O cadastro no sistema e posterior acesso, por meio de login e senha, são obrigatórios para a submissão de trabalhos, bem como para acompanhar o processo editorial em curso. Acesso em uma conta existente ou Registrar uma nova conta.

Condições para submissão

Como parte do processo de submissão, os autores são obrigados a verificar a conformidade da submissão em relação a todos os itens listados a seguir. As submissões que não estiverem de acordo com as normas serão devolvidas aos autores.
  • A contribuição é original e inédita, e não está sendo avaliada para publicação por outra revista; caso contrário, deve-se justificar em "Comentários ao editor".
  • O arquivo da submissão está em formato Microsoft Word, OpenOffice ou RTF.
  • URLs e DOIs das referências foram informados quando possível.
  • O texto está em espaço simples; usa uma fonte de 12-pontos; emprega itálico em vez de sublinhado (exceto em endereços URL); as figuras e tabelas estão inseridas no texto, não no final do documento na forma de anexos.
  • O texto segue os padrões de estilo e requisitos bibliográficos descritos em Diretrizes para Autores, na página Sobre a Revista.
  • Em caso de submissão a uma seção com avaliação pelos pares (ex.: artigos), as instruções disponíveis em Assegurando a avaliação pelos pares cega foram seguidas.

Diretrizes para Autores

1. Letras Clássicas é uma publicação eletrônica anual com revisão por pares produzida pelo Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Universidade de São Paulo. Convidamos autores e pesquisadores a submeter artigos em inglês, francês, espanhol, italiano, alemão e português que tratem de temas relacionados ao Mundo Antigo grego e romano, incluindo língua, literatura, filosofia, história, antropologia, arte, religião, bem como história dos estudos clássicos e recepção da Antiguidade clássica.

 
2. As contribuições devem ser enviadas na forma de arquivo eletrônico através do sistema online de submissão da revista (OJS), que pode ser acessado aqui (após o cadastro, clique em “nova submissão”).
 
3. Pedimos que atentem para as seguintes recomendações:
  1. Confira se a versão enviada é a final; não serão aceitas versões modificadas posteriormente.

  2. Envie um único arquivo, que contenha o artigo acompanhado de resumo, palavras-chave, referências e notas de rodapé, bem como de versões em inglês do título, do resumo e das palavras-chave; recomenda-se que o tamanho total do documento seja de 7 mil a 12 mil palavras (casos extraordinários serão julgados extraordinariamente).

  3. O formato do arquivo pode ser .docx, .doc ou .rtf, mas nunca .pdf; contudo, havendo necessidade, um .pdf poderá ser enviado como documento suplementar.

  4. Caracteres gregos devem estar no padrão Unicode.

  5. Mantenha uma cópia do original exatamente como a que foi enviada, uma vez que comentários editoriais enviados aos autores podem fazer referência a páginas e linhas específicas.

  6. O original precisa ser digitado em fonte tamanho 12 pt, espaço duplo e margens amplas. Palavras com grifo ou destaque devem ser colocadas em itálico. Utilize apenas aspas duplas.

  7. Forneça números de página completos; não use ff., sq., ss. ou similares.

  8. Os artigos devem vir acompanhados de referências completas no final, de preferência apenas das obras citadas, incluindo o D.O.I. sempre que possível (veja exemplos no item 8, infra). No decorrer do texto, recomenda-se o uso do sistema autor–data, e.g. “Moorton (1990, 155) afirma que…” ou “Para essa discussão, cf. West 1966, 12”.

  9. As passagens em grego e latim devem ser reproduzidas de edição reconhecida (Oxford, Teubner, Budé), bem como as traduções devem ter seus autores devidamente mencionados em nota de rodapé (inclusive nos casos de tradução própria).

  10. Palavras-chave são limitadas a no máximo seis (palavras, não expressões).
4. Letras Clássicas segue uma política de avaliação cega e anônima. Solicita-se aos autores que preparem o arquivo a ser enviado para que suas identidades não sejam reveladas à comissão editorial. Assim, as duas primeiras páginas devem ser não-numeradas, contendo:
  1. a capa com o título do manuscrito, o nome do autor e o email para contato;
     
  2. um resumo de até 100 palavras e seis palavras-chave, acompanhado novamente do título do artigo para melhor identificação.
Em seguida, inicia-se o artigo, em páginas numeradas sequencialmente (iniciando por 1). Caso o autor queira aplicar um cabeçalho padronizado nas páginas, deve usar um título resumido. Mesmo que soe um tanto óbvio, recomenda-se fazer uma revisão gramatical e ortográfica, especialmente das passagens em latim e grego, e conferir a exatidão das referências antes de submeter o artigo para avaliação.

