Ser e parecer: indumentária e hierarquia social na sátira de frei Lucas de Santa Catarina, Portugal, século XVIII

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02672021v29e21

Palavras-chave:

Cultura Material, Aparência, Hierarquia Social

Resumo

A partir da perspectiva analítica da cultura material investigaremos a valorização das aparências na sociedade portuguesa da primeira metade do século XVIII, examinando representações do vestir e do aparentar na literatura de cordel produzida por frei Lucas de Santa Catarina. Trata-se de observar alguns aspectos das relações entre aparências e
comportamentos na construção de uma sátira que visava criticar a falta de correspondência entre ser e parecer, num contexto em que a mobilidade social despontava em diversos setores. Tais textos fornecem ao historiador um amplo quadro no qual indumentária e comportamentos são descritos de maneira imbricada nas rotinas cotidianas. A partir dessas descrições, observaremos os conjuntos de artefatos necessários ao cuidado da imagem a ser apresentada no meio social, analisando seus usos e a percepção deles transcritos nas fontes selecionadas. Assim, refletiremos sobre alguns dos embates acerca das vestimentas e das modas, que se fundamentavam na contestação da ascensão social e no esforço de conter um amplo processo
de mudança que marcava a sociedade portuguesa do período.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Luciana da Silva

    Graduada em História pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Mestra e doutora em História pela Unicamp, na área de política, cultura e memória. E-mail: lucipdg@gmail.com

Referências

FONTES IMPRESSAS

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez & latino: aulico, anatomico, architectonico… Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesu, 1712-1728. 8 v.

DISCURSO sobre as palavras do serolico berolico, quem te deu tamanho bico? In: Anatômico jocoso, que em diversas operações manifesta a ruindade do corpo humano, para a emenda do vicioso; Consta de várias obras em proza, que muitos copiaram pela grande estimação, e aplauso tributado por todo este Reino; as quais se expõem ao público para divertimento dos curiosos, e desejosos de ouvirem as Obras de tão famigerado autor. Pelo Padre Fr. Francisco Rey de Abreu Matta Zeferino. Tomo Primeiro. Lisboa: Na Oficina do Doutor Manoel Alvarez Solano, 1755. v. 1, p. 131-144.

ELOGIO do M. Tremendo Padre Mestre D. Relógio de Aragão, Conego extravagante das portas adentro detrás de S. Vicente de fora, junto a Santa Clara, à vista de Santa Monica, Presidente de uma Mesa de Piques, Provedor de odres, Provisor das adegas, Lente de Prima de uma Cadeira de espaldas, etc. In: Anatômico jocoso, que em diversas operações manifesta a ruindade do corpo humano, para a emenda do vicioso; Consta de várias obras em proza, que muitos copiaram pela grande estimação, e aplauso tributado por todo este Reino; as quais se expõem ao público para divertimento dos curiosos, e desejosos de ouvirem as Obras de tão famigerado autor. Pelo Padre Fr. Francisco Rey de Abreu Matta Zeferino. Tomo Primeiro. Lisboa: Na Oficina do Doutor Manoel Alvarez Solano, 1755. v. 1, p. 39-44.

SILVA, Antonio Moraes. Diccionario da lingua portuguesa: recompilado dos vocabularios impressos ate agora, e nesta segunda edição novamente emendado e muito acrescentado, por Antonio de Moraes Silva. Lisboa: Typographia Lacerdina, 1813. 2 v.

TURINA COTIDIANA e regra de viver para todo fiel faceira: Composta pelo Licenciado Nada Lhe Escapa, graduado em murmurações. Dirigida ao muy alto, e turinado senhor Fulano de Tal, Propagador das modas, Inventor das Turinas, Conservador das Faceiras, Espadachim dos quitós, Perna quebrada das bengalas, Rémora dos vestidos, Sanguessuga dos jantares, Carrapato de Lisboa, Cotidiana estaca dos Lausperenes, e Namorador extraordinário destes Reinos. Ano Presente. In: Anatômico jocoso, que em diversas operações manifesta a ruindade do corpo humano, para a emenda do vicioso; Consta de várias obras em proza, que muitos copiaram pela grande estimação, e aplauso tributado por todo este Reino; as quais se expõem ao público para divertimento dos curiosos, e desejosos de ouvirem as Obras de tão famigerado autor. Pelo Padre Fr. Francisco Rey de Abreu Matta Zeferino. Tomo Primeiro. Lisboa: Na Oficina do Doutor

Manoel Alvarez Solano, 1755. v. 1, p. 1-22.

