Registro de audiência em rádio comunitária

o perfil dos ouvintes da Liberdade FM de Taubaté/SP

  • Lourival da Cruz Galvão Júnior Universidade de Taubaté (UNITAU)
  • Monica Franchi Carniello Universidade de Taubaté (UNITAU)
  • Maria Júlia Veneziani Lage Universidade de Taubaté (UNITAU)
Palavras-chave: Radiodifusão Comunitária, Público, Pesquisa, Distanciamento

Resumo

As rádios comunitárias brasileiras buscam se estabelecer perante as audiências, mas o desconhecimento do perfil dos ouvintes atinge a comunicação com as comunidades, pois as pesquisas sobre radiodifusão atendem somente aos interesses das rádios comerciais. Este estudo busca identificar o perfil da audiência de uma emissora comunitária do bairro Alto de São Pedro, município de Taubaté, Estado de São Paulo, a Rádio Liberdade FM, visando incitar, pela perspectiva indutiva, a reflexão sobre a relevância das rádios comunitárias. A metodologia foi baseada em pesquisa de campo com abordagem quantitativa e pesquisa bibliográfica e documental e evidenciou distanciamento entre a emissora e a comunidade, que revelou não ter suas demandas comunicacionais atendidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lourival da Cruz Galvão Júnior, Universidade de Taubaté (UNITAU)

Lourival da Cruz "Galvão Júnior" é Doutor em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), Mestre em Linguística Aplicada e Jornalista graduado pela Universidade de Taubaté (UNITAU). Faz pós-doutoramento no Departamento de Jornalismo e Editoração (CJE) da ECA/USP, sob a supervisão do Prof. Dr. Luciano Victor Barros Maluly (período 2019/2021). É professor Assistente do Departamento de Comunicação Social da UNITAU, atuando nos cursos de Jornalismo, Publicidade e Propaganda e Relações Públicas. É docente e pesquisador do Mestrado Acadêmico em Planejamento e Desenvolvimento Regional do Departamento de Gestão e Negócios da UNITAU. É coordenador e docente dos cursos de Jornalismo e de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Módulo (Caraguatatuba,SP). No rádio foi produtor, repórter e locutor na Difusora AM e Cacique AM (Taubaté, SP) e Bandeirantes AM/FM (São José dos Campos, SP); correspondente no Vale do Paraíba da Rádio Eldorado AM (São Paulo, SP); e coordenador de Jornalismo da FM UNITAU (Taubaté, SP). Atuou também como repórter e editor nos jornais Valeparaibano e Diário do Vale (São José dos Campos, SP); e repórter do Jornal Notícias Ford (Taubaté, SP). Como jornalista responde, na atualidade, pela edição do Informativo Paineiras (Poá, SP).

Monica Franchi Carniello, Universidade de Taubaté (UNITAU)

Professora assistente doutora da Universidade de Taubaté (UNITAU) no Departamento de Comunicação Social, no Mestrado Profissional em Gestão e Desenvolvimento Regional e no Mestrado Acadêmico em Planejamento e Desenvolvimento Regional. Leciona ainda na Faculdade de Tecnologia de Pindamonhangaba (FATEC). Graduada em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1993), mestre em Comunicação e Letras pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2000) e doutora em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2005), com pós-doutorado pela Universidade Metodista (2010) e pós-doutorado pela Universidade do Minho - Portugal (2015).

Maria Júlia Veneziani Lage, Universidade de Taubaté (UNITAU)

Graduada em Publicidade e Propaganda (2019) pela Universidade de Taubaté (UNITAU)

Referências

Teorias do Rádio Textos e Contextos. Volume I. Florianópolis, SC: Insular, 2005.

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão. Radiodifusão ilegal. Disponível em: <https://www.abert.org.br/web/index.php/notmenu/item/20888-radiodifusao-ilegal>. Acesso em: 10 ago. 2019

BRECHT, B. Teorias do rádio (1927-1932). Tradução de Regina Carvalho e Valci Zuculoto. In: MEDITSCH, Eduardo (Org.). Teorias do rádio: textos e contextos. Florianópolis: Insular, 2005.

BOURDIN, A. A questão local. Rio de Janeiro, DPPA, 2001.

BITTAR, P., & TRIBOLI, P. Conselho de Comunicação pede rejeição de projetos sobre rádios comunitárias. Matéria jornalística publicada no site da Câmara dos Deputados em 5 de novembro de 2018. Disponível em <https://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/COMUNICACAO/565068-CONSELHO-DE-COMUNICACAO-PEDE-REJEICAO-DE-PROJETOS-SOBRERADIOS-COMUNITARIAS.html>. Acesso em: 10 ago. 2019.

CARNIELLO, M. F.; & SANTOS, M. J. (). Proposta metodológica para avaliação de perfil de audiência para veículos de comunicação públicos, comunitários e governamentais. Anais do XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, São Paulo, 2016. Disponível em <http://portalintercom.org.br/anais/nacional2016/resumos/R11-0882-1.pdf>. Acesso em: 01 ago. 2019

CIEGLINSKI, A. (2018). Decisão do STF libera proselitismo em programação de rádio comunitária. Matéria jornalística publicada no site da Agência Brasil em 15 de maio de 2018. Disponível em <http://agenciabrasil.ebc.com.br/justica/noticia/2018-05/decisao-do-stf-libera-proselitismo-em-programacao-de-radio-comunitaria>. Acesso em: 01 ago. 2019

CITELLI, A. O. Comunicação e educação: convergências educomunicativas. Revista Comunicação, mídia e consumo. São Paulo: ESPM. v. 7, n. 19, 2010. p. 67-85.

