Prova de consideração: dramaturgia e temporalidade não-normativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/va.i43.196796

Palavras-chave:

Gomes Cardim, Prova de consideração, Teatro brasileiro, théâtre du boulevard, dramaturgia

Resumo

O artigo se debruça sobre o texto Prova de consideração, de Gomes Cardim, publicado em 1913 e pretende revelar como o autor pode ser considerado um dos fios invisíveis que contribuiu, à margem dos nomes retidos pela história, para tecer a paisagem teatral daquela época lançando luz sobre muitos temas da história política do século XX que, d’algum modo, refletem ansiedades sociais contemporâneas em torno das mulheres, da sexualidade e do poder nos séculos XIX e início do século XX.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Djalma Thürler, Universidade Federal da Bahia

Pós-Doutor em Literatura e Críyica Literária, Professor Adjunto da UFBA e Coordenasdor do Grupo de Pesquisa em Cultura e Sexualidade (CuS)

Referências

ARENDT, H. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

BARD, C. Les féministes de la première vague. Em T. DELESSERT, Nouvelles Questions Féministes, vol. 36, n.. 1, p. 118-121, 2017.

BORDIEU, P.; BOLTANSKI, L. La production de l’idéologie dominante. Actes de la recherche en sciences sociales, n. 2-3, p. 4-73, 1976.

CAFEZEIRO, E. História do teatro brasileiro: um percurso de Anchieta a Nelson Rodrigues. Rio de Janeiro: UFRJ: EDUERJ: FUNARTE, 1996.

CARDIM, G. Theatro: Quem disse; Zangas de um avô; Um grande momento; Prova de consideração. São Paulo: Teixeir, 1913.

Dicionário Larousse. Disponível em: https://bityli.com/kqaFaV. Acesso em: 25 de mar de 2022.

Enciclopédia Universalis. Disponívem em: https://bityli.com/sgOzU. Acesso em 25 de mar de 2022.

FOUCAULT, M. Os corpos dóceis. In: FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Trad. Ligia M. P. Vassalo. 5. ed. Petrópolis : Vozes, 1987.

FREEMAN, Elizabeth. Queer and not now. In: Time binds: Queer temporalities, queer histories. Durham/London: Duke University Press, 2010.

LUDWIG, P. F. O melodrama francês no Brasil. 206p. Tese (Doutorado em Letras). Universidade Federal de Santa Maria: Pós-Graduação em Letras, 2015. Manancial UFSM.

MACHADO, F. V. Subjetivação Política e Identidade: contribuições de Jacques Rancière para a Psicologia Política. Psicologia Política. vol. 13. n. 27, p. 261-280, 2013.

PAVIS, P. Dicionário de Teatro. São Paulo: Perspectiva, 1999.

PRADO, D. A. Peças, pessoas e personagens: o teatro brasileiro de Procópio Ferreira a Cacilda Becker. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SAILLARD, D. Le théâtre de boulevard à la Belle Époque en France et en Italie, Vingtième Siècle. Revue d'histoire, vol. 93, n. 1, p. 15-26. 2007).

RANCIÈRE, J. O desentendimento: Política e Filsosofia. Trad. Ângela Leite Lopes. São Paulo: Ed. 34, 1996.

RANCIÈRE, J. Política, policía, democracia. Trad. maría Emilia Tijoux. Santiago: LOM Ediciones, 2006.

SEGATO, R. Contra-Pedagogías de la crueldade. 1ª ed. Cidade Autonôma de Buenos Aires: Prometeo Libros, 2018.

SOUZA, C. M. Os teatros carioca e paulista antes da chegada de Ziembinski. In: Ziembinski, o encenador dos tempos modernos: a construção de uma trajetória na crítica de Décio de Almeida Prado (1950-1959), São Paulo: Editora UNESP; Cultura Acadêmica, p. 21-72, 2015.

TEDESCO, S. As práticas do dizer e os processos de subjetivação . Interação em Psicologia 10(2), p. 357-362, 2006.

TORRES, W. L. Introdução histórica: o ensaiador, o diretor e o encenador. Folhetim, n. 9, p. 60-71, 2001.

TORRES, W. L. Iintrodução à direção teatral. Campinas: Unicamp, 2021.

VAILLANT, Alain. Modernité, subjectivation littéraire et figure auctoriale. Romantisme, vol. 148, n. 2, p. 11-25, 2010.

Downloads

Publicado

2023-04-28

Como Citar

Thürler, D. (2023). Prova de consideração: dramaturgia e temporalidade não-normativa. Via Atlântica, 24(1), 109-135. https://doi.org/10.11606/va.i43.196796

Edição

Seção

Dossiê 43: Sexo e sensibilidades eróticas na literatura luso-brasileira de Oitoc