Embates entre contracultura e socialismo: disputas simbólicas na imprensa alternativa brasileira durante a ditadura militar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-1507.v26i2p123-137

Palavras-chave:

Historia da Midia Alternativa, Campo Jornalístico, Ditadura Militar Brasileira

Resumo

O artigo tem por objetivo tecer algumas reflexões sobre as disputas simbólicas entre as diferentes frações das esquerdas no lócus da imprensa alternativa brasileira durante a ditadura militar (1964-1985). Do ponto de vista teórico, a pesquisa se ampara na discussão histórica sobre imprensa alternativa e a sua relação com as esquerdas do período. Na vertente metodológica, busca-se, a partir da divisão categórica de Kucinski (2018), entre jornais existenciais e jornais políticos, compreender como essa ramificação no subcampo da imprensa alternativa manifestou-se nos depoimentos de jornalistas resistentes à ditadura. Empiricamente, apreende-se que o tensionamento em questão, influenciado por movimentos político-culturais mais amplos, foi responsável por condicionar aspectos profissionais, organizacionais e políticos dos periódicos alternativos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leopoldo Pedro Neto, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina (PPGJor/UFSC)

Referências

BERGER, Christa. Campos em confronto: a terra e o texto. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 1998.

BOURDIEU, Pierre. Coisas Ditas. São Paulo: Brasiliense, 2015.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 12.ed. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 2009.

BOURDIEU, Pierre. Outline of a theory of practice. Cambridge: Cambridge University Press, 1977.BOURDIEU, Pierre. Questões de Sociologia. Petrópolis: Editora Vozes, 2019.

CARDOSO DE MELLO, João Manuel, NOVAIS, Fernando A. Capitalismo tardio e sociabilidade moderna. In: SCHWARCZ, Lilia Moritz (Org.). História da vida privada no Brasil: contrastes da intimidade contemporânea. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

GORENDER, Jacob. Combate nas trevas. 5. ed. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo; Expressão Popular, 2014.

KUCINSKI, Bernardo. Jornalistas e revolucionários: no tempo da imprensa alternativa. São Paulo: Scritta, 2018.

LAGO, Cláudia. Pierre Bourdieu e algumas lições para o Campo da Comunicação. In: Intexto, Porto Alegre, n. 34, p. 728-744, 2015.

LAGO, Cláudia. O romantismo morreu? Viva o romantismo!: Ethos romântico no jornalismo. 2003.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

LOPES, Maria Immacolata Vassalo. Pesquisa em comunicação. São Paulo: Edições Loyola, 1997.

MACIEL, Luiz Carlos. Geração em Transe: Memórias do Tempo do Tropicalismo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1996.

MARX, Karl. Os Pensadores: Marx. São Paulo: Editora Nova Cultural, 1996.

NAPOLITANO, Marcos. A resistência cultural durante o regime militar brasileiro: Um novo olhar historiográfico. In: Ditaduras militares: Brasil, Argentina, Chile e Uruguai. (Org). Belo Horizonte: Editora UFMG, 2015.

NAPOLITANO, Marcos. 1964: História do Regime Militar Brasileiro. São Paulo: Editora Contexto, 2018, 365p.

ORTIZ, Renato. A moderna tradição brasileira. São Paulo: Brasiliense, 2001.

VENTURA, Zuenir. 1968: o ano que não terminou. 2.ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2018.

Arquivo oral (Resistir é Preciso/Instituto Vladimir Herzog)

BARROS FILHO, Omar de. Omar “Matico”. [Entrevista concedida a] Ricardo Carvalho. Instituto Vladimir Herzog, São Paulo, 2010.

KEHL, Maria Rita. Maria Rita Kehl. [Entrevista concedida a] Ricardo Carvalho. Instituto Vladimir Herzog, São Paulo, 2010.

Downloads

Publicado

2022-07-24

Como Citar

Pedro Neto, L. (2022). Embates entre contracultura e socialismo: disputas simbólicas na imprensa alternativa brasileira durante a ditadura militar. Revista Alterjor, 26(2), 123-137. https://doi.org/10.11606/issn.2176-1507.v26i2p123-137