DETONI, M. Rádios comunitárias: revolução no ar. In: PIOVESAN, A.; BARBOSA FILHO, A; & BENETON, R. Rádio, sintonia do futuro. São Paulo: Paulinas, 2004.

DOLCE, J. Sob críticas de movimentos, lei que regulamenta rádios comunitárias completa 20 anos. Matéria jornalística publicada no site Brasil de Fato em 16 e fevereiro de 2018. Disponível em <https://www.brasildefato.com.br/2018/02/16/sob-criticas-demovimentos-lei-que-regulamenta-radios-comunitarias-completa-20-anos/> Acesso em: 01 ago. 2019

EDUARDO, O. C. (1990) O desenvolvimento da pesquisa de propaganda no Brasil. In: BRANCO, R. C.; MARTENSEN, R. L.; & REIS, F. História da propaganda no Brasil. São Paulo: T.A. Queiroz.

FARIAS, G. M. A.; MOURA, J. J. R. (2013). Rádio como ferramenta de diálogo entre a comunidade e a universidade. Educação, Cultura e Comunicação, [S.l.], v. 4, n. 8. Disponível em <http://unifatea.com.br/seer3/index.php/ECCOM/article/view/558>Acesso em: 01 ago. 2019

GALVÃO JUNIOR, L. C. O futuro hoje: a formação em radiojornalismo na era da convergência das mídias. Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciência da Comunicação da Escola de Comunicações e Artes, 2015.

GUMUCIO-DAGRON, A. Vertical Minds versus Horizontal Cultures. In: SERVAES, Jan. Communication for development and social change. New Delhi, India: SAGE Publications, 2007.

HAMBURGUER, E.I. et al. Perfil Sócio-demográfico da audiência de televisão, 1970-1997. Área de Cultura do Centro de Estudos da Metrópole. Seminário Cebrap. Novembro 2005. Disponível em: http://www.fflch.usp.br/centrodametropole/antigo/v1/divercidade/numero7/Textos_Semin_rio_Cebrap.pdf Acesso em: 02 jun. 2019.

IBGE. Cidades. 2016. Disponível em <https://cidades.ibge.gov.br/> Acesso em: 02 jun. 2019.

KANTAR IBOPE MEDIA. Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística. 2016. Disponível em <http://www.ibope.com.br/> Acesso em: 02 jun. 2019.

LIMA, Vinício A. de; LOPES, C. A. Rádios Comunitárias - Coronelismo eletrônico de novo tipo (1999 – 2004): As autorizações de emissoras como moeda de barganha política. Observatório da Imprensa. Campinas, 2007. Disponível em <http://www.observatoriodaimprensa.com.br/download/Coronelismo_eletronico_de_novo_tipo.pdf>. Acesso em: 02 jun. 2019.

McANANY, E.; & LA PASTINA, A. (1994). Pesquisa sobre audiência de telenovelas na América Latina: Revisão teórica e metodológica. Revista Brasileira de Comunicação. INTERCOM, vol.XVII, nº 2, 17-37.

MELO, I. A. (2007). Um jornalismo de proximidade. Observatório da Imprensa. Ed 427, abr. 2007. Disponível em <http://observatoriodaimprensa.com.br/diretorioacademico/um-jornalismo-de-proximidade/> Acesso em: 02 jun. 2019.

MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES. Dados do setor de comunicações. 2018. Disponível em < http://dados.gov.br/dataset/dscom> Acesso em: 02 jun. 2019.

MOM - MEDIA OWNERSHIP MONITOR BRASIL (2017). Banco de Dados – Rádio. Disponível em < https://brazil.mom-rsf.org/br/midia/radio/> Acesso em: 02 jun. 2019.

ORTRIWANO, G. S. A Informação no rádio: os grupos de poder e a determinação dos conteúdos. São Paulo: Summus, 1985.

PERUZZO, C. M. K.; & VOLPATO, M. O. (2010). Rádio comunitária e liberdade de expressão no Brasil. Quito: Editorial Quipus – Ciespal. Chasqui – Revista Latinoamericana de Comunicación, v. 109, p. 39-43.

PNUD - PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (2010). Ranking IDHM Municípios, 2010. Disponível em <http://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/idh0/rankings/idhm-municipios-2010.html>. Acesso em: 02 jun. 2019.

SECOM, Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República. Pesquisa brasileira de mídia 2016: hábitos de consumo de mídia pela população brasileira. Brasília: SECOM, 2016.

SILVA, J. D. (2015) Rádio e Desenvolvimentismo em Zita de Andrade Lima. XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Intercom. Rio de Janeiro. Disponível em <http://portalintercom.org.br/anais/nacional2015/resumos/R10-1229-2.pdf>. Acesso em: 02 jun. 2019.

TAVARES, R. C. (1997). Histórias que o rádio não contou: do galena ao digital, desvendando a radiodifusão no Brasil e no Mundo. São Paulo: Negócio Editora.

TRIGUEIRO, O. M (2009). Uma experiência metodológica de pesquisa: audiência da TV numa cidade urbana. Culturas Midiáticas. Vol. II, n. 1. Disponível em <https://periodicos.ufpb.br/index.php/cm/article/view/11686>. Acesso em: 02 jun. 2019.

Publicado
2020-01-03
Como Citar
Galvão Júnior, L., Carniello, M., & Lage, M. J. (2020). Registro de audiência em rádio comunitária. Revista Alterjor, 21(1), 65-82. https://doi.org/10.11606/issn.2176-1507.v21i1p65-82