TURINA FÊMEA. Universal disposição para o trato Feminino, e mulheril adorno. Dedicada ao senhor D. Toucador, Mestre dos Gabinetes, Olhador dos Espelhos, Compositor dos adornos, Vigilante Reparador dos concertos, Embaixador dos laços, e Penteador dos topetes mundanos. Autor: O doutor que Tudo Espreita. Ano Presente. In: Anatômico jocoso, que em diversas operações manifesta a ruindade do corpo humano, para a emenda do vicioso; Consta de várias

obras em proza, que muitos copiaram pela grande estimação, e aplauso tributado por todo este Reino; as quais se expõem ao público para divertimento dos curiosos, e desejosos de ouvirem as Obras de tão famigerado autor. Pelo Padre Fr. Francisco Rey de Abreu Matta Zeferino. Tomo Primeiro. Lisboa: Na Oficina do Doutor Manoel Alvarez Solano, 1755. v. 1, p. 67-89.

LIVROS, ARTIGOS E TESES

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2009.

BOURDIEU, Pierre. Capital simbólico e classes sociais. Novos estudos CEBRAP, São Paulo, n. 96, p. 105-115, 2013. Doi: <https://doi.org/10.1590/S0101-33002013000200008>.

BRAGA, Isabel M. R. Mendes Drumond. O vestuário e a casa dos mercadores portugueses seiscentistas: simplicidade ou luxo? Semata, Santiago de Compostela, v. 21, p. 141-165, 2009.

BRAGA, Isabel M. R. Mendes Drumond. Das tendas dos mercadores têxteis portugueses: inquisição e cultura material nos séculos XVII e XVIII. Librosdelacorte.es, Madrid, v. 6, p. 185-211, 2017. Disponível em: <https://bit.ly/3e0H55B>. Acesso em: 28 set. 2020. Doi: <https://doi.org/10.15366/ldc2017.9.m6.009>.

CABETE, Susana Margarida Carvalheiro. A narrativa de viagem em Portugal no século XIX: alteridade e identidade nacional. 2010. Tese (Doutorado em Literatura Comparada) – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2010. Disponível em: <https://bit.ly/3gNfruA>. Acesso em: 5 out. 2020.

CALANCA, Daniela. História social da moda. São Paulo: Editora Senac, 2008.

COSTA, Ana Cecília Machado da. Erudição e utilitas na obra de Frei Lucas de Santa Catarina [1660 – 1740]. 2007. Dissertação (Mestrado em Literaturas Românicas) – Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto, 2007.

DURÃES, Andrea. Grupos intermédios em Portugal (1600-1850): uma aproximação ao vocabulário social. Topoi, Rio de Janeiro, v. 14, n. 27, p. 318-343, 2013. Disponível em: <https://bit.ly/3u4BH6R>. Acesso em: 23 set. 2020. Doi: <https://doi.org/10.1590/2237-101X014027005>.

FIADEIRO, Paula Cristina Neves. Ecos do Galateo: cortesania, comportamento e ética na literatura do Portugal moderno. 2007. Tese (Doutorado em Literatura) – Departamento de Línguas e Cultura, Universidade de Aveiro, Aveiro, 2007.

GIORGI, Arianna. Apariencia y movilidad social: el atuendo español em el siglo XVII. In: HENAJEROS LÓPEZ, Juan Francisco; IRIGOYEN LÓPEZ, Antonio. Escenarios de familia: trayectorias, estrategias y pautas culturales: siglos XVI-XX. Murcia: Editum, 2017. p. 455-461.

HESPANHA, António Manuel. A mobilidade social na sociedade de Antigo Regime. Tempo, Niterói, v. 11, n. 21, p. 121-143, 2006. Doi: <https://doi.org/10.1590/S1413-77042006000200009>.

LARA, Silvia Hunold. Fragmentos setecentistas: escravidão, cultura e poder na América portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

LOPES, Maria Antónia. Mulheres, espaço e sociabilidade: a transformação dos papéis femininos em Portugal à luz de fontes literárias (segunda metade do século XVIII). Lisboa: Livros Horizonte, 1989.

MADUREIRA, Nuno Luís. Ouro e prata: os gestos e os objetos na Lisboa antiga. Ler História, Lisboa, n. 20, p. 39-60, 1990.