5. A política de direitos autorais de Letras Clássicas pode ser consultada em nosso website, aqui.
 
6. Estilo e formatação. Os autores podem ser solicitados a enviar versões finais que estejam de acordo com o estilo e a formatação de Letras Clássicas, que tem como base The Chicago Manual of Style 16th edition, além das recomendações feitas no item 3. O não-atendimento a essas solicitações significarão atraso na publicação.
  1. Abreviações. Nas referências ao longo do texto, não use abreviações como op. cit., ad loc., ff., sq., etc. Prefira títulos resumidos e indicações numerais completas. Em todo caso, não use itálico nas abreviações utilizadas (e.g., et al.). 
     
  2. Obras clássicas. Para referências abreviadas de autores e obras clássicas, bem como de periódicos conhecidos, Letras Clássicas segue as listas do Oxford Latin Dictionary (OLD) e do Liddell–Scott Jones Lexicon (LSJ); também preferimos dígitos para representar livros, capítulos e parágrafos, poemas e versos, linhas e páginas (e.g. Hom. Od. 4.115; Ov. Am. 3.15.20; Arist. Top. 100b.28). Outros sistemas são aceitos, desde que usados com regularidade. 
     
  3. Ilustrações. O autor é responsável por obter permissão de uso das ilustrações, se necessário. Forneça, para todas as ilustrações, a localização aproximada no texto através de chaves e letras maiúsculas (e.g. < INSERIR FIGURA 2 >), nomeando paralelamente os arquivos de imagens da mesma forma (que podem ser enviados como documentos suplementares, de preferência em alta resolução). Não se esqueça de fornecer as legendas, quando for o caso. 
     
  4. Latim e grego. Boa parte das pesquisas publicadas em Letras Clássicas costuma trazer citações em grego. Use o padrão Unicode para citações em grego, de preferência em uma tipologia diferente daquela usada para o texto em português. Procure fornecer o texto grego em blocos, em vez de alternadamente; evite inserir palavras ou frases em seu texto, exceto quando houver necessidade de ênfase. Palavras gregas isoladas podem ser transliteradas; nesses casos, use itálico. Confira todas as citações em grego e latim, especialmente em relação aos acentos e numeração de versos. Adote um padrão consistente para o uso de u e v em latim. Também seja consistente no uso de nomes próprios (ou Hércules ou Héracles, nunca ambos) e nas transliterações. Se houver dificuldade em digitar vogais com mácron, indique esse sinal sublinhando a vogal em questão (e.g. tekhne). 
     
  5. Agradecimentos. Devem vir em nota de rodapé, inserida após o ponto-final do artigo. 
7. Exemplos para as referências finais (observe que o primeiro nome do autor é mostrado; “et al.” é usado apenas para quatro autores ou mais)
  1. Artigos de periódico

    Moorton, Richard F. 1990. “Love as death: the pivoting metaphor in Vergil’s story of Dido.” The Classical World 83:153–66.

    Helleman, Wendy E. 1995a. “Homer’s Penelope: A tale of feminine arete.” Echos du monde classique 39:227–50.

    Jackson, Paul. 2011. “Parménide chez Lucrèce.” Letras Clássicas (15):51–61. doi: 10.11606/issn.2358-3150.v0i15p51-61.
     
  2. Livros

    Nelis, Damien. 2001. Vergil’s Aeneid and the Argonautica of Apollonius Rhodius. Leeds: Francis Cairns.

    Lewalski, Barbara K., ed. 1986. Renaissance Genre: Essays on Theory, History, and Interpretation. Cambridge, MA – London: Harvard University Press.

    Diels, Hermann, and Walther Kranz. 1985. Die Fragmente der Vorsokratiker. Zurich: Weidmann.
     
  3. Obra clássica (observe que tanto o nome do autor quanto da obra estão em itálico)

    Cropp, Martin J. 1988. Euripides: Electra. With Translation and Commentary. Wiltshire.

    Sartorelli, Elaine C. 2013. Erasmo: Diálogo Ciceroniano. Tradução e notas. São Paulo: Unesp.

    West, Martin L. 1966. Hesiod: Theogony. Edited with prolegomena and commentary. Oxford: Clarendon Press.
     
  4. Capítulo de livro (observe os números de página indicados)

    Cassio, Albio C. 2002. “Early editions of the Greek epics and Homeric textual criticism.” In Omero tremila anni dopo, edited by F. Montanari, 105–136. Rome: Edizioni di Storia e Letteratura.

    Kany-Turpin, José. 2005. “Méduse et l’épidémie. La métamorphose d’un mythe dans la Pharsale (IX, 619–889).” In Liber amicorum. Mélanges sur la littérature antique et moderne à la mémoire de Jean-Pierre Néraudau, edited by F. Lestringant et al., 133–45. Paris: Honoré Champion.

    Rosow, Lois. 2005. “Power and display: Music in Court Theatre.” In: The Cambridge History of Seventeenth-Century Music, edited by Tim Carter and John Butt, 197–240. Cambridge University Press. doi: 10.1017/CHOL9780521792738.009
 

Política de Privacidade

Os nomes e endereços informados nesta revista serão usados exclusivamente para os serviços prestados por esta publicação, não sendo disponibilizados para outras finalidades ou a terceiros.