De uma "cientificidade difusa": o coronel e as práticas colecionistas do Museu Sertório na São Paulo em fins do século XIX

Autores

  • Paula Carvalho Universidade Federal de São Paulo; EFLCH

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02672015v23n0207

Resumo

Este artigo pretende examinar as práticas colecionistas realizadas em torno do Museu Sertório, uma coleção particular que veio a constituir o primeiro núcleo do acervo do Museu Paulista. Para tanto, serão apresentados alguns dados biográficos inéditos sobre o proprietário do Museu, o coronel Joaquim Sertório, bem como aspectos da organização das coleções, buscando, assim, refletir sobre o suposto amadorismo de Sertório no campo das ciências, uma vez que a abertura do acervo à visitação pública estava associada à intenção de vincular o museu a fins educativos. Procura-se, igualmente, traçar um paralelo entre a trajetória do Museu Sertório com a do Ashmolean Museum of Art and Archaelogy da Universidade de Oxford, Inglaterra, a fim de melhor compreender a sua inserção na São Paulo de fins do século XIX.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Downloads

Publicado

2015-12-01

Edição

Seção

Museus

Como Citar

CARVALHO, Paula. De uma "cientificidade difusa": o coronel e as práticas colecionistas do Museu Sertório na São Paulo em fins do século XIX. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, São Paulo, v. 23, n. 2, p. 189–210, 2015. DOI: 10.1590/1982-02672015v23n0207. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/anaismp/article/view/109638.. Acesso em: 19 jun. 2024.