Uma corte colonial

arquitetura, mobiliário, ornamentos e utensílios do Palácio Velho de Ouro Preto (1721-1735)

Palavras-chave: Palácio, Corte colonial, Minas Gerais.

Resumo

Este artigo analisou a arquitetura, os ornamentos e utensílios presentes no Palácio Velho, primeira casa de governadores instalada em Vila Rica e prédio que serviu por residência oficial dos capitães-generais dom Lourenço de Almeida (1721-1732) e Conde das Galvêas. Avaliou-se também a casa que abrigou a morada do capitão-mor de Vila Rica Henrique Lopes de Araújo, anfitrião e benfeitor, residente em prédio vizinho e integrado ao palácio. Demonstra-se que, apesar de vir a transformar-se num espaço cortesão, adaptado às exigências da casa nobre ou senhorial, o Palácio Velho manteve compromissos específicos com a realidade colonial, manifestados, por exemplo, na presença marcante da escravidão, que viria a determinar, aliás, o futuro daquela propriedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tarcísio de Souza Gaspar, Instituto Federal do Sul de Minas Gerais / Muzambinho, MG, Brasil

Professor de História do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais, Campus Muzambinho. Mestre em História pela Universidade Federal Fluminense e doutor em História Social pela Universidade de São Paulo.

Publicado
2019-10-01
Como Citar
Gaspar, T. (2019). Uma corte colonial. Anais Do Museu Paulista: História E Cultura Material, 27, 1-42. https://doi.org/10.1590/1982-02672019v27e12
Seção
Estudos de Cultura Material