Os canhões de Ipanema: tecnologia, indústria, logística e política em 1840

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02672021v29e57

Palavras-chave:

Fábrica de Ferro de Ipanema, Fundições, Canhão, Ferro fundido, João Bloem

Resumo

Este trabalho apresenta informações de documentos inéditos de 1840, com as descrições da fabricação de três canhões, um fato técnico a ser rememorado, pelo ineditismo, pelos desafios técnicos que superou e pelos registros descritivos na Fábrica de Ferro de Ipanema, realizados pelo major João Bloem, o então diretor, e das agruras resultantes da Revolta Liberal. Nesse momento, a expansão da indústria paulista do açúcar coincide com a aplicação de recursos na Fábrica durante a regência Feijó, para suprir a demanda por máquinas e componentes em ferro fundido utilizados na moagem da cana por centenas de engenhos paulistas e mineiros. Não se faziam canhões de ferro no país e as armas foram fundidas, usinadas e submetidas a testes de resistência a disparos com cargas de pólvora. Até o final do século XIX, ocorre uma proliferação de fundições de ferro em muitas cidades brasileiras. Como única produtora da matéria-prima das fundições – o ferro-gusa – a Fábrica de Ipanema produziu ferro e fundiu os canhões, o que demonstra a presença das competências técnica e metalúrgica, relacionadas aos investimentos no período da Regência e à intenção de retomar o projeto militar original da produção de equipamentos bélicos. Essa soma de conhecimentos e habilidades levou o diretor a defender uma proposta de estabelecer uma filial em Juquiá, perto do porto de Iguape, não aceita pelo Ministério da Marinha. Ao apresentar a história desses canhões, este trabalho rememora alguns dos obstáculos que se interpuseram ao sonho de trazer a primeira Revolução Industrial ao Brasil.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Fernando Jose Gomes Landgraf, Universidade de São Paulo

    Graduado em engenharia metalúrgica pelo Centro Universitário da Fundação Educacional Inaciana (FEI). Mestre, doutor e livre-docente em engenharia metalúrgica pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP). É professor titular da Poli-USP. E-mail: f.landgraf@usp.br

  • Adler Homero Fonseca de Castro, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

    Graduado em história pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), mestre em história pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e doutor em história pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Atualmente é pesquisador da Fundação Cultural Exército Brasileiro, pesquisador associado ao Centro de Pesquisa em História do Exército, sócio do Instituto de Geografia e História Militar do Brasil e assistente técnico em pesquisa do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), onde também atua como professor do mestrado profissional. E-mail: ahfc@centroin.com.br

  • Paulo Eduardo Martins Araujo, Universidade Estadual de Campinas

    Graduado em história com complementação em antropologia e sociologia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP), mestre em ciências sociais aplicadas à educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). E-mail: araujo.pem@gmail.com

  • Luciano Bonatti Regalado , Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade

    Graduado em ciências biológicas pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), com os títulos de mestre e doutor em ciências da engenharia ambiental pela Universidade de São Paulo (USP). Exerce atualmente a função de analista ambiental no Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). E-mail: luciano.regalado@icmbio.gov.br

Referências

FONTES MANUSCRITAS

ALBUQUERQUE, Francisco de Paulo Cavalcante de. Ofício a João Bloem. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. Série guerra IG5 18, pasta 1840, 20 set. 1840.

BLOEM, João. Ofício ao Barão de Itapicuru. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. Série guerra IG5 18, pasta 1835, 28 jun. 1835.

BLOEM, João. Carta e Proposta enviadas ao Ministro da Guerra Manoel da Fonseca Lima e Silva. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. Série guerra IG5 18, pasta 1836, 4 jun. 1836.

BLOEM, João. Carta enviada ao Ministro dos Negócios da Guerra, Sebastião do Rego Barros,

de Elberfeld, Alemanha. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. Série Guerra IG5 18, pasta 1838, 23

fev. 1838.

BLOEM, João. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. Série guerra IG5 18, pasta 1839. 1 mar 1839.

BLOEM, João. Carta de Bloem ao Ministro e Secretário de Estado dos Negócios da Guerra, Sr.