MAGALHÂES, Joaquim Romero. Os nobres da governança das terras. In: MONTEIRO, Nuno Gonçalo; CARDIM, Pedro; CUNHA, Mafalda Soares da (orgs.). Optima pars: elites ibero-americanas do Antigo Regime. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2005. p. 65-71.

MENESES, José Newton Coelho. Apresentação. Varia História, Belo Horizonte, v. 27, n. 46, p. 397-414, 2011. Disponível em: <https://bit.ly/3vymrQd>. Acesso em: 8 out. 2020.

MENESES, Ulpiano Toledo Bezerra. A cultura material no estudo das sociedades antigas. Revista de História, São Paulo, n. 115, p. 103-117, 1983. Doi: <https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i115p103-117>.

MENESES, Ulpiano Toledo Bezerra. Apresentação. In: MARTINEZ, Claudia Eliane Parreiras Marques. Riqueza e escravidão: vida material e população no século XIX: Bonfim do Paraopeba, MG. São Paulo: Annablume, 2007. p. 13-16.

MENESES, Ulpiano Toledo Bezerra. Prefácio. In: CARVALHO, Vânia Carneiro de. Gênero e artefato: o sistema doméstico na perspectiva da cultura material: São Paulo, 1870-1920. São Paulo: Edusp, 2008. p. 12.

MILLER, Daniel. Trecos, troços e coisas: estudos antropológicos sobre a cultura material. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

MIRANDA, Tiago C. P. dos Reis; FEITLER, Bruno. Apresentação: hierarquias e mobilidade social no Antigo Regime: os grupos intermédios no mundo português. Revista de História, São Paulo, n. 175, p. 15-22, 2016. Disponível em: <https://bit.ly/2PzH13e>. Acesso em: 20 set. 2018. Doi: <https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2016.124066>.

NOGUEIRA, Carlos. Aspectos da literatura de cordel portuguesa. eHumanista, Santa Bárbara, v. 21, p. 195-222, 2012.

NORTON, Marta Pinha Neves Salazar. Espelho de vaidades: o peralta e a moda na literatura de cordel portuguesa, 1781-1789. 2000. Dissertação (Mestrado em Estudos Portugueses e Brasileiros) – Universidade do Porto, Porto, 2000.

PEDREIRA, Jorge Miguel Viana. Os homens de negócio da Praça de Lisboa de Pombal ao Vintismo (1755-1822): diferenciação, reprodução e identificação de um grupo social. 1995. Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 1995.

PEÑA DÍAZ, Manuel. La vida cotidiana en el mundo hispánico (siglos XVI-XVIII). Madrid: Abada, 2012.

REVEL, Jacques. Os usos da civilidade. In: ÁRIES, Phillipe; CHARTIER, Roger (orgs.). História da vida privada: volume 3: da Renascença ao século das Luzes. São Paulo, Companhia das Letras, 1991. p. 169-209.

ROCHE, Daniel. A cultura das aparências: uma história da indumentária (séculos XVII-XVIII). São Paulo: Editora Senac, 2007.

SANTOS, Maria José Moutinho dos. O luxo e as modas em textos de cordel da segunda metade do século XVIII. Revista de História, São Paulo, v. 9, p. 137-164, 1989.

SENNETT, Richard. O declínio do homem público: as tiranias da intimidade. Rio de Janeiro: Record, 2014.

SILVA, Luciana da. Aparências e sensibilidades: a indumentaria na Vila do Carmo (Mariana), 1693-1755. 2019. Tese (Doutorado em História) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2019.

SUCENA, Berta de Moura. Corpo, moda e luxo em Portugal no século XVIII. 2007. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade de Lisboa, Lisboa, 2007.

VIGARELLO, Georges. História da beleza. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006.

VIGARELLO, Georges. O limpo e o sujo: a higiene do corpo desde a Idade Média. Lisboa: Editorial Fragmentos, 1996

Downloads

Publicado

2021-05-31

Edição

Seção

Estudos de Cultura Material

Como Citar

SILVA, Luciana da. Ser e parecer: indumentária e hierarquia social na sátira de frei Lucas de Santa Catarina, Portugal, século XVIII. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, São Paulo, v. 29, p. 1–27, 2021. DOI: 10.1590/1982-02672021v29e21. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/anaismp/article/view/176212.. Acesso em: 20 abr. 2024.