Das caixas da casa colonial às arcas do Museu Paulista

Autores

  • Maria Aparecida de Menezes Borrego Universidade de São Paulo; Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas; Programa de Pós-graduação em História Social

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02672017v25n0108

Palavras-chave:

Fontes, Móveis, Espaço doméstico, Colônia, Museu

Resumo

A partir de uma pesquisa desenvolvida no Museu Paulista da Universidade de São Paulo sobre o espaço doméstico e a cultura material em São Paulo colonial, buscaremos problematizar o ofício do historiador ao lidar com documentos de natureza diversa. Comentaremos como se estabeleceu e se conformou, ao longo do trabalho, um diálogo crítico entre as fontes tridimensionais - as peças do acervo - e as fontes textuais produzidas no contexto de origem dos artefatos domésticos - sobretudo inventários. Com base na catalogação de acervo, pretendemos discutir situações de aproximação e incompatibilidade colocadas, muitas vezes, entre os termos utilizados pelos coevos para designar determinadas peças de mobiliário nos séculos XVIII e XIX e a classificação das peças em instituições museológicas. Para tanto, jogaremos luzes sobre caixas e arcas, pois esses móveis de conter e de guardar eram onipresentes nas casas setecentistas do império português.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-04-01

Como Citar

Borrego, M. A. de M. (2017). Das caixas da casa colonial às arcas do Museu Paulista. Anais Do Museu Paulista: História E Cultura Material, 25(1), 199-225. https://doi.org/10.1590/1982-02672017v25n0108

Edição

Seção

Estudos de Cultura Material/Dossiê