Sebastião do Rego Barros. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. Série guerra IG5 18, pasta 1839.

mar. 1839.

BLOEM, João. Ofício ao ministro da Guerra, Francisco de Paulo Cavalcante de Albuquerque.

Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, série guerra IG5 18, pasta 1840. 18 ago. 1840a.

BLOEM, J. Ofício ao Ministro Secretário d’Estado dos Negócios da Marinha, Jacintho Roque de

Sena Pereira. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. Série guerra IG5 18, pasta 1840. 27 abr. 1840b.

BLOEM J. Ofício ao Ministro Secretário d’Estado dos Negócios de Guerra, Conde de Lages. Rio

de Janeiro: Arquivo Nacional. Série guerra IG5 18, pasta 1840. 27 abr. 1840d.

BLOEM J. Ofício ao Ministro, Diretor de Estado dos Negócios Da Guerra, Francisco de Paulo

Cavalcante de Albuquerque. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. Série guerra IG5 18, pasta 1840.

ago. 1840e.

BLOEM, J. Ofício ao Regente do Império Pedro de Araújo Lima. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. Série guerra IG5 18, pasta 1840. 16 jul. 1840f.

BLOEM, J. Relação dos cilindros fundidos e vendidos para engenhos de açúcar no tempo da

administração do Major Bloem, de fins de abril de 1834 a junho de 1841. Rio de Janeiro:

Arquivo Nacional. Série guerra IG5 18, pasta 1841. 22 jun. 1841.

EXÉRCITO BRASILEIRO. Fé de Ofício de João Bloem. Rio de Janeiro: Arquivo Histórico do Exército, 1851.

OLIVEIRA, Francisco Antonio. Carta ao presidente da província de São Paulo, Bernardo Gavião Peixoto. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. Série guerra IG5 18, pasta 1840. 9 set. 1837.

SAGALSOVA, Francisco Candido, Almoxarife de Ipanema. Conhecimento de carga. Ipanema,

de maio de 1837. Arquivo Nacional.

FONTES IMPRESSAS

ALMEIDA, Aluísio de. Bloem e a Revolução Liberal. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 19 nov. 1949.

ANAIS DO SENADO. Anno de 1840. Rio de Janeiro: Senado Imperial, 1840. t. 6. Disponível em: <https://bit.ly/3kv2whc>. Acesso em: 25 ago. 2021.

BLOEM, João. Carta publicada aos 19 de maio de 1840. Correio Official, Rio de Janeiro, 1840c.

BLOEM, João. Fábrica de S. João de Ypanema. Diário do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, n. 144,

jul. 1843.

CASTRO, Adler Homero Fonseca de; ANDRADE, Ruth Beatriz S. C. O pátio dos canhões: seu

histórico e acervo. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 1993. Mimeografado.

DISPAROS de canhões abrem festividades a Tobias. O Cruzeiro do Sul, Sorocaba, 5 out. 1994.

GUTIERRES, J. Relatório apresentado à Assembleia Geral Legislativa na segunda sessão da

oitava legislatura, pelo Ministro e Secretário de Estado dos Negócios da Guerra, Manoel Felizardo de Sousa e Mello, 1850. Rio de Janeiro: Ministério da Marinha, 1850.

NESTAS PARAGENS, há cento e vinte e cinco anos… Correio Paulistano, São Paulo, n. 28044,

p. 16, 7 set. 1947.

O BRAZIL. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, p. 4, 15 set. 1842.

PARANHOS JUNIOR, José Maria da Silva (Visconde do Rio Branco). Relatório apresentado à Assembleia Geral Legislativa na quarta sessão da décima quarta legislatura pelo secretário

de Estado interino dos Negócios da Guerra, visconde de Rio Branco. Rio de Janeiro: Laemmert, 1872.

PERGUNTA innocente. O Brasil, [s. l.], ed. 516, 1844.

PINTO, Maria José da Silva. Demonstração da receita e despesa existente dos gêneros da primeira seção do almoxarifado da Marinha até o fim de fevereiro do corrente ano. Rio de

Janeiro: Laemmert, 1845.

