edição

Seção

Dossiê 39: Literatura, feminismos e história: imbricações possíveis