Permanência e diversidade: valores modernos nos jardins de Burle Marx

Autores

  • Vera Beatriz Siqueira Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02672017v25n0303

Palavras-chave:

Burle Marx, Jardins, Modernismo brasileiro, Neoclassicismo, Ecletismo

Resumo

O presente artigo trata de compreender como a modernidade dos jardins de Roberto Burle Marx se forma por meio do recurso a estratégias que poderiam ser qualificadas como conservadoras ou mesmo regressivas caso fossem analisadas a partir da tradicional perspectiva da história do modernismo brasileiro. A análise de um de seus procedimentos formais peculiares - o uso de elementos arquitetônicos adquiridos em demolições na composição dos seus jardins -, em conexão com sua prática de colecionador de plantas e de arte, deve servir à construção de novos instrumentos críticos de abordagem de sua obra paisagística.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Vera Beatriz Siqueira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro
    Professora associada da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e pesquisadora do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). E-mail: verabcsiq@gmail.com

Referências

Bardi, Pietro Maria. The tropical gardens of Burle Marx. Rio de Janeiro: Colibris Editora, 1964.

BRITO, Ronaldo. O jeitinho moderno brasileiro. Gávea, Rio de Janeiro, n. 10, 1993.

Burle Marx, Roberto. Jardins e parques de Recife. Diário da Tarde, Belo Horizonte, 14 de março de 1935.

______. Como projetar jardim no planalto. Tribuna da Imprensa, Rio de Janeiro, 7 de junho de 1954.

______. Os jardins do Museu. Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: MAM, 1959. Catálogo.

CANDIDO, Antônio. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos, 1750-1880, 11ª ed.. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2007. Cardozo, Joaquim. Dois episódios na história da arquitetura moderna brasileira. Vitruvius, [s.n.t.]. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2016.

CHUVA, Márcia; LAVINAS, Laís Villela. O Programa de Cidades Históricas (PCH) no âmbito das políticas culturais dos anos 1970: cultura, planejamento e nacional desenvolvimentismo. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 24, n. 1, p. 75-98, abril/2016. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/1982-02672016v24n0103>. Acesso em: 4 dez. 2016.

FISCHER, Luís Augusto. Reféns da modernistolatria. Piauí, São Paulo: Alvinegra, n. 80, maio/2013. Disponível em: <http://piaui.folha.uol.com.br/materia/refens-da-modernistolatria>. Acesso em: 26 out. 2016.

FREYRE, Gilberto. Interpretação do Brasil: aspectos da formação social brasileira como processo de amalgamento de raças e culturas. Organização e notas de Omar Ribeiro Thomaz. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

______. Nordeste: aspectos da influência da canna sobre a vida e a paizagem do Nordeste do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1937.

MAIA, Tatyana de Amaral. Os intelectuais no Ministério da Educação e Cultura em tempos autoritários (1966-1982). In: REIS, Daniel Aarão; SILVEIRA, Diego Omar da; LEITE, Isabel Cristina; CORDEIRO, Janaína Martins (Org.) À sombra das ditaduras: Brasil e América Latina. Rio de Janeiro: Mauad X, 2014. E-book.

MELO, Mário. Jornal Pequeno, Recife, 3 de março de 1936.

MIGUEL-PEREIRA, Lucia. História da literatura brasileira. Prosa e Ficção: de 1870 a 1920. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1973.

MOIMAS, Valentina. Arquitetura Moderna no Brasil. Uma história em processo de escritura. Arquitextos, São Paulo, ano 14, n. 168.00, Vitruvius, maio 2014. Disponível em: <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/14.168/5217>. Acesso em: 28 maio 2017.

OLIVEIRA, Ricardo de. Euclides da Cunha, Os Sertões e a invenção de um Brasil profundo. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 22, n. 44, p. 511-537, 2002.

PEDROSA, Mário. O paisagista Burle Marx. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 10 de janeiro de 1958.

PEREIRA, Julia Wagner. O tombamento: de instrumento a processo na construção de narrativas da nação. Rio de Janeiro, 2009. Dissertação (Mestrado em Museologia e Patrimônio) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro; Mast.

PUPPI, Marcelo. Por uma história da arquitetura acadêmica no Brasil. Semina: Ciências Exatas e Tecnológicas, Londrina, vol. 16, n. 4, p. 558-562, dez. 1995.

RIBEIRO, Ana Rita Sá; SILVA, Aline Figueiredo; MAFRA, Fátima. A paisagem do sertão no jardim de Burle Marx. Olinda: Centro de Estudos Avançados da Conservação Integrada, 2007. (Texto para Discussão. Série Identificação do Patrimônio Cultural).

SIQUEIRA, Vera Beatriz. Sítio Santo Antonio da Bica: as coleções de Roberto Burle Marx. MODOS, Campinas, v. 1, n. 1, p. 90-112, jan. 2017. Disponível em: <http://www.publionline.iar.unicamp.br/index.php/mod/article/view/731/691>. Acesso em: 29 maio 2017.

Publicado

2017-09-01

Edição

Seção

Estudos de Cultura Material/Dossiê

Como Citar

SIQUEIRA, Vera Beatriz. Permanência e diversidade: valores modernos nos jardins de Burle Marx. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, São Paulo, v. 25, n. 3, p. 83–102, 2017. DOI: 10.1590/1982-02672017v25n0303. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/anaismp/article/view/146194.. Acesso em: 18 maio. 2024.