SCHÜCH, Guilherme (Barão de Capanema). O Brasil e a Inglaterra. Diário do Rio de Janeiro,

Rio de Janeiro, n. 18, 18 jan. 1863.

SENTINELLA DA MONARCHIA. (a) Rio de Janeiro: [s. n.], n. 223, p. 4, 22 jul. 1842.

SENTINELLA DA MONARCHIA. (b) Rio de Janeiro: [s. n.], n. 244, p. 3, 16 set. 1842.

SUTIL, Miguel. Os canhões do novo jardim. Cruzeiro do Sul, Sorocaba, 26 mar. 1936.

TAUNAY, Afonso d’Escragnolle. O Museu Paulista. Illustração Brasileira, Rio de Janeiro, n. 28,

dez. 1922.

VILLIERS DE L’ILE-ADAM, J. de. (Visconde). Carta Topographica da Provincia de São Paulo. 1

mapa: 49,5 × 62 cm. Litografado. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, 1847.

Disponível em: <https://bit.ly/3BgRJOn>. Acesso em: 25 ago. 2021.

LIVROS, ARTIGOS E TESES

ALMEIDA, Aluísio de. Achegas à história do sul paulista. Revista do Arquivo Municipal, São Paulo, v. 135-140, p. 183, 1950.

ALMEIDA, Aluísio de. A revolução liberal de 1842. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1944.

ANDRADA, Martim Francisco Ribeiro de. Diário de uma viagem mineralógica pela Província

de São Paulo no ano de 1805. In: CLETO, Marcelino Pereira et al. Roteiros e notícias de São

Paulo colonial (1751-1804). São Paulo: Governo do Estado de São Paulo, 1977. p. 143-160.

ARAUJO, Paulo Eduardo Martins et al. Evolução do perfil interno dos altos fornos brasileiros

do século XIX. In: SEMINÁRIO DE REDUÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO, 47., 2017, São Paulo. Anais […]. São Paulo: ABM, 2017.

AYMARD, Jacques-Marie (conde de Gestas). Memoria sobre o estado actual da industria na

cidade do Rio de Janeiro e lugares circumvisinhos. O Auxiliador da Industria Nacional, Rio

de Janeiro, n. 1, 1837.

BAKER, Thomas. Elements of mechanism elucidating the scientific principles of the practical

construction of machines. London: John Weale, 1852.

BARROS, Gustavo. O desenvolvimento do setor siderúrgico brasileiro entre 1900 e 1940:

Crescimento e substituição de importações. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 45, n. 1, p. 153-

, 2015. Doi: <https://doi.org/10.1590/0101-4161201545153gbs>.

CALÓGERAS, João Pandiá. A Fábrica de Ferro de São João de Ipanema. Revista Brazileira, ano

, t. 1, p. 83-95, p. 179-186, p. 290-300, t. 2, p. 90-100, p. 212-227, 1895.

CALÓGERAS, João Pandiá. O ferro: ensaio de história industrial. Revista do IHGB de SP, São

Paulo, v. 9, p. 20-100, 1904.

CARUANA, Adrian. The identification of British Muzzle Loading Artillery: part 2, the piece. The

Canadian Journal of Arms Collecting, [s. l.], v. 22, n. 1, 1984.

CASTRO, Adler Homero Fonseca de. A pré-indústria e governo no brasil: iniciativas de

industrialização a partir do arsenal de guerra do Rio de Janeiro, 1808-1864. 2017. Tese (Doutorado em História Comparada) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

COIMBRA, Creso. Visão histórica e análise conceitual dos transportes no Brasil. Rio de Janeiro:

Cedop do Ministério dos Transportes, 1974.

DANIELI NETO, Mario. Escravidão e indústria: um estudo sobre a Fábrica de Ferro de São

João de Ipanema – Sorocaba (SP) 1765-1895. 2006. Tese (Doutorado em Desenvolvimento

Econômico) – Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

DUPRÉ JUNIOR, Leandro. Memória sobre a Fábrica de Ferro de São João do Ipanema. Annaes

da Escola de Minas de Ouro Preto, Mariana, n. 4, p. 37-68, 1885.

