Encruzilhadas museológicas

ressonâncias da presença/ausência de Exu no Museu Afro-Brasileiro de Sergipe

Palavras-chave: Antropologia, Museus Afro, Acervo Afrorreligioso, Exu

Resumo

O artigo analisa algumas configurações no campo da Antropologia dos Museus, tendo como estudo de caso os usos e as apropriações dos acervos afrorreligiosos existentes no Museu Afro-Brasileiro de Sergipe, em Laranjeiras, SE. A partir de narrativas sobre o contexto da criação do museu, dos dados sobre a formação da Sala de Exu e da análise dos conflitos em torno da representação e da musealização de elementos que evocam a presença e a ausência do orixá Exu na exposição museológica, demonstra múltiplas estratégias da produção de “sagrados” em contextos e instituições seculares. Do mesmo modo, evidencia as ressonâncias presentes nos deslocamentos de bens afrorreligiosos e os conflitos em torno das políticas de (auto) representação materializadas em ações de musealização e de patrimonialização das diferenças culturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clovis Carvalho Britto, Universidade de Brasília

Professor na Faculdade de Ciência da Informação da Universidade de Brasília (UnB) e no Programa de Pós-Graduação em Museologia da Universidade Federal da Bahia. Doutor em Sociologia pela UnB.

Fernando José Ferreira Aguiar, Universidade Federal de Sergipe

Professor adjunto e vice-chefe do Departamento de Museologia da Universidade Federal de Sergipe (UFS), professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Arqueologia (PROARQ/ UFS) e do Programa Interdisciplinar em Culturas Populares (PPGCULT/UFS). Doutor em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação pela mesma universidade

Janaína Couvo Teixeira Maia de Aguiar, Universidade Federal de Sergipe

Professora de História e Arte da Secretaria Estadual de Educação de Sergipe e Professora Substituta do Curso de Museologia da UFS. Doutoranda em Museologia pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (ULHT).

 

Referências

Fontes impressas

COMPROMISSO de Brasília. I.º Encontro dos Governadores de Estado, Secretários Estaduais
da Área Cultural, Prefeitos de Municípios Interessados, Presidentes e Representações de
Instituições Culturais. Brasília, abril de 1970.

Gazeta de Sergipe, Aracaju, 1975, p. 6. Acervo do Instituto Histórico e Geográfico de
Sergipe, Aracaju.

Jornal dos Sports, Rio de Janeiro, 29 maio 1977, p. 6. Acervo da Biblioteca Nacional, Rio de
Janeiro.

NOVO Terreiro de Nanã será inaugurado hoje. Gazeta de Sergipe, Aracaju, 23 out. 1971, p. 1.
Acervo do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, Aracaju.

Livros, artigos e teses

ABREU, Regina. Tal Antropologia, qual museu? Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia,
São Paulo, Suplemento 7, p. 121-143, 2008.

AGUIAR, Janaína Couvo Teixeira Maia de. Brincadeiras de Santo: uma contribuição à história
dos antigos cultos afro-brasileiros em Aracaju-SE (1920-1960). 2008. Trabalho de Conclusão
de Curso (Bacharelado em História), Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2008.

ANDRADE, Créscia Cristina Dantas de. Catálogo de peças do Museu Afro-Brasileiro de Sergipe.
2005. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em História), Universidade Federal de
Sergipe, São Cristóvão, 2005.

ASSUNÇÃO, Luiz. A transgressão no religioso: Exus e mestres nos rituais da Umbanda.
Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 21, n. 1, 2010.

AZEVEDO, Paulo Ormindo David de. Renato Soeiro e a institucionalização do setor cultural
no Brasil. In: AZEVEDO, Paulo Ormindo David de; CORRÊA. Elyane Lins (Orgs.). Estado e
Sociedade na Preservação do Patrimônio. Salvador: EDUFBA; IAB-BA, 2013.

BENISTE, José. Òrun-Àiyé: o encontro de dois mundos: sistema de relacionamento nagô-yorubá
entre o céu e a terra. 5ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

BRASIL/IPHAN. Anais do II Encontro de Governadores para Preservação do Patrimônio Histórico,
Artístico, Arqueológico e Natural do Brasil. Salvador, Bahia, de 23 a 29 de outubro de 1971.

BRASIL. Sítios Históricos e Conjuntos Urbanos de Monumentos Nacionais. Volume 1 – Norte,
Nordeste e Centro-Oeste. Cadernos Técnicos do Programa Monumenta Brasília: Ministério da
Cultura, 2005.

BRULON, Bruno. Passagens da Museologia: a musealização como caminho. Museologia e
Patrimônio, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, 2018.

CHAGAS, Mario. A imaginação museal: Museu, memória e poder em Gustavo Barroso, Gilberto
Freyre e Darcy Ribeiro. Rio de Janeiro: MinC/IBRAM, 2009.

CLIFFORD, James. Museus como Zonas de Contacto. In: GREEN, R. (Org.). Negociações na
Zona de Contacto. Lisboa: Assírio & Alvim, 2003.

CORRÊA, Alexandre Fernandes. Museu Mefistofélico: a Coleção Museu de Magia Negra do Rio
de Janeiro e o significado cultural do primeiro tombamento etnográfico do Brasil, em 1938.
Ensaio de Pós-Doutorado. Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2006.

CORREA, Sandra Magalhães. O Programa de Cidades Históricas: por uma política integrada
de preservação do patrimônio cultural urbano. Anais do Museu Paulista: História e Cultura
Material, n. 24, p. 15-58, 2016.

