Cotidiano e história na perspectiva das mulheres retratadas pela poesia de Ana Paula Tavares

Autores

  • Rosana Baú Rabello Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/va.i39.180957

Palavras-chave:

Poesia angolana, Ana Paula Tavares, Feminismos, Cotidiano e história

Resumo

A poesia da escritora angolana Ana Paula Tavares, embora reverbere as culturas locais e a sua conexão muito específica com a realidade feminina, não deixam de evocar uma sensibilidade ampla, que pode ser identificada com o que Agnes Heller refere como genericamente humano. Para que se possa compreender essa referência em sua complexa relação dialética com cada esfera da heterogênea realidade social, ressalva-se que a expressão de generalidade do humano não deixa de se configurar como produto histórico-social localizado e condicionado pela história, pela geografia, pelo gênero, pela classe e pelas condições muito específicas vivenciadas pelas mulheres retratadas nos poemas.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosana Baú Rabello, Universidade de São Paulo

Doutoranda pelo programa de Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa pela Universidade de São Paulo. Possui graduação em Letras pela Universidade Estadual de Maringá (2006) e mestrado em Letras (Literatura Portuguesa) pela Universidade de São Paulo (2011). 

Referências

BAKARE-YUSUF, Bibi. Rethinking diasporicity: embodiment, emotion, and the displaced origin. African And Black Diaspora: An International Journal, [S.L.], v. 1, n. 2, p. 147-158, jul. 2008. Informa UK Limited. http://dx.doi.org/10.1080/17528630802224056.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. Introdução e tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2018.

BOSI, Alfredo. Fenomenologia do Olhar. In. NOVAES, Adalto. O olhar. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

CARVALHO, Ruy Duarte de. Aviso à navegação: olhar sucinto e preliminar sobre os pastores kuvale da província do Namibe com um relance sobre as outras sociedadeas agropastoris do sudoeste de Angola. Maputo: INALD - Instituto Nacional do Livro e do Disco, 1997.

ESTERMAN, Pe. Carlos. Etnografia do sudoeste de Angola. Vol. 2: Grupo étnico Nhaneca-Humbe. Lisboa : Junta de Investigações do Ultramar, 1957.

ESTERMAN, Pe. Carlos. Etnografia do sudoeste de Angola: o grupo herero. Lisboa: Junta de Investigações do Ultramar, 1961.

HAMPATÉ BÂ, Amadou. A Tradição Viva. In: KI-ZERBO, J. (Org). História Geral da África; Metodologia e pré-história da África. São Paulo: UNESCO, 2010.

HELLER, Agnes. O cotidiano e a história. São Paulo: Paz e Terra, 2016. Tradução de Carlos Nelson Coutinho e Leandro Konder.

LUKÁCS, Georg. Estetica. Barcelona: Ediciones Grijalbo, S. A., 1966. Traducción castellana Manuel Sacristán.

MELO, Rosa. Nyaneka-Nkhumbi: uma carapuça que não serve aos Handa, nem aos Nyaneka, nem aos Nkhumbi. Cadernos de Estudos Africanos, n. 7-8, 2005, p. 157-178.

MENEZES, Solival. Mamma Angola: sociedade e economia de um país nascente. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo/Fapesp, 2000.

RABELLO, Rosana Baú. Entre textos e contextos: a poesia e a crônica de Ana Paula Tavares. 2019. Tese (Doutorado em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

SABONETE, Fernando Wilson. Construção do Estado-Nação Angolana: relações inter-étnicas, Nhaneka-Humbe na guerra civil. 2010. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.

TAVARES, Ana Paula. Amargos como os frutos (poesia reunida). Rio de Janeiro: Pallas, 2011.

Downloads

Publicado

2021-09-20

Como Citar

Rabello, R. B. (2021). Cotidiano e história na perspectiva das mulheres retratadas pela poesia de Ana Paula Tavares. Via Atlântica, (39), 359-390. https://doi.org/10.11606/va.i39.180957

Edição

Seção

Dossiê 39: Literatura, feminismos e história: imbricações possíveis