Youtubers indígenas no Brasil: abordagens políticas e comunicativas

Autores

  • Rose Mara Vidal de Souza Universidade Federal do Espírito Santo
  • Mônica Panis Kaseker Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-1507.v22i2p298-316

Palavras-chave:

Ativismo midiático, Identidade Indígena, YouTube, Youtubers

Resumo

Os povos indígenas passaram a utilizar os meios de comunicação digitais como ferramentas de afirmação de suas identidades, de resistência e de posicionamento político. Este artigo apresenta uma discussão sobre o ativismo indígena no YouTube. Do ponto de vista metodológico, o estudo tem por base a pesquisa bibliográfica e exploratória. O referencial teórico perpassa por Hall, Bauman e Eagleton sobre a questão das identidades culturais e Araújo, Di Felice e Braighi  sobre os conceitos de ciberativismo, net-ativismo e midiativismo. Foram realizados um mapeamento da presença indígena no You Tube e uma análise dos canais dos  youtubers indígenas Ysani Kalapalo e Cristian Wariu. Com posicionamentos políticos e abordagens comunicativas totalmente diversas, os dois youtubers surgem como importantes influenciadores digitais no Brasil contemporâneo

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rose Mara Vidal de Souza, Universidade Federal do Espírito Santo

Pós-doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Estadual de Londrina. Doutora e Mestre  em  Comunicação  Social pela  Universidade  Metodista  de  São  Paulo  (Umesp).  MBA  em  Marketing  Político. Bacharel  em  Jornalismo.  Docente  Permanente  do Programa  de Pós-Graduação  em  Gestão  Pública  (PGGP/Ufes). 

Mônica Panis Kaseker, Universidade Estadual de Londrina

Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), com estágio doutoral na UAM-X na Cidade do México, graduada em Comunicação Social-Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Docente  do  Programa  de  Pós-Graduação  em  Comunicação  da  Universidade  Estadual  de  Londrina  (UEL). 

Referências

ARAÚJO, W. F. ; FREITAS, E. C. (2012), “Quanto custa mudar o mundo?’ Análise da dimensão discursiva do ciberativismo na WikiLeaks”, Fronteiras –Estudos Midiáticos, 14 (2), pp. 110-120. DOI: 10.4013/fem.2012.142.05.

BAUMAN, Zygmunt. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

BRINGEL, B.e E. E. MUÑOZ (2010), “Dez anos de Seattle. O movimento antiglobalização e a ação coletiva transnacional”, Ciências Sociais Unisinos, 46 (1), pp. 28-36. DOI: 10.4013/csu.2010.46.1.04.

BURGESS, Jean; GREEN, Joshua. YouTube e a revolução digital: Como o maior fenômeno da cultura participativa está transformando a mídia e a sociedade. São Paulo: Aleph, 2009. 239 p. Tradução Ricardo Giassetti.

BRAIGHI, Antônio Augusto.Midiativismo em análise: contribuições de uma pesquisa de doutorado. Revista Mídia e Cotidiano.Volume 12, Número 1, abril de 2018. p.42-59.

BRAIGHI, Antônio Augusto; CÂMARA, Marco Túlio. O que é Midiativismo? Uma proposta conceitual. In: BRAIGHI, Antônio Augusto; LESSA, Cláudio; CÂMARA, Marco Túlio (orgs.). Interfaces do Midiativismo: do conceito à prática.CEFET-MG: Belo Horizonte, 2018. p. 25-42.

CANEVACCI, Massimo. Autorrepresentação: movimentar epistemologias no contexto da cultura digital e da metrópole comunicacional. Revista Novos Olhares, v. 4, n.1, p. 16-20, 2015 Disponível em: http://www.revistas.usp.br/novosolhares/article/view/102237. Acesso em: 28 abr. 2020.

CASTELLS, Manuel. Comunicación y poder. Ed. Alianza Editorial, 2009. 680 pág.

DI FELICE, Massimo. Net-ativismo. São Paulo: Editora Paulus, 2017.

EAGLETON, Terry. A idéia de Cultura.São Paulo: Editora Unesp, 2005.

LEMOS, Vinícius. Jovem Xavante cria canal no YouTube para combater preconceito: ‘Pensam que deixo de ser indígena por usar smartphone’. In BBC. Disponível em https://www.bbc.com/portuguese/brasil-46427800. Acesso em 11 de mar. De 2020.

MIX, Miguel Rojas. El imaginario.Civilización y cultura del siglo XXI. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2006.

VEGH, Sandor. Classifying forms of online activism: the case of cyberprotests against the World Bank. In: MCCAUGHEY, M., AYERS, M.D. (ed.). Cyberactivism:online activism in theory and practice. London: Routledge, 2003.

SILVEIRA, Sérgio Amadeu. Ciberativismo, cultura hacker e o individualismo colaborativo. Disponível em http://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/13811. Acesso em 28 de abr. 2020.

UGARTE, D. de (2008), O poder das redes: manual ilustrado para pessoas, organizações e empresas, chamadas a praticar o ciberativismo, Porto Alegre, EDIPUCRS.

Downloads

Publicado

2020-07-15

Como Citar

Souza, R. M. V. de, & Kaseker, M. P. (2020). Youtubers indígenas no Brasil: abordagens políticas e comunicativas. Revista Alterjor, 22(2), 298-316. https://doi.org/10.11606/issn.2176-1507.v22i2p298-316