Habitar/pertencer à casa de Adília Lopes: espaços textuais discursivo-memorialísticos em Estar Em Casa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/va.i39.181174

Palavras-chave:

Poesia portuguesa contemporânea, Adília Lopes, Casa, Habitação, Memórias discursivas

Resumo

Apresenta-se uma leitura de alguns poemas do livro Estar em casa[1] (2018), de Adília Lopes, nos quais a poeta se vale do espaço arquetípico do lar para construir uma poesia memorialístico-discursiva. Objetiva-se a examinar como alguns poemas dessa obra mobilizam espaços da casa que, no texto poético, são representados como lugar de recolhimento, de afirmação e de projeção do self da poeta a partir das experiências da habitação. Conclui-se que a ficcionalização dos elementos do lar feita por Adília torna seus poemas instituições vívidas, sejam eles relacionados aos elementos bioculturais, inconscientes, identitários e simbólicos.

 

[1]Todas as referências à obra referem-se à primeira edição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Alberto da Silva Sales, Instituto Federal Goiano

Doutor em Estudos Literários pela Univeridade Federal de Goiás. Docente da área de Linguagens (Língua Portuguesa, Língua Inglesa e Literaturas) no Instituto Federal Goiano Câmpus Hidrolândia. Docente no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Língua, Literatura e Interculturalidade da Universidade Estadual de Goiás, Campus Cora Coralina.

 

 

Referências

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1996. Tradução de Antônio da Costa Leal e Lídia do Valle Santos Leal.

BACHELARD, Gaston. A poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes, 2009. Tradução de Antonio de Pádua Danesi.

BARTHES, Roland. O prazer do texto. São Paulo: Perspectiva, 2010. Tradução de J. Guinsburg.

CARROLL, Lewis. Alice no país das maravilhas. São Paulo: Cosac & Naify, 2009. Tradução de Nicolau Sevcenko.

DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva, 2011. Tradução de Luiz Roberto Salinas Fortes.

DELEUZE, Gilles. Proust e os signos. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010. Tradução de Antônio Carlos Piquet e Roberto Machado.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O anti-édipo: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Ed. 34, 2010. Tradução de Luiz B. L. Orlandi.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 2008. Tradução de Miriam Chnaiderman e Renato Janine Ribeiro.

DOUBROVSKY, Serge. Fils. Paris: Galilée, 1977.

EVANGELISTA, Lucia. Vida em comum: a poética de Adília Lopes. 139p. Dissertação (Mestrado) – Universidade do Porto. Porto, 2011.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves.

LOPES, Adília. Bandolim. Porto: Assírio & Alvim, 2016.

LOPES, Adília. Dias e Dias. Porto: Assírio & Alvim, 2020.

LOPES, Adília. Dobra. Porto: Assírio & Alvim, 2014.

LOPES, Adília. Estar em casa. Porto: Assírio & Alvim, 2018.

LOPES, Adília. Manhã. Porto: Assírio & Alvim, 2015.

MARTELO, Rosa Maria. Poesia e des-equilíbrios. In: MARTELO, Rosa Maria. A forma informe: leituras de poesia. Lisboa: Assírio & Alvim, 2010, p. 9 – 18.

MARTELO, Rosa Maria. As armas desarmantes de Adília Lopes. In: MARTELO, Rosa Maria. A forma informe: leituras de poesia. Lisboa: Assírio & Alvim, 2010, p. 235 – 252.

MARTELO, Rosa Maria. A luva e a mão (uma história de salvação). Elyra: Revista da Rede Internacional Lyracompoetics, n. 14, 2019, 49 – 65.

MATELO, Rosa Maria. Memórias da infância na poesia de Adília Lopes (Lirismo e Autobiografia). Telhados de vidro, n. 22, p. 257-273, 2017.

PALLASMAA, Juhani. Habitar. São Paulo: Gustavo Gili, 2017. Tradução de Alexandre Salvaterra.

Downloads

Publicado

2021-09-20

Como Citar

Sales, P. A. da S. (2021). Habitar/pertencer à casa de Adília Lopes: espaços textuais discursivo-memorialísticos em Estar Em Casa. Via Atlântica, (39), 326-358. https://doi.org/10.11606/va.i39.181174

Edição

Seção

Dossiê 39: Literatura, feminismos e história: imbricações possíveis