Cabeçalho do site
Bem-vindo
Esqueci minha senha

Relatório COPE destaca questões éticas de publicação nas ciências sociais

 

Em 2019, o COPE (Committee on Publication Ethics), com o apoio da Routledge (parte do Taylor & Francis Group), encomendou uma pesquisa primária com a Shift Learning para entender melhor o cenário ético das publicações para editores que trabalham em periódicos das artes, humanidades e ciências sociais. Os resultados dos periódicos de Ciências Sociais mostram quais são os problemas mais sérios, mais difundidos e mais frequentes, onde editores têm menos confiança em lidar. Esta é uma tradução livre da matéria da COPE sobre o Relatório [1].

As barreiras de linguagem e escrita foram citadas como o principal problema de ética enfrentado pelos editores de periódicos de Ciências Sociais. Esse grupo de editores também relatou que a detecção de plágio e baixos padrões de atribuição eram o problema mais sério que eles enfrentavam e que os problemas relacionados à propriedade intelectual e aos direitos autorais eram aqueles que eles se sentiam menos confiantes em abordar.

Concluído por mais de 650 editores de periódicos (não apenas membros do COPE), o estudo mostrou os seguintes resultados principais:

  • 64% dos entrevistados encontraram problemas ao lidar com barreiras de idioma e qualidade de escrita enquanto procuravam permanecer inclusivos.
  • 58% relataram detectar o plágio como o problema mais sério com que lidavam, seguido por envios fraudulentos (44%) e fabricação de dados ou imagens (31%).
  • Reconhecer e lidar com o viés nos comentários dos revisores foi um problema encontrado por 55% dos editores de periódicos.
  • Os editores de revistas se sentiram menos confiantes ao lidar com problemas de fabricação de dados e / ou imagens (24%), envios fraudulentos (23%) e questões de propriedade intelectual e direitos autorais (21%).

 

Mais sério

  • Detecção de plágio e baixos padrões de atribuição de licenças e autoria
  • Envios fraudulentos
  • Fabricação de dados e imagens

Mais difundido

  • Abordar as barreiras linguísticas e de escrita, mantendo-se inclusivo
  • Detecção de plágio e baixos padrões de atribuição
  • Questões sobre a maneira como os autores recebem e motivos para críticas

Mais frequente

  • Abordar as barreiras linguísticas e de escrita, mantendo-se inclusivo
  • Questões sobre a maneira como os autores recebem e respondem às críticas
  • Detecção de plágio e baixos padrões de atribuição

Menos confiante ao lidar com

  • Propriedade intelectual e questões de direitos autorais
  • Problemas de dados e / ou fabricação
  • Envios fraudulentos

O Relatório apresenta a metodologia do estudo, as descobertas sobre questões identificadas pelos 650 editores que responderam ao questionário e sua conscientização sobre o COPE e seus recursos.

Nos apêndices, as respostas para cada uma das oito grandes categorias de assuntos foram divididas em: Artes; Negócios, Economia e Finanças; Educação; Humanidades; Direito; Biblioteca e Ciência da Informação; Multi e Interdisciplinar; e Ciências Sociais, para mostrar quais questões cada uma das áreas classificou como as mais graves, frequentes e prevalentes – e aquelas que se sentiram menos confiantes de abordar.

== Referência ==

[1] COPE. Committee on Publication Ethics. Exploring publication ethics in the arts, humanities, and social sciences: A COPE study 2019. Disponível em: https://publicationethics.org/AHSS-Study Acesso em: 27 maio 2020.

 

© 2012 - 2020 AGUIA - Agência USP de Gestão da Informação Acadêmica