ESCHWEGE, Wilhelm Ludwig. Pluto brasiliensis. São Paulo: Edusp, 1979.

FACIABEN, Marcos Eduardo. Tecnologia siderúrgica no Brasil no século XIX: conhecimento e

técnica na aurora de um país (O caso da fábrica de Ferro de São João de Ipanema). 2012.

Dissertação (Mestrado em História Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

FELICÍSSIMO, Jesuino. História da siderurgia de São Paulo, seus personagens, seus feitos. São

Paulo: Instituto Geográfico e Geológico de São Paulo, 1969.

FERRAND, Paul. A indústria do ferro no Brasil. Annaes da Escola de Minas de Ouro Preto,

Mariana, n. 4, p. 122-139, 1884.

GAMA, Ruy. História da técnica e da tecnologia: textos básicos. São Paulo: Edusp, 1985.

GEIJERSTAM, Jan. Landscapes of technology transfer: Swedish ironmakers in India, 1860-1864.

Stockholm: Jernkontorets Bersghistoriska, 2004.

IIDA, Kenichi. Origin and development of iron and steel technology in Japan. Japan: The United

Nations University Press, 1980.

JUNQUEIRA, Eulalia. Arte francesa do ferro no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Memória Brasil, 2005.

KARSTEN, Carl Johann Bernhard. Manuel de la métallurgie du fer. Charleston: Nabu, 2011.

KÜHL, Beatriz Mugayar. Arquitetura do ferro e arquitetura ferroviária em São Paulo. Cotia:

Ateliê, 1998.

LANDGRAF, Fernando José Gomes. O colar de ferro da imperatriz. Revista ABM, São Paulo, v.

, n. 656, 2020. Disponível em: <https://bit.ly/3Dlb3vM>. Acesso em: 25 ago. 2021.

LANDGRAF, Fernando José Gomes; ARAÚJO, Paulo Eduardo Martins; SCHROEDER, Renato.

Ipanema e os alemães. In: KUPFER, Eckhard et al. (orgs.). Martius-Staden-Jahrbuch n. 61. São

Paulo: Instituto Martius-Staden, 2016. p. 164-177.

LAVERY, B. Carronades and Blomefield Guns. In: SMITH, Robert D. (ed.). British Naval

Armaments. London: Royal Armouries, 1989. p. 24.

LIMA, Solange Ferraz. O trânsito dos ornatos. Modelos ornamentais da Europa para o Brasil,

seus usos (e abusos?). Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 151-199, 2008. Doi:

<https://doi.org/10.1590/S0101-47142008000100005>.

LOVALLO, Dan; KAHNEMAN, Daniel. Delusions of optimism: how optimism undermines

executive’s decisions. Harvard Business Review, Boston, v. 81, n. 7, p. 56, 2003.

MAMANI-CALCINA, Elmer Antonio; LANDGRAF, Fernando José Gomes; AZEVEDO, Cesar

Roberto de Farias. Investigating the provenance of iron artifacts of the Royal Iron Factory of

São João de Ipanema by hierarchical cluster analysis of EDS microanalyses of slag inclusions.

Materials Research, São Carlos, v. 20, p. 119-129, 2016. Doi: <https://doi.org/10.1590/1980-

-MR-2016-0444>.

MEDEIROS, Francisco Luís Abreu. Curiosidades brasileiras. Itu: Ottoni, 2009.

MORAES, João Baptista. Revolução de 1842. Revista do IHGB de SP, São Paulo, v. 12, 1908.

MOURA, Carlos Eugenio Marcondes; LANNA, Ana Lúcia Duarte (orgs.). Fazendas de café do

vale do Paraíba: o que os inventários revelam. São Paulo: Condephaat, 2014.

OLIVEIRA, Franciely da Luz. Forjando “máquina grande” nos sertões do atlântico: dimensões

centro-africanas na história da exploração das minas de Ipanema e na instalação de uma real

fábrica de ferro no morro do Araçoiaba (1597-1810). 2020. Dissertação (Mestrado em História)

– Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2020.