CUNHA, Marcelo Nascimento Bernardo da. Teatro de memórias, palco de esquecimentos: culturas
africanas e das diásporas negras em exposições. 2006. Tese (Doutorado em História), Pontifícia
Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2006.

DANTAS, Beatriz Góis. Bráulio Nascimento, presença em Sergipe. Instituto Histórico e
Geográfico de Sergipe, Aracaju, 30 set. 2016. Disponível em: . Acesso
em 15 jan. 2018.

DANTAS, Beatriz Góis. O Encontro Cultural de Laranjeiras segundo uma observadora
participante. Revista Geonordeste, São Cristóvão, SE, n. 2, p. 100-114, ago./dez. 2015.

DANTAS, Beatriz Góis. Tambores silenciosos: a saga dos objetos de terreiros no acervo do
IHGSE. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, Aracaju, n. 44, p. 21-50, 2014.

DANTAS. Beatriz Góis. Vovó nagô e papai branco: usos e abusos da África no Brasil. Rio de
Janeiro: Graal, 1988.

DOUGLAS, Mary. Pureza e perigo. São Paulo: Perspectiva, 2010.

FREITAS, Joseania Miranda; CUNHA, Marcelo Nascimento Bernardo da. Reflexões sobre a
exposição temporária do MAFRO-UFBA – Exu: outras faces. Museologia e Patrimônio, Rio de
Janeiro, v. 4, n. 1, 2014.

GARCEZ, José Augusto. Realidade e destino dos museus. Aracaju: Livraria Regina, 1958.

GIDDENS, Anthony. A constituição da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. O mal-estar no patrimônio: identidade, tempo e
destruição. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 28, n. 55, p. 211-228, jan-jun. 2015.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Antropologia dos objetos: coleções, museus e patrimônios.
Rio de Janeiro: Departamento de Museus e Centros Culturais, 2007.

HERBELE, Fernanda. Entre a imagem afrorreligiosa e monumento público: reflexões sobre
sagrado e modernidade. In: TAVARES, F.; GIUMBELLI, E. (Orgs.). Religiões e temas de pesquisa
contemporâneos: diálogos antropológicos. Salvador: EDUFBA; ABA, 2015.

LIMA Maria Batista. Mussuca - Laranjeiras, lugar de preto mais preto: cultura e educação nos
territórios de predominância afrodescendente sergipanos. 2001. Dissertação (Mestrado em
Educação), Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2001.

LOPES, Maria Aparecida de Oliveira. Museu Afro Brasil: ampliando e preservando os bens
materiais e imateriais da cultura afro-brasileira. Patrimônio e Memória, Assis-SP, v. 4, n. 1, 2008.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Etnografia como prática e experiência. Horizontes
Antropológicos, Porto Alegre, v. 15, n. 32, p. 129-156, 2009.

PRANDI, Reginaldo. Exu, de mensageiro a diabo: sincretismo católico e demonização do orixá
Exu. Revista USP, São Paulo, n. 50, p. 46-63, jun.-ago. 2001

SANDES, Juipurema A. Sarraf. O Museu Afro-Brasileiro da Universidade Federal da Bahia e
sua coleção de cultura material religiosa afro-brasileira. 2010. Dissertação (Mestrado em
Estudos Étnicos e Africanos), Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2010.

SANSI-ROCA, Roger. De armas do fetichismo a patrimônio cultural: as transformações do valor
museográfico do Candomblé em Salvador da Bahia no século XX. In: ABREU, Regina; CHAGAS,
Mario de Souza; SANTOS, Myrian Sepúlveda dos (Orgs.). Museus, coleções e patrimônios:
narrativas polifônicas. Rio de Janeiro: Garamond/IPHAN, 2007.

SANT’ANNA, Márcia. Da cidade-monumento à cidade documento: a norma de preservação de
áreas urbanas no Brasil. Salvador: IPHAN/Oiti Editora, 2015.

SANTOS, Jislaine dos. A casa antiga que depende do negro e de sua história: Amintas Vieira
Souza como “guardião da memória” do Museu Afro-Brasileiro de Sergipe. 2016. Trabalho de
Conclusão de Curso (Bacharelado em Museologia), Universidade Federal de Sergipe,
Laranjeiras, 2016.

SANTOS, Juana Elbein dos. Os Nàgô e a Morte: Pàde, Àsèsè e o culto Ègun na Bahia. 3ª ed.
Petrópolis: Vozes, 1984.

SILVA, Vagner Gonçalves da. Exu do Brasil - Tropos de uma identidade afro-brasileira nos
trópicos. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 55, n. 2, jul. 2013.

TAMASO, Izabela. Em nome do patrimônio: representações e apropriações da cultura na cidade
de Goiás. 2007. Tese (Doutorado em Antropologia), Universidade de Brasília. Brasília, 2007.

Site

AGUIAR, Fernando José Ferreira. Perguntar não ofende: cadê o Esu do Museu Afro-Brasileiro
de Sergipe, em Laranjeiras?. Disponível em: . Acesso em: 3 out. 2019.

Entrevista

RAMOS, Izaura Júlia de Oliveira. [Entrevista cedida, s. n.]. [s. l.], 12 abr. 2001.
Publicado
2019-10-16
Como Citar
Britto, C., Aguiar, F. J., & Aguiar, J. (2019). Encruzilhadas museológicas. Anais Do Museu Paulista: História E Cultura Material, 27, 1-29. https://doi.org/10.1590/1982-02672019v27e20
Seção
Museus