PLA, Josefina. The British in Paraguay 1850-1870. Oxford: Richmond, 1976.

RATH, Carlos. Fragmentos geológicos e geográficos. São Paulo: Typographia Imparcial, 1857.

Disponível em: <https://bit.ly/3gwmZkv>. Acesso em: 13 set. 2020.

RIBEIRO, David William Aparecido. Uma exposição para o IV Centenário de São Paulo: um

historiador português narra a “história bandeirante”. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 26, 2018. Doi: <https://doi.org/10.1590/1982-02672018v26e23>.

RIBEIRO, Mariana Alice Pereira Schatzer. Entre a fábrica e a senzala: um estudo sobre o

cotidiano dos africanos livres na Real Fábrica de Ferro São João do Ipanema – Sorocaba – São

Paulo (1840-1870). São Paulo: Alameda, 2016.

ROBINS, Benjamin. New Principles of Gunnery. [S. l.]: General Books LLC, 2009.

RODRIGUES, João Lourenço. Apontamentos para a história do Ipanema. Boletim do Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo, São Paulo, v. 11, 1953.

RODRIGUES, Jorge. Ferro, trabalho e conflito: os africanos livres na Fábrica de Ipanema. História Social, n. 4-5, p. 29-42, 1997.

SANTOS, Irina Aragão. Rendas de ferro: uma doação pela memória civilizatória brasileira.

Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 29, p. 1-26, 2021. Disponível em: <https://bit.ly/3krz0sm>. Acesso em: 25 maio 2021.

SANTOS, Nilton Pereira. A fábrica de ferro São João de Ipanema: economia e política nas

últimas décadas do Segundo Reinado (1860-1889). 2009. Dissertação (Mestrado em História)

– Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

SCULLY, William. Brazil, its provinces and chief cities, the manners and customs of the people:

agriculture, commercial and other statistics taken from the latest official documents, with a

variety of useful and entertaining knowledge, both for the merchant and the emigrant. London: Murray & Co, 1866.

SIMÕES, Ana, CARNEIRO, Ana, DIOGO, Maria Paulo (eds.). Travels of learning: a geography

of science in Europe. New York: Springer, 2003.

SOUZA, Augusto Fausto de. Fortificações do Brasil. Revista Trimestral do Instituto Histórico e

Geográfico Brasileiro, t. 48, parte II, 1885.

SOUZA, Irineu Evangelista. Autobiografia: Visconde de Mauá. Brasília, DF: Senado Federal, 2011.

SOUZA, Octavio Tarquínio. Bernardo Pereira de Vasconcelos. Brasília, DF: Senado Federal, 2015.

TELLES, Pedro Carlos da Silva. História da engenharia no Brasil: séculos XVI a XIX. Rio de

Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1983.

THE NEW INTERNATIONAL ENCYCLOPAEDIA. Iron and steel, metallurgy of. [S. l.: s. n.], 1905.

Disponível em: <https://bit.ly/3lSqfZ0>. Acesso em: 21 set. 2021.

TOMASEVICIUS FILHO, Eduardo. Entre a memória coletiva e a história de “cola e tesoura”: as

intrigas e os malogros nos relatos sobre a Fábrica de Ferro de São João de Ipanema. 2012.

Dissertação (Mestrado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

VARNHAGEN, Francisco Adolfo de. História geral do Brasil. Rio de Janeiro: Laemmert, 1857. v. 2.

YONEKURA, Seiichiro. The Japanese iron and steel industry, 1850-1990: continuity and

discontinuity. London: Macmillan, 1994.

Downloads

Publicado

2021-12-13

Edição

Seção

Estudos de Cultura Material

Dados de financiamento

Como Citar

LANDGRAF, Fernando Jose Gomes; CASTRO, Adler Homero Fonseca de; ARAUJO, Paulo Eduardo Martins; REGALADO , Luciano Bonatti. Os canhões de Ipanema: tecnologia, indústria, logística e política em 1840. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, São Paulo, v. 29, p. 1–36, 2021. DOI: 10.1590/1982-02672021v29e57. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/anaismp/article/view/178172.. Acesso em: 14 jun. 2024.